Investir em Imóveis

Apartamentos de luxo e custo da mão de obra impulsionam preço de imóveis em Goiânia

Cidade é a capital brasileira com maior valorização no último ano

Por:Breno Damascena 25/06/2024 6 minutos de leitura
mercado-imobiliário-goiania
Em 2023, o volume total de vendas na capital chegou a R$ 6 bilhões/ Crédito: FlyMe/AdobeStock

Publicidade

O contraste entre áreas verdes e o cinza do concreto simboliza o pungente mercado imobiliário de Goiânia. Na esteira do crescimento populacional, a cidade observa um movimento de verticalização e a multiplicação de imóveis de luxo. A competição por terrenos e o custo de mão de obra inflacionam o preço dos imóveis enquanto o município busca ocupar um papel de protagonismo no cenário nacional.

Entre 2010 e 2022, o número de pessoas que vivem em Goiânia disparou de 1.301.912 para 1.437.237, de acordo com dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta de 10,4% é acompanhada pelo aumento de 62% na proporção de pessoas que moram em apartamentos. Apesar de 70% dos moradores da capital ainda habitarem as casas, pouco mais de 24% ocupam os prédios.

+ O que é um imóvel de alto padrão? Especialistas respondem

As mudanças comportamentais e o crescimento da cidade se traduzem no número de vendas de imóveis. De acordo com dados apresentados pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO), a partir de pesquisa realizada pelo instituto de pesquisa Brain Inteligência Estratégica, o volume de vendas de imóveis no primeiro trimestre de 2024 foi de R$ 1,3 bilhão. 

Publicidade

O número simboliza uma alta de 15,8% em relação ao mesmo período do ano passado e representa uma manutenção na tendência de alta após a região ter alcançado um volume total de mais de R$ 6 bilhões em vendas. Corroborando essa expectativa, só no primeiro trimestre deste ano, foram lançadas 1.124 unidades, enquanto as vendas chegaram a 1.923.

Imóveis de luxo

A disparidade entre a oferta e a demanda impulsiona a valorização dos empreendimentos. Segundo o Índice FipeZAP de Venda Residencial, divulgado pelo DataZAP+, Goiânia é a capital brasileira com a maior alta nos últimos 12 meses. A variação acumulada de 14,20% no período elevou o preço do metro quadrado na região a R$ 7.496 e se destaca especialmente nas regiões mais caras da cidade. 

De olho no potencial do setor, grandes incorporadoras passaram a apostar em empreendimentos voltados para consumidores de luxo com apartamentos vendidos por dezenas de milhões de reais. É o caso da City Soluções Urbanas, que recentemente anunciou o lançamento do City House, um empreendimento com 53 unidades de 230m² a 320m², e preços que vão de 2,8 milhões a 4,6 milhões.

Com previsão de entrega para 2028, o City House pretende alcançar R$ 145 milhões em Valor Geral de Vendas/ Crédito: Divulgação City House

Com 12 anos de atuação no segmento de alto padrão da cidade, a empresa já lançou 30 empreendimentos e alcançou um VGV de R$ 2 bilhões. “Goiânia é a capital do agronegócio no Brasil e tem uma grande oferta de serviços. É natural que pessoas venham de vários lugares para ter acesso aos melhores hospitais, centros comerciais e universidades da região”, analisa João Gabriel Tomé, sócio-diretor da City Soluções Urbanas. 

Publicidade

+ Quais são os prédios residenciais mais bonitos de São Paulo? Especialistas respondem

“A cidade é uma base importante dessas famílias que moram no interior ou outras regiões do País e vivem do agronegócio”, complementa o executivo.

Para atrair este público endinheirado, a empresa aposta em apartamentos assinados por arquitetos renomados em áreas luxuosas de Goiânia. O City House, próximo empreendimento da incorporadora, por exemplo, será construído em Marista, bairro mais caro da capital do Goiás. 

Os bairros mais caros de Goiânia: 

BairroPreço do metro quadradoVariação em 12 meses
MaristaR$ 10.170,0012,30%
Jardim GoiásR$ 9.151,009,60%
BuenoR$ 8.904,0012,80%
SulR$ 8.835,00-2,10%
OesteR$ 8.299,0023,50%
Jardim AméricaR$ 7.500,0017,30%
Pedro Ludovico/Bela Vista/Jardim das EsmeraldasR$ 7.129,0012,80%
Nova SuíçaR$ 6.490,0021,90%
SudoesteR$ 5.249,005,20%
CentralR$ 3.795,000,50%
Fonte: Índice FipeZAP de Venda Residencial de maio de 2024

Para Murilo Andrade, CEO da Sousa Andrade Construtora, Goiânia atrai compradores por ser uma cidade que alia segurança, infraestrutura e presença do verde. “Esses elementos atraem o público de alto padrão e se intensificaram nos últimos anos. É um público exigente, que preza por boas marcas, carros de luxo e alta gastronomia. A pandemia estimulou a importância de espaços maiores, que ofereçam mais conforto”, sugere.

Publicidade

+ Tenho R$ 50 mil e o sonho de comprar um imóvel em 10 anos: onde investir?

O último lançamento da companhia, o Bauhaus, apresenta apartamentos de 400 m² a 740 m², incluindo piscina privativa e mobiliário assinado. Com previsão de entrega para maio de 2028, o preço do metro quadrado atingiu R$ 18,5 mil e o imóvel mais caro foi vendido a R$ 9,4 milhões.

“É um retrato da força deste mercado é que um terço das unidades foi comprado por pessoas de fora de Goiânia”, acredita Murilo.

Proximidade de áreas verdes é apresentada como diferencial de empreendimentos na cidade/ Crédito: Divulgação/Sousa Andrade Construtora

As bases da valorização imobiliária

O dinheiro oriundo do agronegócio exerce um papel relevante na economia da região, mas não é apenas a força do segmento que fez os preços dos imóveis valorizarem. “A aprovação do novo Plano Diretor, em 2022, reduziu o potencial construtivo dos terrenos, fazendo com que se construa menos”, argumenta Felipe Melazzo, presidente da Ademi-GO. “Há, também, o custo dos materiais e de mão de obra”.

Publicidade

+ Coberturas mais caras de SP chegam a custar R$ 140 mi; veja como elas são

O aumento das despesas para o incorporador são repassadas aos compradores enquanto apartamentos voltados para o público de luxo se tornam cada vez mais comuns. “Em 2024, vimos empreendimentos residenciais sendo comercializados desde o lançamento por R$ 17 mil o metro quadrado e imóveis comerciais negociados a R$ 20 mil”, ilustra Melazzo.

Assim, a cidade bate recordes de valores e o setor mantém um tom otimista. E a perspectiva é de constante valorização. “O déficit habitacional da nossa região ainda é grande, mas estamos percebendo o consumidor cada vez mais exigente, não aceitando qualquer produto colocado no mercado”, observa Gabriel Santos, Gerente Comercial da Opus Incorporadora.

A valorização de 5,40% no valor dos imóveis em 2024, apontada pelo último Índice Fipe ZAP, reforça este sentimento. Apesar disso, a cidade tem apenas o 19º metro quadrado mais caro do Brasil, ainda atrás de municípios como Osasco (SP), São José (SC) e Vila Velha (ES). Melazzo sugere um movimento de valorização de Goiânia puxado pelas regiões mais procuradas da cidade. 

Publicidade

Goiânia é a terceira capital com maior valorização no ano, atrás apenas de Curitiba (PR) e João Pessoa (PB)/ Crédito: Cássio Gomides/AdobeStock

“A tendência é que o preço médio dos imóveis lançados nos bairros nobres da capital (Bueno, Marista, Oeste e Jardim Goiás) atinja rapidamente o valor de metro quadrado superior a 11 mil reais, sendo que aqueles que serão lançados na orla dos parques e/ou praças poderão superar o valor de R$ 18 mil”, acredita. 

Para efeitos de comparação, o preço médio no Itaim Bibi, bairro mais caro de São Paulo, é R$ 17.354; e no Leblon, bairro mais caro do Rio de Janeiro, está avaliado em R$ 23.145. Ele acredita que o nascimento de projetos inovadores, com tecnologia, fachadas atemporais e responsabilidade socioambiental vão fomentar o mercado para que o setor continue crescendo. 

+ Custo com aluguel pode variar 300% em São Paulo. Veja bairros mais caros e mais baratos

“O mercado imobiliário de Goiânia está em ascensão, com valorização superior a outros investimentos. Bons produtos, bastante crédito imobiliário, a tendência de redução da taxa de juros e as aprovações das Leis Complementares ao Plano Diretor vão impulsionar o setor”, finaliza.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Cidade Dutra: bairro operário que se tornou um dos maiores da cidade

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Creditas e Zap+ se unem para oferecer soluções financeiras para imobiliárias

2 minutos de leitura
Imagem destacada

SP tem boom de microapartamentos em bairros nobres

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Fundos imobiliários de shoppings passam de queridinhos a aposta de longo prazo

4 minutos de leitura