Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


O Itau inovou para você ter mais crédito e pagar menos. QUERO SABER MAIS
O Itau inovou para você ter mais crédito e pagar menos. QUERO SABER MAIS

Página inicial / Aluguel / Como alugar um imóvel pela imobiliária passo a passo

Como alugar um imóvel pela imobiliária passo a passo

Saiba quais são as etapas, exigências e documentações necessárias para alugar um imóvel – e como aproveitar bem essa consultoria e garantir seus direitos


Da Redação

05/11/2020 - 4 minutos de leitura


Os proprietários podem contar com toda a administração da locação, sendo sua responsabilidade apenas pagar o valor do aluguel/ Foto: Getty Images
Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Mesmo com diversos aplicativos que facilitam o contato direto entre locador e locatário, em determinadas circunstâncias, pode ser mais seguro e até mais cômodo procurar uma imobiliária para alugar um imóvel.

A começar pela escolha da casa ou apartamento. Muitas imobiliárias são especializadas na localidade onde atuam e, assim, podem fazer indicações mais precisas.

Do ponto de vista burocrático, os proprietários podem contar com toda a administração da locação, sendo sua responsabilidade apenas pagar o valor do aluguel. Sem contar que a agência de imóveis também cuida de todos os trâmites da operação.

Mas, como envolve uma série de burocracias e cobranças de taxa, esse serviço pode gerar muitas dúvidas em inquilinos e proprietários. Por isso, elaboramos um passo a passo rápido de como acertar o aluguel pela imobiliária.

Passo 1 – Entenda a responsabilidade da imobiliária

É importante conhecer o papel da empresa no processo. Basicamente, ela intermedia toda transação de acordo com a legislação vigente, garantindo que os direitos e deveres do inquilino e proprietário sejam cumpridos.

O serviço tem um preço arcado pelo locador e equivale de 7% a 10% do valor do aluguel mensal, em média. No primeiro mês, essa taxa pode ser de 50% a 100% do valor, para cobrir despesas com divulgação, vistoria, contratos, entre outros realizados antes da locação.

Já o inquilino somente deve pagar o aluguel e a taxa de IPTU, quando é estabelecida em contrato, de acordo com a Lei do Inquilinato.

Passo 2 – Procure a imobiliária

Se você é proprietário e deseja colocar seu bem para alugar, procure a agência de imóveis para começar a divulgação. Esse é o momento de mencionar possíveis exigências e restrições aos moradores.

A imobiliária vai elaborar o anúncio e divulgá-lo em canais, como sites, portais especializados, redes sociais, entre outros, para atrair interessados que tenham o perfil solicitado pelo proprietário. Além de fixar na propriedade a famosa plaquinha indicando a disponibilidade de locação.

Se você está procurando um imóvel para alugar, deve entrar em contato com a consultoria e contar sobre seus interesses e estilo de vida. Isso é importante para que os consultores avisem assim que aparecem oportunidades que atendam às suas necessidades.

Passo 3 – Prepare a documentação necessária

O locatário deve apresentar documentos à imobiliária para análise de crédito, comprovação renda (que deve equivaler a três vezes o valor do aluguel) e garantias de pagamento do aluguel. Os mais comuns são:

  • Cópia autenticada do RG e CPF;
  • Cópia autenticada do RG e CPF do cônjuge (se tiver);
  • Comprovante de residência;
  • Comprovante de renda atualizado do solicitante e de seu cônjuge (se tiver).

A corretora de imóveis pode solicitar outros documentos de acordo com a garantia apresentada. Mencionamos abaixo o que é necessário para as mais conhecidas:

– Fiador

Trata-se de uma pessoa com imóvel quitado e sem irregularidades localizado em território nacional, e que também tenha renda equivalente a três aluguéis. O fiador deverá preencher um formulário com dados pessoais e anexar cópias dos seguintes documentos:

  • RG e CPF do fiador e de seu cônjuge (se tiver);
  • Comprovante de residência;
  • Cópia atualizada do registro do imóvel;
  • Certidão atualização de estado civil;
  • Comprovante de renda que pode ser holerite ou Imposto de Renda do fiador e de seu cônjuge (se tiver).

– Seguro-fiança

Uma das alternativas para alugar sem fiador, o seguro-fiança é contratado com uma empresa especializada – entenda aqui como funciona o seguro-fiança. Podem ser necessários outros documentos, mas as seguradoras pedem principalmente:

  • Documento de identificação com foto;
  • CPF;
  • Comprovante de renda três vezes a mais que o aluguel.

Passo 4 – Exija vistoria do imóvel

Faz parte do papel da imobiliária realizar a vistoria do patrimônio para indicar as condições antes e depois da locação. Em geral, a empresa conta com uma equipe de profissionais que inspecionam estrutura, acabamentos e até mesmo mobília.

A vistoria é documentada e fica como prova do estado do imóvel na ocasião em que foi entregue ao locatário. Isso ajuda a assegurar o proprietário de que o bem será devolvido de acordo com o que estava anteriormente e exime o inquilino de possíveis gastos com reparos e desgastes caso eles já estejam presentes antes da locação.

Passo 5 – Verifique se o contrato está de acordo com o combinado

O contrato de locação garante o cumprimento de tudo o que foi estabelecido durante o período de negociação. A elaboração fica a cargo da imobiliária, que deve registrar desde a data de entrega da moradia ao inquilino até as condições de rescisão. As cláusulas precisam estar de acordo com a Lei do Inquilinato, que regulamenta o aluguel de imóveis urbanos e estabelece direitos e deveres das partes envolvidas.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas