Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


O Itau inovou para você ter mais crédito e pagar menos. QUERO SABER MAIS
O Itau inovou para você ter mais crédito e pagar menos. QUERO SABER MAIS

Página inicial / Investir em Imóveis / Como a baixa dos juros impacta no investimento em imóveis

Como a baixa dos juros impacta no investimento em imóveis

Veja como se beneficiar com a oscilação do mercado e fazer o melhor negócio mesmo durante uma crise mundial

  • (5.0)

Da Redação

29/10/2020 - 2 minutos de leitura


A redução dos encargos tem sido favorável para quem deseja apostar no mercado imobiliário para aplicar seu dinheiro/ Foto: Getty Images
Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Comprar um imóvel para investimento é considerada uma opção segura. Melhor ainda quanto é possível aproveitar a baixa dos juros para conseguir um valor mais vantajoso. De acordo com Dario Ferraço, sócio da SF Consultoria Imobiliária, apesar do mundo estar passando por um momento difícil com a pandemia, a redução dos encargos tem sido favorável para quem deseja melhorar sua condição de vida ou apostar no mercado imobiliário para aplicar seu dinheiro.


Para compreender melhor a relação das taxas com as condições de financiamento, é importante destacar que o Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) é a média de juros paga pelo governo brasileiro em empréstimos tomados de instituições bancárias. Ou seja, quando essa tarifa aumenta, os bancos tendem a comprar títulos do governo, já que desta forma aumentam seus rendimentos.

Quando a tarifa é reduzida, estimula os bancos a emprestarem dinheiro diretamente ao consumidor. Afinal, o empréstimo aumenta a oferta de capital disponível no mercado. É importante ressaltar que é a Selic regula, ainda que indiretamente, outros custos de juros que temos no Brasil. Como, por exemplo, as taxas de poupança, crediário, cartão de crédito, financiamento e inclusive os produtos do mercado imobiliário.

Impacto no setor

“Com a queda nas taxas de juros, as pessoas têm dois benefícios diretos. O primeiro é o aumento na capacidade de financiamento, pois conseguem ampliar o valor do crédito obtido, já que com juros menores é possível parcelar um valor mais alto de imóvel com a mesma parcela. O segundo benefício é a própria parcela, que fica menor e compromete menos a renda”, explica o sócio da SF Consultoria Imobiliária.

Ferraço orienta ainda que vale aproveitar essa onda, porque no próximo ano a situação pode ser outra. “Estamos no menor patamar histórico da taxa Selic que, inclusive, deve ter tendência de aumento para 2021, puxada pelo aumento do valor dos bens. Diferente de outras crises, a pandemia acelerou o mercado imobiliário”, diz Dario. O período é interessante também, segundo o especialista, para quem compra à vista, porque, normalmente, tem uma negociação mais forte e ganha na valorização do imóvel.

Além disso, enquanto a queda da taxa básica reduz o retorno financeiro sobre investimentos em renda fixa e aplicar dinheiro na bolsa pode assustar muita gente pela alta instabilidade da Bovespa, pegar um empréstimo no banco, ou seja, financiar, se torna mais vantajoso com a Selic baixa. “Deixar o dinheiro aplicado em renda fixa, como títulos públicos e privados, com encargo em queda, não irá render como antes. O investimento imobiliário em uma moradia pronta passa a ser uma opção mais rentável com a locação, além da futura valorização do imóvel”, esclarece Dario.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login

  • MARCIO SANCHES
    Há 9 dias

    Parabens pela matéria.


  • Notícias relacionadas