Indicadores Estadão Imóveis
FIPEZAP: 
0.43%
ICON: 
-0.16%
IGP-M: 
0.02%
INCC: 
0.86%
IPCA: 
0.89%
PMI: 
9.2%
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Decoração, reforma e construção

Página inicial / Decoração, reforma e construção / O que é a tecnologia BIM e por que usá-la nas obras

O que é a tecnologia BIM e por que usá-la nas obras

Metodologia proporciona ganhos de até 40% no tempo de concepção e orçamentação de projetos e torna a administração dos edifícios mais eficiente


Verônica Lima

20/01/2021 - 2 minutos de leitura


A tecnologia BIM também permite a construção de modelos 3D, 4D, 5D e até 6D/ Foto: Getty Images
Widget DR. Lava Tudo
SOLUÇÕES DE LIMPEZA HIGIENIZAÇÃO DE SOFÁS, TAPETES E ESTOFADOS EM GERAL,

aprovadas por mais de
500.000 clientes

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.

1 - Selecionar itens
1 - Selecionar itens
Primeiro você seleciona os itens que deseja realizar a higienização.
2 - Agendar
2 - Agendar
Em seguida, entraremos em contato para confirmar o agendamento
3 - Relaxar
3 - Relaxar
Com nossas soluções de limpeza, viva a melhor versão de sua casa!

A tecnologia BIM, sigla em inglês para Building Information Modeling, que significa em português Modelagem de Informação da Construção, é um modelo virtual que gerencia todas as informações do ciclo de vida de um edifício.

Capaz de melhorar muito a eficiência dos projetos – de acordo com o Sienge, fornecedora de solução para construção civil, o método proporciona ganhos de até 40% no tempo de concepção e orçamentação –, a BIM vem sendo cada vez mais empregada no setor.

Conceito

A tecnologia torna virtual o planejamento da obra. Com ela, todos os dados são incorporados em um software que compila desde o modelo de edificação até o orçamento. Assim, além de todas as etapas do projeto ficarem integradas em um único local, os dados são compartilhados com diferentes profissionais envolvidos na construção. Ou seja, permite interações úteis para o desenvolvimento eficiente da planta, já que arquitetos, projetistas, fornecedores e engenheiros trocam informações em tempo real.

A tecnologia também permite a construção de modelos 3D, 4D, 5D e até 6D, dependendo do conjunto de processos e programas previamente incorporados à estratégia do projeto. Diversos países, como Estados Unidos, Inglaterra, Holanda e Finlândia tornaram o BIM obrigatório em obras públicas.

BIM no Brasil

No Brasil, o conceito vem dando seus primeiros passos. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), criou um catálogo com normas aplicáveis à tecnologia BIM.

“Os projetos sempre foram conduzidos e compatibilizados no formato 2D, o que torna a compatibilização interdisciplinar muito mais difícil. Quando você traz uma visualização completa, em 3D, você consegue o quantitativo e custo de materiais de modo rápido e fácil”, afirma o engenheiro Fábio Moraes da incorporadora Talenco, responsável pelo primeiro projeto da Baixada Santista (SP) construído com a ferramenta. “O uso dessa tecnologia fora do País é normal. Aqui, poucas construtoras estão implementando, mas é uma tendência.”

De acordo com o Mapeamento de Maturidade BIM Brasil, realizado pela Sienge em parceria com Grant Thornton, 70% das empresas de construção brasileiras pretendem adotar a metodologia BIM nos próximos dois anos. Atualmente, 38,4% das empresas participantes do estudo já utilizam a tecnologia, que está mais presente nas regiões sul e sudeste.

Benefícios a longo prazo

A aplicação da BIM contribui também para tornar os projetos mais sustentáveis. Ela facilita, por exemplo, a implementação de tecnologias de reuso de água e instalação de placas solares, que trará redução do custo de energia elétrica do condomínio. É comum prever também a infraestrutura para a construção de estações para estacionamento de carros elétricos.

“Ou seja, para a equipe, o uso da tecnologia BIM gera maior produtividade, torna o projeto mais claro e reduz as chances de retrabalho”, explica Guimarães. “A administradora do prédio e o síndico também ganham: passam a ter um raio-X mais preciso do prédio, com tudo o que foi executado. Em termos de manutenção isso é muito valioso”, conclui.

AVALIAR ESSE ARTIGO

Os comentários estão fechados.



Notícias relacionadas