Notícias

Super salários atraem corretores de imóveis, mas quase metade ainda divide tempo com outras funções

Pesquisa indica que maioria tem entre 35 e 49 anos e 62% possuem graduação em alguma especialidade

Por:Breno Damascena 25/06/2024 3 minutos de leitura
corretores-de-imoveis
Rafael Camargo, proprietário da corretora 7 Imóveis, diz que começou a trabalhar no setor pela questão financeira, mas destaca o potencial de flexibilidade oferecido pela carreira/ Crédito: Vinicius Moscato/Divulgação

Publicidade

A experiência ruim que Sophia Martins viveu ao tentar comprar um apartamento motivou a jovem a se tornar a corretora responsável pelas negociações dos próprios imóveis. Enquanto conhecia o segmento por dentro, começou a se apaixonar pelos altos rendimentos, flexibilidade de horários e modelo de trabalho. Hoje, mais de 11 anos depois de tomar essa decisão, ela afirma que o mercado está carente de bons profissionais.

A percepção de Sophia contrasta com o número de corretores no Brasil. De acordo com uma pesquisa do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (COFECI), em parceria com o Cimi360, são mais de 554 mil profissionais do setor espalhados pelo País. Um crescimento de 8% em relação ao mesmo período do ano anterior. “Mas muita gente age como se a profissão representasse uma fase na carreira, uma espécie de fracasso”, sintetiza.

+ Com mais de 1 milhão de seguidores, Sophia Martins aposta em redes sociais para se destacar na área

O estudo sugere que o cenário pode estar mudando. Atualmente, 61% dos corretores se dedicam totalmente à profissão. No entanto, 39% ainda conciliam a corretagem com outras funções, como advocacia, funcionalismo público e negócios próprios. E, apesar da tarefa não demandar uma graduação, 62% são graduados em alguma especialidade.

Publicidade

Sophia Martins acreditam que bons corretores precisam saber ouvir mais do que falar para se colocar no lugar dos clientes e manter um bom relacionamento com eles/ Crédito: Acervo Pessoal

Este é o caso de Rafael Camargo, proprietário da corretora 7 Imóveis, com atuação em Curitiba. Formado em Administração de Empresas, ele ficou encantado pelos altos valores de comissionamento do corretor que intermediou a compra de um imóvel que ele estava adquirindo. “Tem corretores que chegam a ganhar de R$ 30 mil a R$ 40 mil por mês e tudo só depende da sua própria produtividade”, ilustra o executivo.

+ Confira 8 dicas para ser um corretor de imóveis de sucesso

Os “super salários”, entretanto, não são uma realidade para a maioria. Apenas 19% dos profissionais possuem rendimentos mensais acima de R$ 10 mil, segundo dados da Toro Investimentos. Apesar disso, 90% dos respondentes da pesquisa ganham mais de R$ 3.422, a renda média mensal do brasileiro.

Benefícios da profissão

O estudo da COFECI mostra que, assim como aconteceu com Rafael, 33% dos corretores de imóveis entrevistados assumem que se tornaram corretores porque seria uma oportunidade de ganhar muito dinheiro e outros 8% viram seus colegas faturando alto. O executivo, entretanto, diz que acabou se apaixonando por outros benefícios da profissão.

Publicidade

Por que virou corretor? 

Porque é uma oportunidade de ganhar muito dinheiro33%
Porque minha família é do ramo11%
Começou a gostar da área10%
Porque viu seus amigos ou colegas faturando alto8%
Acaso7%
Outros motivos31%
Fonte: Pesquisa sobre corretores de imóveis realizada pela COFECI, em parceira com o Cimi360

“É claro que o comissionamento atrai, mas o principal é a flexibilidade. As pessoas podem fazer sua própria rotina, escolher o segmento que se sentem mais à vontade e flexibilizam seu tempo, horário e ganhos como bem entenderem”, entende Rafael. “Já atuei no Minha Casa, Minha Vida e na classe média, mas hoje estou focado no mercado de alto padrão, por exemplo”, sintetiza.

Mudança de comportamento

Até decidir se dedicar, de fato, à carreira de corretora de imóveis, Sophia Martins pensava em montar a franquia de outro tipo de negócio. “Na franquia, eu demoraria 12 meses para recuperar R$ 20 mil depois de investir R$ 2 milhões. Vi que poderia ganhar isso vendendo um único imóvel de luxo. Nos meus primeiros 30 dias de trabalho, eu vendi 12 imóveis. Qual outra profissão oferece este montante apenas com o ensino médio?”, questiona. 

+ “Corretora dos famosos” em Miami revela segredos para ganhar com imóveis nos EUA

“Na pandemia, a profissão ganhou visibilidade e muitas pessoas viram essa oportunidade, mas acabaram saturando o mercado”, critica Sophia. “As pessoas não vão ter sucesso se elas acharem que vão poder ser metade corretoras de imóveis e metade outra coisa”, alerta. Além deste, a executiva colecionou alguns outros aprendizados Entre eles, a importância da presença digital

Publicidade

Com mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, ela entende que as redes sociais são uma espécie de currículo para os corretores de imóveis e que o investimento na digitalização é uma resposta à mudança de comportamento do consumidor, que está mais exigente, impaciente e bem preparado. “Para ter sucesso, é importante ter disciplina e constância”, orienta.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Platina 220: quanto custa viver no prédio mais alto de São Paulo?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

7 dicas para organizar a mudança residencial

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Saiba mais sobre os benefícios de morar em condomínio fechado

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Nunes resolve reajustar o IPTU pela inflação; alta deve ser de 8,5%

2 minutos de leitura