Compra

Veja como fazer a transferência de dívida do imóvel e pagar menos

Com a Selic em queda, bancos oferecem taxas de juros mais baixas para atrair portabilidade de crédito. Veja quando vale a pena transferir o financiamento

Por: Da Redação 17/09/2020 2 minutos de leitura
Antes de partir para a portabilidade, ouça seu gerente. É possível que ele faça uma proposta para tentar manter o cliente/ Foto: Getty Images

Publicidade

Se você está pagando financiamento imobiliário, sabe o quanto os juros pesam na parcela. Mas é possível renegociar. Os juros definidos no seu contrato não precisam ser permanentes e uma alternativa é fazer a transferência da dívida para outro banco que cobre menos taxas – e, assim, aliviar o seu bolso. 

As sucessivas quedas da taxa básica de juros (Selic) têm feito os bancos baixarem os juros do contrato para atrair consumidores. Neste cenário de competição, quem ganha é o cliente que pode fazer a transferência da dívida de acordo com seus interesses.

A migração da dívida de um banco para outro com encargos menores e sem cobranças de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é chamada de portabilidade de crédito. Foi determinada pelo Banco Central em 2006, pela Resolução nº 3.401

Em 2013, a Resolução nº 4.292 trouxe a obrigatoriedade dos bancos de origem a fornecerem todos os dados sobre a operação para realização da portabilidade em até cinco dias. Antes dessas medidas, o consumidor fazia o financiamento imobiliário com determinado custo e pagava o acordo por longos períodos, mesmo quando os juros do mercado estavam em queda. 

Publicidade

Como funciona?

Basta procurar o banco que ofereça as melhores vantagens de acordo com seu caso para solicitar a portabilidade. O banco de origem é obrigado a fornecer todos os dados sobre a operação: número do contrato, saldo devedor atualizado, demonstrativos, tipos de crédito, valor da parcela e taxa de juros. 

Com essas informações, o novo banco vai avaliar o perfil do potencial cliente. Caso não tenha histórico de inadimplência e demonstre ter condições de pagar as parcelas pontualmente, terá mais chances de conseguir melhores condições.

Antes de partir para a portabilidade, no entanto, ouça seu gerente. A instituição de origem pode fazer propostas para tentar manter o cliente. Ao fazer a portabilidade do financiamento imobiliário, somente as taxas de juros são alteradas. Valor e prazo acordados com o banco anterior são mantidos. 

Dicas para fazer um bom negócio

Não há limites para fazer a portabilidade. Ficar de olho na oscilação dos custos de juros ajuda a identificar o momento certo de rever o valor das parcelas e fazer a transferência da dívida ou mesmo tentar negociar com o seu banco atual. 

Publicidade

Caso tenha o seguro prestamista embutido em sua negociação, você pode sacar o valor ao fazer a portabilidade. Por outro lado, fique atento ao novo contrato para evitar serviços adicionais que a instituição financeira pode colocar, como título de capitalização, que encarece o valor das parcelas

Para saber se de fato a portabilidade do financiamento imobiliário vale a pena no seu caso, avalie o Custo Efetivo Total (CET) da transação, que reúne despesas com juros, seguros e serviços vinculados. Ou seja, tenha a informação completa do quanto você pagará no novo contrato ao transferir a dívida.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Selic de volta aos dois dígitos - como fica o mercado imobiliário?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Confira 5 FIIs que pagam mais de 1% ao mês em dividendos

3 minutos de leitura
Imagem destacada

É possível comprar imóvel sem entrada?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Inscrição no Minha Casa Minha Vida vale para o Casa Verde e Amarela?

2 minutos de leitura