Compra

Preços de imóveis residenciais registram alta de 0,46% em novembro

Maior aumento apontado pelo Índice FipeZap+ no País foi de 2,65% em Vitória (ES)

Por:Breno Damascena 15/12/2022 1 minuto de leitura
vilha-velha-espirito-santo
Vila Velha (ES) é a cidade com maior variação positiva no valor de venda dos imóveis residenciais no Brasil neste ano/ Crédito: Photo by Ramon Buçard on Unsplash

Publicidade

No mês de novembro, o preço de venda dos imóveis residenciais no Brasil registrou alta de 0,46%. Em outubro, o avanço foi de 0,59%. Além disso, o Índice FipeZap+, realizado pelo DataZAP+, mostra que a valorização do setor nos últimos 12 meses é de +6,34%. A maior valorização do mês foi observada em Vitória, capital do Espírito Santo, com +2,65%, e a flutuação observada pela cidade no último ano foi de +23,15%. 

A variação do município capixaba fica atrás apenas da registrada nos últimos 12 meses em Vila Velha (+24,18%) e Balneário Camboriú (+24,15%). “A geografia restrita das áreas verticalizadas dessas cidades limita a velocidade de expansão da oferta, o que potencializa o aumento de preços dos imóveis residenciais quando a demanda sobe”, justifica Pedro Tenório, economista do DataZAP+. 

“Com a pandemia, a demanda por essas cidades aumentou devido aos seus atributos relacionados à qualidade de vida”, complementa. Para comprar um imóvel em Vitória atualmente é necessário desembolsar, em média, R$ 10.360 por metro quadrado. Já em Balneário Camboriú (SC) a média do m² é de R$ 11.340. As duas cidades ficam à frente de São Paulo, onde o valor médio é de R$ 10.171.

Para Tenório, os 0,46% de crescimento do Índice em novembro simbolizam a tendência de estabilidade do setor. O mapeamento aponta que 45 das 50 cidades monitoradas tiveram elevação nos preços no mês. Entre as 16 capitais observadas, apenas Brasília (-0,07%) e Salvador (-0,05%) sofreram recuos no valor do imóvel. 

Publicidade

Expectativas para 2023

Enquanto o ano se encaminha para seus últimos dias, a expectativa é de que as primeiras semanas de dezembro não sejam marcadas por mudanças. “É um fim de ano impactado pela Copa do Mundo, o que implica em um comportamento diferente do tradicional por parte dos consumidores. Além disso, tem a transição de governos, que se traduz em incerteza”, argumenta Pedro. 

O economista acredita em estabilização dos preços para o ano que vem. “As taxas de juros devem permanecer estáveis no patamar atual, pelo menos durante o 1º semestre. A atividade econômica também deve desacelerar. Ou seja, será mais difícil encontrar boas oportunidades, mas elas sempre estão presentes no mercado imobiliário.” 

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

A relação entre a escassez de terrenos em Miami e a construção de empreendimentos mistos

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Perus: passagem e abrigo de importantes vias da cidade

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Preço de compra de imóveis comerciais apresenta estabilidade em setembro

1 minuto de leitura
Imagem destacada

A polêmica sobre as câmeras de reconhecimento facial

3 minutos de leitura