Notícias

IGP-M desacelera a 0,21% em julho e acumula alta de 10,08% em 12 meses

A inflação acumulada em 12 meses pelo IGP-M arrefeceu de 10,70% para 10,08%, abaixo da estimativa intermediária do mercado

Por: Guilherme Bianchini e Marianna Gualter, O Estado de S. Paulo 28/07/2022 0 minutos de leitura
casa-chave-igp-m-desacelera
O resultado ficou abaixo da mediana da pesquisa Projeções Broadcast, de 0,30%/ Créditos: Getty Images

Publicidade

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) desacelera a 0,21% em julho, após alta de 0,59% em junho, informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou abaixo da mediana da pesquisa Projeções Broadcast, de 0,30%. O levantamento tinha piso de 0,13% e teto de 0,75%.

A inflação acumulada em 12 meses pelo IGP-M desacelera de 10,70% para 10,08%, também abaixo da estimativa intermediária do mercado, de 10,18%. No ano até julho, o indicador acumula alta de 8,39%.

Nas aberturas, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) arrefeceu de 0,30% para 0,21% em julho. O índice de preços no atacado acumula variação de 10,14% em 12 meses. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M), por sua vez, registrou deflação de 0,28%, com alta de 9,02% acumulada em 12 meses.

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) desacelerou de 2,81% para 1,16%, conforme divulgado pela FGV na terça-feira. A alta acumulada em 12 meses é de 11,66%.

Publicidade

A nota foi originalmente publicada em:
https://www.estadao.com.br/economia/desacelera-a-021-em-julho-e-acumula-alta-de-1008-em-12-meses/

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Cambuci: um dos bairros mais antigos de São Paulo

2 minutos de leitura
Imagem destacada

FGV: IGP-M tem deflação de 1,01% na 1ª prévia de outubro; confira

0 minutos de leitura
Imagem destacada

Casa cenário de ‘Stranger Things’ está à venda na Geórgia

0 minutos de leitura
Imagem destacada

Compradores inadimplentes não têm direito a valor já liquidado do imóvel, afirma STJ

2 minutos de leitura