Notícias

Apesar de desaceleração, preço do aluguel residencial continua em alta

Setor apresentou valorização de 0,87%, crescimento menor que o registrado nos últimos seis meses

Por:Breno Damascena 18/11/2022 3 minutos de leitura
barueri-cidade-aluguel-residencial
Barueri é a cidade com o aluguel residencial mais caro do Brasil/ Crédito: Getty Images

Publicidade

O aluguel residencial no Brasil está cada vez mais caro. Apesar da desaceleração neste mês, quando o Índice FipeZAP+ de Locação Residencial registrou uma alta de 0,87%, o histórico recente mostra uma variação crescente contínua: abril (+1,84%), maio (+1,70%), junho (+1,58%), julho (+1,37%), agosto (+1,30%) e setembro (+1,08%). 

Ou seja, mesmo com outubro sendo um mês de diminuição dessa valorização, a variação média do aluguel residencial superou o resultado do IPCA (+0,59%) e do IGP-M (-0,97%) no mesmo período. O balanço anual do Índice FipeZAP+ mostra que o valor da locação residencial acumula alta de 14,63%. Para efeitos de comparação, a inflação anual do IPCA é +4,70% e a do IGP-M é +5,58%. 

“Estamos ainda em momento de recuperação, ligado à retomada da economia pós pandemia. O retorno das atividades presenciais, a retomada da produção de alguns setores e o retorno às aulas presenciais, principalmente nas universidades, são importantes para esse segmento”, comenta Larissa Gonçalves, economista do DataZAP+. “Mas a tendência é de estabilização”, ela comenta. 

Em sua perspectiva, a desaceleração observada em outubro é um sinal que os preços vão parar de ter variações tão abruptas e voltar a tendência de evolução natural. “O crescimento deste ano é uma recuperação das quedas dos anos anteriores. A expectativa para os últimos meses do ano é que a valorização do índice de locação permaneça positiva, mas convergindo com os demais índices do mercado, como IGP-M”, analisa. 

Publicidade

Desbancando São Paulo com o aluguel mais caro do país, Barueri agora ocupa a liderança no ranking, com o valor médio de R$ 48,52 por m². “O mercado de locação possui uma dinâmica mais veloz que o mercado de compra e venda. O mercado imobiliário de luxo cresceu durante o período pandêmico, e Barueri, por sofrer forte influência de Alphaville, tende a ser mais volátil que São Paulo”, acredita a economista. 

A capital paulista aparece na segunda posição, com R$ 44,86/m² e Recife vem logo em seguida com o metro quadrado custando em média R$ 41,12. O índice analisa o comportamento dos preços de aluguel residencial em 25 cidades brasileiras. 

CidadeR$/m²
Barueri (SP)R$ 48,52
São Paulo (SP)R$ 44,86
Recife (PE)R$ 41,12
Florianópolis (SC)R$ 38,37
Santos (SP)R$ 38,23
Rio de Janeiro (RJ)R$ 37,06
Brasília (DF)R$ 36,85
São José (SC)R$ 32,18
São José dos Campos (SP)R$ 31,78
Praia Grande (SP)R$ 31,01
Belo Horizonte (MG)R$ 30,15
Santo André (SP)R$ 29,72
Guarulhos (SP)R$ 29,43
Salvador (BA)R$ 29,42
Curitiba (PR)R$ 29,00
Porto Alegre (RS)R$ 26,95
São Bernardo do Campo (SP)R$ 26,11
Campinas (SP)R$ 25,98
Goiânia (GO)R$ 24,91
Joinville (SC)R$ 24,69
Niterói (RJ)R$ 23,96
Fortaleza (CE)R$ 23,22
Ribeirão Preto (SP)R$ 19,96
São José do Rio Preto (SP)R$ 18,93
Pelotas (RS)R$ 15,78
Fonte: FipeZAP+. Com base nos dados das 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZAP+ de Locação Residencial.

O levantamento realizado pelo Índice mostrou que apenas quatro das 25 cidades analisadas registraram queda no valor do aluguel residencial em outubro: Fortaleza (-0,97%); São Bernardo do Campo (-0,26%); Joinville (-0,20%); e Salvador (-0,12%). Enquanto isso, São José (SC) foi a cidade com a maior alta do mês (+3,65%), seguindo a tendência observada em setembro (+3,28%). 

Dentro da cidade de São Paulo, o bairro com o aluguel mais caro é o Itaim Bibi, onde o m² está custando, em média, R$ 70,8 /m². É a terceira região mais valorizada do país, atrás apenas do Leblon (R$ 76,0 /m²) e de Ipanema (R$ 73,5 /m²), no Rio de Janeiro. 

Publicidade

Fonte: FipeZAP+ e IBGE. Valores relativos a outubro de 2022.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Caixa planeja prazo de 35 anos para contratos do Casa Verde e Amarela

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Gafisa vende Fasano Itaim por R$ 330 milhões

2 minutos de leitura
Imagem destacada

5 dicas para criar um projeto sustentável para apartamento

3 minutos de leitura
Imagem destacada

3 produtos de pintura para casas sustentáveis

2 minutos de leitura