Aluguel

São Paulo é a capital brasileira de aluguel residencial mais caro em setembro; veja ranking

Preço médio na capital paulista foi de R$ 44,47 por metro quadrado, mostra Índice FipeZAP+ de Locação Residencial

Por: Jessica Brasil Skroch, O Estado de S. Paulo 19/10/2022 2 minutos de leitura
aluguel-residencial-contrato
O valor médio da capital paulista foi de R$ 44,47 por metro quadrado, o segundo mais caro no ranking geral/ Crédito: Getty Images

Publicidade

São Paulo foi a capital com maior preço médio de aluguel residencial em setembro, aponta o Índice FipeZAP+ de Locação Residencial, divulgado nesta terça-feira, 18. O valor médio da capital paulista foi de R$ 44,47 por metro quadrado, o segundo mais caro no ranking geral, atrás apenas de Barueri (SP), onde o metro quadrado custa, em média, R$ 47,16. Em terceiro lugar está Recife (PE), onde o preço médio por metro quadrado foi de R$ 40,86. Em seguida estão Florianópolis (SC), Santos (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

O Índice FipeZAP+ de Locação Residencial, desenvolvido em parceria pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e pelo ZAP+, acompanha o preço médio de locação de apartamentos prontos em 25 cidades brasileiras, com base em anúncios veiculados na Internet. A média ponderada de todas as cidades analisadas foi de R$ 35,74 por metro quadrado.

Confira o ranking do preço médio de aluguel de imóveis residenciais (por m²) em setembro

  1. Barueri (SP): R$ 47,16
  2. São Paulo (SP): R$ 44,47
  3. Recife (PE): R$ 40,86
  4. Florianópolis (SC): R$ 37,80
  5. Santos (SP): R$ 37,80
  6. Rio de Janeiro (RJ): R$ 36,74
  7. Brasília (DF): R$ 36,56
  8. São José dos Campos (SP): R$ 31,38
  9. São José (SC): R$ 31,05
  10. Praia Grande (SP): R$ 30,60
  11. Belo Horizonte (MG): R$ 29,77
  12. Santo André (SP): R$ 29,58
  13. Salvador (BA): R$ 29,46
  14. Guarulhos (SP): R$ 29,06
  15. Curitiba (PR): R$ 28,60
  16. Porto Alegre (RS): R$ 26,54
  17. São Bernardo do Campo (SP): R$ 26,18
  18. Campinas (SP): R$ 25,60
  19. Joinville (SC): R$ 24,74
  20. Goiânia (GO): R$ 24,71
  21. Niterói (RJ): R$ 23,80
  22. Fortaleza (CE): R$ 23,45
  23. Ribeirão Preto (SP): R$ 19,69
  24. São José do Rio Preto (SP): R$ 18,68
  25. Pelotas (RS): R$ 15,58

Preços sobem, mas desaceleram

Os preços médios de locação subiram 1,08% em setembro, mas desaceleraram pelo quinto mês consecutivo, aponta o Índice FipeZAP+ de Locação Residencial.

Os meses de abril (+1,84%), maio (+1,70%), junho (+1,58%), julho (+1,37%) e agosto (+1,30%) registraram variações maiores do que em setembro. Com o resultado, a variação acumulada do aluguel residencial em 12 meses é a maior desde 2011 (+15,95%).

Publicidade

Mesmo com a desaceleração, a variação média do aluguel residencial superou o resultado mensal dos principais índices da economia doméstica, que registraram nova deflação no período: o IPCA registrou baixa de 0,29% e o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) de 0,95%.

Entre as 25 cidades envolvidas na cesta do índice, apenas Niterói apresentou discreto recuo no valor do aluguel (-0,05%). Entre as 11 capitais consideradas na análise, Florianópolis (2,36%), Curitiba (2,22%) e Goiânia (1,85%) registraram as maiores variações.

Variação do preço médio de aluguel residencial nas capitais em setembro

  1. Florianópolis: +2,36%
  2. Curitiba: +2,22%
  3. Goiânia +1,85%
  4. Fortaleza +1,69%
  5. Porto Alegre +1,51%
  6. Brasília +1,45%
  7. Recife +1,14%
  8. São Paulo +1,00%
  9. Rio de Janeiro +0,84%
  10. Belo Horizonte +0,80%
  11. Salvador +0,19%

Essa matéria foi publicada antes em:
https://www.estadao.com.br/economia/sao-paulo-capital-aluguel-mais-caro-veja-ranking-npre/

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Cláusula beneficiária a favor do locador

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Como diminuir o valor das parcelas do financiamento imobiliário?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Locação comercial: vantagens de investir nessa modalidade

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Setor de construção apresenta crescimento, mas em velocidade reduzida

2 minutos de leitura