Loteamento Urbano

Estudo indica desigualdade territorial em favelas brasileiras

Pessoas mais pobres moram em lugares menos valorizados e com menos acessos a serviços

Por:Breno Damascena 22/11/2023 3 minutos de leitura
favelas-brasileiras
Pesquisadores da Universidade Federal Fluminense investigam segregação marcada por renda e cor nas cidades/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Poucas características definem tanto as cidades brasileiras quanto os contrastes. Enquanto os mais ricos vivem em grandes propriedades cercadas por muros altos e nas melhores regiões da cidade, os mais pobres se amontoam em cortiços, casas pequenas e comunidades afastadas. Um estudo da Universidade Federal Fluminense (UFF) mostra que mesmo dentro das favelas, habitualmente conhecidas por habitar populações mais carentes, as discrepâncias sociais e a desigualdade geográfica se mantêm vivas.

“O senso comum tem a percepção de que as favelas são áreas homogêneas e estão alheias aos sintomas do mundo. No entanto, existe, sim, variação de renda, ainda que essas diferenças não sejam são tão significativas quanto no restante da cidade”, contextualiza a pesquisadora Camila Carvalho, arquiteta e urbanista à frente do estudo. 

Ao lado de Vinicius Netto, professor de Arquitetura e Urbanismo da UFF, ela analisou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 42 favelas e notou que existem marcadores de segregação nestas áreas. Na prática, o estudo indica que existem agrupamentos de pessoas com mais ou menos recursos financeiros dentro das favelas e essas diferenças se traduzem em aspectos objetivos. 

A renda mensal per capita nas favelas analisadas é, em média, 110 dólares (cerca de R$ 539) maior nos aglomerados de alta renda, por exemplo. Nestes grupos de rendimentos elevados, 36% dos moradores são pessoas brancas. O número cai para 27% nos grupos de baixo rendimento mensal. De acordo com o Data Favela e a Central Única das Favelas (Cufa), 67% das pessoas que vivem em favelas são negras.

Publicidade

Ou seja, as áreas de alta renda das favelas têm uma proporção maior de pessoas brancas. “O cenário reflete algo que já é visto na zona sul do Rio de Janeiro, por exemplo, onde moradores brancos moram em áreas com mais acesso a serviços”, compara Camila. E o estudo mostra que a valorização dos imóveis nas favelas também é produto deste ambiente com contrastes espaciais.

O privilégio da localização

O estudo aponta que as diferenças de moradia entre estes dois grupos de rendimento (mais pobres e mais ricos) dentro das favelas se relacionam com as condições de acessibilidade, tanto as áreas internas da comunidade quanto com o restante da cidade. “Nas áreas mais altas das favelas verticais, moram as pessoas de mais baixa renda. Já perto das vias principais e de acesso às cidades, vivem os moradores de mais alta renda”, ilustra Camila.

Essas vantagens de localização são expressas em valores de terras. A proximidade de áreas formais significa estar mais perto de pontos de ônibus, estações de metrô e outras instalações, o que tende a aumentar o preço dos imóveis. Topografias difíceis ou próximas de áreas de risco, como margens de rios sujeitas a inundações, tornam essas terras menos atrativas para o mercado formal.

“As favelas são áreas imobiliárias informais em si mesmas e se comportam como mercados. Elas são integradas como um mercado informal único dentro de uma cidade, o que significa que os preços praticados numa determinada favela afetam os preços praticados noutras na mesma cidade”.

Publicidade

Carvalho & Netto, 2023

“A renda também apresentou correlação com o acesso à esgoto, água e coleta de lixo. Nas áreas que comportam mais brancos e pessoas com renda mais alta, mais pessoas usufruem destes serviços”, acrescenta a pesquisadora. “A segregação residencial em assentamentos informais mostra que as favelas possuem geografias socioeconômicas complexas e semelhantes aos encontrados em outros pontos da cidade”, finaliza.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Bolsonaro corta 95% das verbas do Casa Verde e Amarela para 2023

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Copom anuncia taxa Selic a 10,75%, voltando ao patamar de dois dígitos

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Investidores compram mais imóveis com foco na renda do aluguel, mas tendência é de queda

0 minutos de leitura
Imagem destacada

Selic de volta aos dois dígitos - como fica o mercado imobiliário?

2 minutos de leitura