Especial

Conteúdos Especiais

Desigualdade territorial: faces do racismo imobiliário no Brasil

Da formação dos bairros à dificuldade para alugar imóveis, cor da pele é fator relevante na hora de escolher onde morar e formalizar o contrato

Por:Breno Damascena . 13/10/2022 - 8 minutos de leitura

Publicidade

Ao comprar ou alugar um imóvel, pessoas negras relatam dificuldades e apontam preconceitos motivados pela cor da pele. O racismo imobiliário se reflete em bairros monocromáticos, distritos desiguais e estatísticas que contrariam a tese de um Brasil miscigenado.

Para se ter uma ideia, apenas 5,8% dos habitantes de Moema são pretos ou pardos, ao passo que 60,1% dos moradores do Jardim Ângela se encaixam nessa população. Os dados são do Mapa da Desigualdade 2021, realizado pela Rede Nossa São Paulo a partir de informações populacionais do Censo.

A empresária e profissional de estatística Sauanne Bispo lembra que era criança na primeira vez que tentaram desencaixá-la de um espaço. A baiana estava visitando uma amiga em um bairro da classe alta de Salvador e as meninas resolveram brincar na área de lazer do condomínio. Ela conta que, além dos olhares incomodados, certa vez os porteiros a impediram de utilizar a piscina do prédio.

Aquela vez não foi a única em que se viu diante do desconforto com sua presença em ambientes que historicamente não se acostumaram com pessoas como ela. Entre tantas lembranças, ela recapitula uma experiência que viveu no final de 2020, quando começou a morar com sua filha em um condomínio de casas no distrito Vila Santa Clara, na zona leste de São Paulo.

Publicidade

“Eu e minha filha éramos as únicas pessoas negras no condomínio. E, a princípio, fomos bem aceitas”, relata Sauanne. A jovem narra que as coisas mudaram quando começou a namorar. “Acho que quando meu namorado chegou, deu um tilt. Foi gente negra demais no ambiente”, reflete.

Imagem mostra Sauanne Bispo, uma mulher negra e jovem, sorridente. Ela está em uma sala ampla e espaçosa, com símbolos da cultura negra no ambiente e uma varanda cheia de plantas.
Sauanne Bispo conheceu mais de 30 países e tem quase 60 mil seguidores no Instagram, mas ainda enfrenta dificuldade para alugar um imóvel/ Foto: arquivo pessoal

O momento crítico, em sua visão, foi quando ela descobriu que não estava no grupo de whatsapp dos moradores do condomínio, onde eram debatidos assuntos que iam da festa junina a um incidente em que Sauanne recebeu um bilhete anônimo que ela recebeu depois do namorado ter estacionado numa vaga destinada a visitantes. “Cheguei até a receber multa do proprietário por má conduta. Decidi sair de lá na mesma semana.”

Outra saga

Decidida a se mudar para um lugar maior e mais confortável, ela entrou em sites de aluguel de imóveis e fez uma planilha com aqueles que mais lhe interessavam. No entanto, o caminho não era tão simples assim. “Se eu deixasse essa tarefa para minhas amigas loiras, as coisas seriam mais fáceis”, brinca.

“Estava olhando um apartamento em um aplicativo e a proprietária me mandou um link para vídeos do imóvel, mas assim que migramos para o Whatsapp e ela viu minha foto, senti uma mudança”, relata. “Passou a me perguntar se eu tinha condições de pagar o valor que estávamos acertando, se eu tinha observado os números com atenção, entre outras coisas desse tipo.”

Publicidade

Para conseguir, finalmente, encontrar um apartamento, Sauanne lembra que precisou “criar uma cena”. “Eu cheguei atrasada de propósito e abri o teto solar para que o corretor visse qual era o meu carro”, aponta. “No mesmo dia, eu já estava apertando a mão do proprietário e alugando um apartamento de mais de 200 m²”, relembra. 

“Conheço mais de 35 países e já tive experiências distintas, mas aqui me sinto pior. Não tenho cara de russa ou norte-americana, eu sou brasileira”, comenta. “Aqui preciso ser sempre a pessoa mais arrumada do prédio. Nunca sou vista como alguém que frequenta os lugares que eu frequento, que dirige o carro que eu dirijo ou que mora onde eu moro.”

Direito à propriedade

O relato de Sauanne ilustra a complexidade de morar no País com a maior população negra fora da África. Até mesmo fazer paralelos com outras regiões do mundo, como os Estados Unidos, é uma tarefa complicada. Enquanto nos EUA houve uma segregação formal, que fez com que existissem ‘bairros de pessoas negras’, aqui no Brasil, o racismo imobiliário está ligado à condição socioeconômica. 

É isso que explica Anna Lyvia Ribeiro, advogada com atuação em Direito Imobiliário e  autora do livro Racismo Estrutural e aquisição da propriedade. “Atualmente, a gente consegue identificar facilmente quais são os bairros de negros – tradicionalmente periferias –, e quais são os bairros de brancos”, aponta. “Isso fica claro na queda do valor de mercado e em como a sociedade identifica aquele imóvel.”

Publicidade

Imagem mostra Anna Lyvia Ribeiro, uma mulher negra em uma sala de escritório. Ela está sentada e segura uma caneta na mão e seu notebook a sua frente.
Autora do livro Racismo Estrutural e Aquisição da Propriedade, a advogada Anna Lyvia Ribeiro explica que o racismo imobiliário brasileiro é diferente do norte-americano/ Crédito: Nane Ferreira

“No momento da procura, a gente identifica uma dificuldade maior de locação do imóvel para pessoas negras, principalmente em locais de alto padrão. Logo de cara, existe um questionamento da capacidade econômica daquela pessoa que não é comum com cidadãos brancos”, afirma. “O mesmo acontece na compra e venda, em que negros são empurrados para regiões mais distantes.”

Contexto histórico do racismo imobiliário

 A cor da pele pode determinar o significado de “pertencimento” em algumas regiões da cidade de São Paulo. Nas ruas do centro, pretos. Nas mansões dos Jardins, brancos. O racismo imobiliário é uma face do racismo estrutural. E não é de hoje que ele se manifesta. É um fenômeno que existe desde a época da escravidão, quando Casa Grande e Senzala já segregavam os espaços a que cada um deveria pertencer. 

“Quando a lei de terras foi aprovada, em 1850, ela cria a ideia de quem pode ser proprietário de terrenos no Brasil: os grandes senhores, brancos. Mulheres e negros eram preteridos nessa divisão”, elucida Paula Santoro, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora do LabCidade. “Os pretos já nasciam sem teto e pagavam o aluguel trabalhando na produção, com sua força de trabalho. Assim, eles vivem eternamente em dívida.”

A professora aponta ainda que, a partir daquele momento, as cidades reinventaram formas de dificultar o acesso à moradia por pessoas negras, especialmente pela questão da renda. Isso é visto, por exemplo, na criação de cômodos exclusivos para os trabalhadores domésticos e na distribuição desigual de cores que existe nos bairros da cidade de São Paulo.

Publicidade

Bairros de pretos e gentrificação

“Isso se renova de uma forma menos óbvia: o racismo estrutural. No banco não tem nada formalizando que não se pode conceder financiamento para negros. A nossa política de racialidade imobiliária é controlada por fluxo e comprovação de renda”, explica Paula. “Isso faz com que os territórios se tornem mais brancos a partir das transformações imobiliárias. Cada novo lançamento acelera a tendência”, aponta. 

DistritoProporçãoDistritoProporçãoDistritoProporção
Moema5,8Penha23,9Parque do Carmo40,7
Alto de Pinheiros8,1Mandaqui24,3Vila Andrade41,4
Itaim Bibi8,3São Lucas24,4Sapopemba41,7
Jardim Paulista8,5Cursino24,6Ermelino Matarazzo43,0
Vila Mariana8,7Belém24,7Cachoeirinha43,3
Perdizes9,4Vila Matilde25,4São Miguel44,1
Santo Amaro10,3Jaguara25,8Cidade Dutra45,5
Consolação10,6Aricanduva27,5Itaquera45,7
Lapa10,7Vila Sônia27,9Raposo Tavares46,5
Saúde10,9Casa Verde29,1Jaraguá47,3
Tatuapé11,1Freguesia do Ó29,9José Bonifácio47,6
Pinheiros11,1República30,2São Rafael47,9
Campo Belo12,2Pirituba31,3Campo Limpo47,9
Moóca12,3Bom Retiro31,4Marsilac48,6
Água Rasa13,8Sacomã32,0Perus48,8
Vila Leopoldina14,4São Domingos32,0Vila Jacuí49,0
Santana14,5Rio Pequeno32,4Cidade Ademar50,0
Barra Funda15,7Limão32,8Anhangüera50,3
Butantã16,1Brás33,5Brasilândia50,6
Carrão17,3Vila Medeiros34,0Iguatemi50,9
Liberdade17,9Vila Mariana34,0Vila Curuçá51,2
Vila Prudente19,0Jabaquara34,4Jardim São Luís51,3
Tucuruvi19,3Jaguaré34,4Guaianases51,5
Morumbi19,5Pari34,7Pedreira52,4
Santa Cecília19,7Ponte Rasa35,2Capão Redondo53,9
Vila Formosa20,4Jaçanã35,8Jardim Helena53,9
Cambuci21,0Artur Alvim37,1Itaim Paulista54,8
Socorro21,5São Mateus37,5Cidade Tiradentes56,1
Bela Vista21,6Cangaíba38,2Lajeado56,2
Ipiranga22,038,3Parelheiros56,6
Vila Guilherme22,0Cidade Líder38,8Grajaú56,8
Campo Grande22,3Tremembé39,7Jardim Ângela60,1
Fonte: Proporção (%) da população preta e parda por distrito/ Mapa da Desigualdade 2021/ Rede Nossa São Paulo

Paula exemplifica esse conceito usando o centro de São Paulo como referência. “É tradicionalmente um território popular negro. Mas os movimentos imobiliários estão promovendo mudanças significativas em termos de raça e renda”, explica. “O Brooklyn, em Nova York, era um bairro povoado por negros e pela população pobre imigrante. Hoje, [os moradores] são brancos norte-americanos.”

Caminhos contra o racismo imobiliário

Não faz muito tempo que se popularizou nas redes sociais os relatos feitos por pessoas negras que enfrentavam dificuldades ao tentar alugar um imóvel. E, apesar do racismo ser um crime no Brasil, a advogada Anna Lyvia Ribeiro comenta que é bastante difícil comprovar e reunir provas para um processo jurídico em busca de penalização na esfera administrativa.

Publicação no twitter com relatos de pessoas negras compartilhando experiências no momento de alugar um imóvel

No próprio contexto de São Paulo, existe a Lei Estadual 14.187, onde no artigo 2, inciso 5º, está explicitado que “recusar, retardar, impedir ou onerar a locação, compra, aquisição, arrendamento ou empréstimo de bens móveis ou imóveis” é considerado um ato discriminatório racial com passividade de punição. “O caminho para que isso mude a realidade é seguir denunciando, reunindo o máximo de provas possíveis”, afirma Anna.

A advogada acredita que o caminho para a transformação passa pela compreensão do mercado imobiliário de que a estrutura racial do País afeta a vida das pessoas e que é preciso combater a discriminação em todas as esferas. “É preciso que o setor reavalie como atende às pessoas pretas”, comenta. “O ideal é que as pessoas negras não visitem os bairros mais ricos apenas para trabalhar e servir.”

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Checklist para locação de imóveis no Carnaval

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Home office e pandemia freiam construção de prédios corporativos

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Condomínio pode proibir ar-condicionado no seu apartamento? Confira regras

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Quais foram os 10 FIIs que mais pagaram dividendos no ano?

1 minuto de leitura