No século 18, a região onde hoje está o bairro da Saúde se chamava Cruz das Almas, em homenagem a dois irmãos tropeiros que foram assassinados enquanto passavam pelas redondezas. Ali foi colocada uma cruz e a tradição era de acender velas pela alma dos mortos. No início do século 20, com a construção da igreja Nossa Senhora da Saúde, o nome da santa padroeira tradicionalmente invocada pelos doentes passou a designar o bairro. Com o passar do tempo, o nome foi sendo abreviado e se transformou simplesmente em Saúde.

Leia mais:
Moema: qualidade de vida e localização estratégica
Mooca: um dos bairros mais tradicionais de São Paulo
Liberdade: polo da gastronomia e cultura oriental

No século 19, a Prefeitura havia reservado uma área que ficou conhecida como “Bosque da Saúde”. O local era frequentado nos fins de semana para passeios e piqueniques. Em 1930, o bosque foi dividido e, dez anos depois, a Companhia City loteou parte da área e criou o Jardim da Saúde, considerado um bairro planejado.

Outro ponto de partida para o crescimento populacional da região foi a construção da linha 1-Azul do Metrô, em 1970. Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) 2010, o distrito tem 130.780 habitantes e é um dos preferidos também da colônia japonesa de São Paulo, ficando atrás somente da Liberdade e Aclimação, por manter um clima tranquilo e agradável.

Preços

De acordo com a Pesquisa de Mercado da Capital do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP), o preço médio por metro quadrado (m²) no bairro da Saúde é de R$ 5.164,11. Considerando que ele está localizado na zona que concentra imóveis de médio porte, o valor do aluguel de casas com um dormitório é de R$ 881,25. Já com dois, o custo é de R$ 1.737,50 e com três, R$ 2.328,57.

Mobilidade

O território está localizado no centro-sul de São Paulo. Com vias importantes, como as avenidas Jabaquara, Doutor Ricardo Jafet, Indianópolis, Rubem Berta, Moreira Guimarães e Bandeirantes, está garantida a ligação do bairro ao centro. A região tem ampla oferta de transporte público, com variedades de ônibus que interligam bairros vizinhos. A linha 1-Azul do Metrô é o principal ponto de partida: por ela é possível chegar às estações São Judas, Saúde e Praça da Árvore, além da Santa Cruz, que faz conexão com a linha 5-Lilás.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Educação

O bairro acomoda diversas opções de ensino, como os colégios particulares Santa Amália, Marista Arquidiocesano, Vocacional Radial e Escola Vila Monteiro Lobato. Além da Faculdade Método de São Paulo (FAMESP) e da Faculdade IPEMED de Ciências Médicas. No ensino público conta com as escolas Professora Helena Lemmi e Raul Fonseca.

Saúde

A região da Saúde abriga o Hospital Notre Dame – Bosque da Saúde, além do Centro Médico Chamberlem e do Instituto de Neurologia Funcional.

Lazer

Como opção de lazer, os moradores podem frequentar o Plaza Sul Shopping (Praça Leonor Kaupa, 100). O Centro Cultural Benjamin Perét (CCBP), localizado na Rua Serranos, número 90, realiza palestras culturais e políticas, exibição de filmes e musicais. Já a biblioteca municipal Amadeu Amaral (R. José Clóvis de Castro, s/n) é dona de um acervo de mais de 27 mil exemplares entre livros, revistas, atlas e multimídias. Também tem o Clube Aquático do Bosque (Rua Traituba, 287), um espaço de lazer esportivo e social para associados, fundado em 1962.

Gastronomia

A região conta com uma variedade de sabores, como os sanduíches da padaria Monte Rei Casa de Pães (Rua Fiação da Saúde, 269), a pizza de quatro queijos na Charles Pizzaria (Avenida José Maria Whitaker, 1785), e dos peixes crus do restaurante Kiichi (Rua Doutor Altino Arantes, 795). Aliás, o bairro também oferece diversos mercadinhos orientais, com produtos frescos e importados, como o Shiawase Produtos Orientais (Rua Carneiro da Cunha, 590) e Iwama (Avenida do Cursino, 1788).