Notícias

Investida da gestora Capitânia em fundo imobiliário pressiona minoritários

Em geral, os FIIs de tijolos vêm sendo negociados em Bolsa com valor de mercado em torno de 15% a 20% abaixo do valor patrimonial por conta da crise econômica e das incertezas sobre a ocupação dos edifícios

Por: Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo 07/01/2022 2 minutos de leitura
Fundos de tijolos têm sido negociados com deságio em relação a valor patrimonial/ Crédito: Getty Images

Publicidade

A gestora Capitânia anunciou uma oferta pública para aquisição das cotas (OPAC) do fundo de investimento imobiliário (FII) Pátria Edifícios Corporativos. Ela tem 45% do FII (dado amplamente conhecido só após a publicação do edital) e busca arrematar os 55% restantes por até R$ 125 milhões. Em seguida, já avisou que vai liquidar os ativos do fundo, composto por lajes em sete prédios de São Paulo e cotas de outros FIIs.

Esse tipo de investida é rara e levantou uma discussão sobre a falta de transparência no mercado, onde grandes investidores podem montar posições silenciosamente e assumir o controle em benefício próprio – algo que nem sempre coincide com o interesse dos minoritários. Aqui, a Capitânia busca comprar as cotas com desconto relevante e depois lucrar com a venda dos ativos para terceiros.

A Capitânia propõe pagar R$ 65 por cota, um desconto de 23,5% em relação ao valor patrimonial de R$ 85 por cota. Há um pequeno prêmio de 5,7% em relação ao valor de mercado na data-base fixada em 10 de dezembro. Não foi contratado laudo de avaliação para embasar a proposta. Em geral, os FIIs de tijolos vêm sendo negociados em Bolsa com valor de mercado em torno de 15% a 20% abaixo do valor patrimonial por conta da crise econômica e das incertezas sobre a ocupação dos edifícios.

Dilema

O minoritário que aceitar vender agora abrirá mão de uma possível valorização no médio a longo prazos, quando se espera uma normalização do setor. Antes de a pandemia começar, as cotas eram negociadas por cerca de R$ 100. E há outro dilema: quem mantiver a posição verá redução significativa da liquidez e do poder de voto, uma vez que a Capitânia será de longe a maior cotista.

Publicidade

Esses fatores abrem uma discussão sobre a falta de mecanismos de transparência e proteção no ramo. Os FIIs não têm obrigação legal de informar quem são seus cotistas relevantes, nem o tamanho das suas fatias no bolo. Tampouco há regras que obriguem a realização de OPACs para quem atingir uma participação expressiva nos fundos. Para as empresas listadas na B3 é diferente. Elas têm que divulgar quando um acionista atinge fatias superiores a 5%. E as ofertas de aquisição de ações são obrigatórias em caso de mudança de controle ou de outros gatilhos específicos.

A falta desses mecanismos acende um alerta para cotistas minoritários de outros FIIs, especialmente os de pequeno e médio porte. Nada impede que investidores institucionais montem posições relevantes sem que os minoritários saibam dessas movimentações, nem aonde querem chegar. Procurados, Capitânia e Pátria não comentaram.

Esta nota foi originalmente publicada em:
https://economia.estadao.com.br/blogs/coluna-do-broad/investida-da-grestora-capitania-em-fundo-imobiliario-pressiona-minoritarios/

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Seguro fiança é alternativa para quem não tem fiador

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Especialistas do mercado imobiliário recomendam livros para ler em 2024

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Como escolher o andar ideal para morar no prédio

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Caixa começa a oferecer financiamento do Casa Verde e Amarela com até 35 anos de prazo

1 minuto de leitura