Vila Madalena

Como será prédio que vai substituir o Mercearia São Pedro, na Vila Madalena?

Confira como será o prédio que vai substituir o Bar Mercearia, na Vila Madalena

Por:Breno Damascena 29/02/2024 3 minutos de leitura
bar-mercearia-vila-madalena
Localizado na Rua Rodésia, estabelecimento dará lugar a prédio com VGV estimado R$ 140 milhões/ Crédito: Breno Damascena

Publicidade

Ponto de encontro de artistas, escritores e intelectuais, o Bar Mercearia São Pedro faz parte da memória coletiva da cidade de São Paulo. O fechamento de um dos redutos boêmios mais simbólicos da Vila Madalena após 56 anos de funcionamento marca o processo de verticalização pela qual o bairro vem passando nos últimos anos. No lugar do estabelecimento, surgirá um empreendimento de luxo com 137 unidades residenciais. 

Em funcionamento desde 1968, o “Merça”, apelido dado pelos frequentadores habituais do reduto boêmio, agora apresenta em sua fachada uma placa anunciando o fim de uma “super história”. De acordo com reportagem do G1, o ponto final teria sido colocado depois de anos de litígio familiar entre Marcus Benuthe e Pedro Anis Issa Benuthe, herdeiros de Pedro Benuthe, fundador do bar.

Fato é que o concorrido espaço, localizado a pouco mais de 500 metros do metrô Vila Madalena, agora pertence a construtora Habitram Empreendimentos Imobiliários, depois de adquiri-lo da Mitre Empreendimentos Participações. Não apenas o terreno em que o bar fazia morada, mas outros seis lotes adjacentes na Rua Rodésia. Ali os moradores da região vão assistir nascer um edifício de 26 andares que deverá ser entregue até 2027. 

Publicidade

Um novo capítulo

Com lançamento previsto para o início do segundo semestre deste ano, o prédio abrigará 32 apartamentos com três suítes, além de duas coberturas duplex, sendo que todos os compradores dessas unidades terão direito a duas vagas de garagem. Serão dois apartamentos por andar a partir do 9º andar. Isso porque os sete primeiros andares serão ocupados por 105 estúdios independentes e o 8º terá a área de lazer.

“Ainda não finalizamos todo o projeto, mas os apartamentos terão mais de 100 m² e os estúdios devem ter de 25 m² a 30 m²”, explica Tony Shayo, co-fundador da Habitram. “É um empreendimento no ponto mais alto do bairro, onde, por conta da lei de zoneamento que não permite a produção de prédios altos na zona residencial, mesmo os estúdios vão ter uma vista livre ou para a Praça Rafael Sapienza”, acrescenta.

Com assinatura do escritório de arquitetura Königsberger Vannucchi e do paisagista Ricardo Cardim, o empreendimento pretende se apoiar nos diferenciais do bairro para se destacar de outros edifícios subindo na região. “A Vila Madalena tem uma dinâmica de vida que engloba mobilidade urbana, infraestrutura completa, ruas arborizadas, o que se traduz em qualidade de vida. Vamos incorporar esses pontos no prédio”, ressalta Tony.

Projeto prevê fachada ativa com loja de 212 m², calçadas largas e incorporação do verde/ Crédito: Divulgação/Habitram

O executivo afirma que o projeto também está considerando o impacto do Bar Mercearia na construção da cultura e comportamento do bairro. “Sabemos da importância do bar e, por isso, nos preocupamos em desenvolver melhorias para o local. No térreo, o prédio contará com um espaço comercial e calçadas largas onde se poderia colocar bancos e mesas, por exemplo”, adiciona. 

Publicidade

A loja em questão terá 212m² e fará parte da fachada ativa do prédio, instrumento urbanístico previsto no Plano Diretor Estratégico da Cidade de São Paulo e obrigatória em empreendimentos localizados na Zona Eixo de Estruturação da Transformação Urbana (ZEU) quando deseja-se utilizar o incentivo de uso Não Residencial (NR), que equivale a 20% da área computável.

Apesar disso, dificilmente este novo estabelecimento será como o antigo Bar Mercearia. “Deve ser um comércio de alimentação de pequeno porte, para até 100 pessoas. Pode até ser um bar, mas com algumas restrições por conta dos vizinhos que vão morar ali em cima”, esclarece Tony.

Com um terreno total de 1.044,68 m² e o Valor Geral de Vendas (VGV) estimado em R$ 140 milhões, este será o segundo lançamento da Habitram no bairro. O primeiro, batizado de Vida Madalena, está localizado na Rua Fradique Coutinho, é composto de estúdios com um dormitório e tem previsão de entrega para abril deste ano. 

Neste nova empreitada, a companhia se compromete a respeitar o legado da Rua Rodésia. “Sabemos o tamanho da responsabilidade e queremos criar algo que retribua o que o terreno entrega. Queremos integrar o espaço urbano ao natural, refletindo um compromisso com a sustentabilidade e a qualidade de vida”, esclarece.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

5 mitos e 5 verdades sobre o programa Minha Casa Minha Vida

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Um ano depois, programa de habitação de Bolsonaro entrega menos moradias e zero reformas

5 minutos de leitura
Imagem destacada

Parque expõe novo Baixo Augusta, com menos comércio e mais prédios

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Imirim: religião e desenvolvimento

3 minutos de leitura