Minha Casa Minha Vida & Programas Habitacionais

“Não existe habitação para atender aos mais pobres sem subsídios”, diz vice de Habitação da Caixa

Minha Casa Minha Vida é indicado como impulsionador do desenvolvimento econômico por porta-vozes do mercado imobiliário

Por:Breno Damascena 11/04/2023 2 minutos de leitura
Evento promovido pela ABRAINC reuniu empresários, economistas e políticos para debater os primeiros 100 dias do governo para mercado imobiliário/ Crédito: Tulio Vidal / Divulgação Abrainc

Publicidade

Melhorar o acesso ao crédito e fomentar programas de subsídios são ferramentas essenciais para a expansão do setor imobiliário no Brasil. Essas ideias foram sustentadas em painel sobre a importância do diálogo de companhias privadas com o poder público para a habitação no Summit ABRAINC, evento que debateu os primeiros 100 dias de governo sob a perspectiva de atores do mercado. 

“É importante reafirmar que não existe moradia para o atendimento dos mais pobres que não conte com subsídio do Estado”, disse Inês Magalhães, vice-presidente de Habitação da Caixa. Ela argumentou que a prática vem se mostrando uma estratégia eficiente para estimular a compra de unidades habitacionais pelas populações mais pobres. 

 Para Ricardo R V Gontijo, CEO da Direcional Engenharia, incorporadora que atende famílias subsidiadas pelo MCMV, a iniciativa privada acredita no programa e está atuando para aprimorá-lo. “O subsídio é um investimento que se torna gerador de renda em função dos empregos criados e da arrecadação, além de propiciar situações mais favoráveis de bem-estar social”, afirmou.   

Um novo Minha Casa Minha Vida

O programa habitacional recém-lançado pelo governo Lula ainda deve sofrer algumas alterações até chegar ao modelo ideal. De acordo com o secretário nacional de Habitação, Hailton Madureira, um dos papeis da sua equipe é promover novos formatos de habitação. “Queremos desenvolver novas modalidades, lotes humanizados, parcerias público-privadas e melhores condições de crédito.” 

Publicidade

Madureira acredita que, com acesso a crédito e subsídios, famílias de todas as rendas que precisam de casa serão atendidas. Colocar a moradia como prioridade do Estado também foi uma demanda apresentada por Edinho Silva, prefeito da cidade de Araraquara, interior de São Paulo. “Desta forma, a população e a sociedade saberiam, de fato, o que vai acontecer, independentemente da troca de governos. Ter essa clareza e um ambiente de estabilidade será um bom cenário para todos”, contextualizou.

Inovações no setor

 O presidente da Setin Construtora, Antonio Setin, se mostrou otimista neste cenário de transformações que o setor vem passando nos primeiros 100 dias do ano. “Este mandato tem um viés pró-mercado imobiliário. O governo Lula já manifestou mais de uma vez que habitação é um tema importante não só para baixa renda, mas para a classe média também”.

 Porém, atuando como porta-voz do mercado, Setin defendeu novas mudanças para impulsionar o crescimento do setor, como o abatimento do Imposto de Renda (IR) dos juros que se pagam na aquisição da casa própria. “A taxa de juros está em um patamar que não conversa com o mercado imobiliário.” 

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

O peso do aluguel: Brasil tem mais de 6 milhões de domicílios em déficit habitacional

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Qual é a melhor forma de quitar o financiamento imobiliário?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Qual é o score ideal para conseguir um bom financiamento?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Qual é a melhor espécie de planta para você? 

0 minutos de leitura