Flávio Guerra

Flávio Guerra

Ver mais especialistas
Artigos

Loteadoras são parcerias estratégicas do poder público no mercado imobiliário

Flávio Guerra é CEO da Construir Loteamentos.

Por:Flávio Guerra 14/04/2024 2 minutos de leitura
loteamento-importancia
"As loteadoras beneficiam as comunidades locais ao investir em melhorias nas estradas, redes de água, esgoto e energia elétrica"/ Crédito: Edivaldo Antonio/AdobeStock

Publicidade

Na última década, testemunhamos o aumento populacional e uma mudança do paradigma habitacional no Brasil, especialmente após a pandemia de Covid-19, que impulsionou o êxodo das capitais. Agora, criar cidades que sejam autossustentáveis é o grande desafio das prefeituras do interior do país. 

Nesse contexto, o mercado de loteamentos se mostra um parceiro estratégico para o poder público no aquecimento do mercado imobiliário, desempenhando um papel crucial na oferta de infraestrutura, no crescimento do comércio local e na geração de emprego e renda.

Ao chegar a um município, as loteadoras são responsáveis por inserir ali toda a infraestrutura necessária para seus empreendimentos. Dessa forma, elas acabam beneficiando as comunidades locais ao investir em melhorias nas estradas, redes de água, esgoto e energia elétrica. Uma melhor infraestrutura somada à perspectiva de novos moradores, logo, consumidores, promove otimismo no comércio local. 

+ O que muda em São Paulo com novo Plano Diretor

Publicidade

Vejo lojistas, proprietários de bares, restaurantes e outros pontos comerciais investirem mais em seus negócios e até abrirem novos negócios. Tudo atraído pela infraestrutura possibilitada pelas loteadoras. O desenvolvimento do comércio, por sua vez, influencia diretamente na geração de emprego e renda para a comunidade local.

Contribuindo para o desenvolvimento urbano e para uma expansão mais ordenada das cidades, as loteadoras não apenas lançam novos imóveis, mas contribuem para a valorização imobiliária de toda região. Para isto, no entanto, as loteadoras devem respeitar a cultura local e se integrar às comunidades no planejamento de qualquer empreendimento. 

Negociar com o poder público significa negociar com representantes de toda uma população, que tem modos de viver, costumes e valores que devem ser considerados. Sem isso, ao invés de funcionar como um impulso ao progresso, um novo empreendimento pode se tornar um problema a ser rechaçado pela cidade.

A cada novo loteamento, constrói-se praças e edificações necessárias à comunidade, seja uma escola, um posto de saúde ou qualquer outra instituição pública. Além disso, promove a ocupação de trabalhadores locais, empregando os próprios moradores nas obras de construção.

Publicidade

O loteamento é o embrião do mercado imobiliário porque ele exige uma preocupação maior em termos ambientais, urbanísticos e sociais. Essa é uma visão de mercado mais recente, marcada pelo entendimento das consequências da urbanização desordenada e das mudanças climáticas. Hoje sabemos que é imprescindível que os empreendimentos sejam mais sustentáveis para que as cidades ofereçam qualidade de vida para nós e para as próximas gerações.

+ Qual a diferença entre concessão, privatização e PPP?

Nesse sentido, na parceria público-privada (PPP), é essencial que os recursos e a expertise de ambas as partes se complementem para criar uma sociedade mais próspera. Ao unir forças, loteadoras e poder público não só constroem casas aumentando a oferta de moradia, mas moldam o futuro das cidades com missão e responsabilidade compartilhadas.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Independência: valor maior não há

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Aposta no digital pode salvar venda de imóveis durante pandemia

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Aluguel fica quase 10% mais caro no primeiro semestre de 2023

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Índice de inadimplência em condomínios brasileiros é de quase 12%

1 minuto de leitura