Marie Brandão

Marie Brandão

Ver mais especialistas
Artigos

A responsabilidade ambiental do mercado imobiliário

Marie Brandão é fundadora e CEO da Stratégie Inteligência e Gestão Imobiliária

Por:Marie Brandão 16/06/2024 5 minutos de leitura
meio-ambiente-mercado-imobiliario
“Para os compradores, a consciência ambiental deve começar na escolha do imóvel”/ Crédito: Choat/AdobeStock

Publicidade

A sustentabilidade no mercado imobiliário não é apenas uma tendência passageira; é uma necessidade urgente que exige a atenção de todos os envolvidos, desde investidores e construtores até compradores e moradores. Em um mundo cada vez mais consciente dos impactos ambientais, o setor imobiliário precisa assumir uma posição de liderança na adoção de práticas sustentáveis. 

O setor imobiliário é um dos maiores consumidores de recursos naturais e energia, sendo responsável por uma significativa parcela das emissões de gases de efeito estufa. De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), os edifícios são responsáveis por cerca de 40% do consumo global de energia e 33% das emissões de CO2. 

+ Prédios corporativos investem em sustentabilidade para atrair multinacionais

No Brasil, a construção civil é um dos setores que mais gera resíduos sólidos, aproximadamente 50% do total produzido no país, segundo dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP). Além disso, a produção de cimento, um dos principais materiais utilizados na construção, é altamente poluente, contribuindo significativamente para a emissão de dióxido de carbono.

Publicidade

Para os compradores, a consciência ambiental deve começar na escolha do imóvel. É fundamental considerar aspectos como a eficiência energética, a origem dos materiais de construção e a gestão de resíduos do empreendimento. Certificações como LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e AQUA-HQE (Alta Qualidade Ambiental) são indicadores importantes de práticas sustentáveis. 

Investir em imóveis sustentáveis não só ajuda a proteger o meio ambiente, mas também pode resultar em economias significativas a longo prazo. Edifícios eficientes energeticamente podem reduzir as contas de luz e água, além de aumentar o valor de revenda do imóvel. Estudos mostram que imóveis com certificação verde podem ter um valor até 30% superior aos não certificados.

Do lado dos construtores, a adoção de práticas sustentáveis é crucial. Isso inclui desde a escolha de materiais menos poluentes até a implementação de sistemas de gestão de resíduos e o uso de tecnologias de construção verde. O uso de energia renovável, como painéis solares e sistemas de aquecimento eficientes, deve ser incentivado e incorporado desde o início do projeto. 

A adoção de tecnologias como a Building Information Modeling (BIM) permite um planejamento mais eficiente, reduzindo desperdícios e melhorando a precisão na utilização de recursos. Além disso, a construção modular, que permite a fabricação de partes do edifício em fábricas controladas, pode diminuir significativamente os resíduos de construção e o impacto ambiental.

Publicidade

Existem diversos exemplos de projetos imobiliários que têm adotado práticas sustentáveis com sucesso. Um exemplo notável é o edifício Bosco Verticale em Milão, Itália, que integra mais de 900 árvores e diversas plantas em sua estrutura, promovendo a biodiversidade e melhorando a qualidade do ar. 

No Brasil, o empreendimento Pátio Victor Malzoni, em São Paulo, é um exemplo de construção sustentável, utilizando materiais reciclados, sistemas de reaproveitamento de água e eficiência energética. Esses exemplos mostram que é possível alinhar desenvolvimento imobiliário com sustentabilidade, beneficiando tanto o meio ambiente quanto a sociedade.

Para que o mercado imobiliário se torne verdadeiramente sustentável, é necessário um esforço conjunto. 

Governos podem implementar políticas que incentivem a construção sustentável, como isenções fiscais e financiamentos com taxas de juros reduzidas para projetos verdes. Os construtores devem continuar inovando e adotando tecnologias que minimizem o impacto ambiental. E os compradores devem priorizar a sustentabilidade em suas decisões de compra. 

Publicidade

A educação e conscientização sobre a importância da sustentabilidade no setor imobiliário são fundamentais. Programas de certificação e treinamento para profissionais do setor podem ajudar a disseminar práticas verdes. Além disso, campanhas de conscientização para o público em geral podem aumentar a demanda por imóveis sustentáveis, incentivando mais construtores a adotarem essas práticas.

No entanto, não se trata apenas de grandes empreendimentos, pequenas ações também fazem uma diferença significativa. A escolha de materiais recicláveis, a utilização de sistemas de captação de água da chuva, e a instalação de telhados verdes são algumas das práticas que podem ser incorporadas tanto em grandes quanto em pequenos projetos. Cada decisão conta e contribui para um impacto ambiental reduzido.

As tecnologias emergentes também estão desempenhando um papel vital na transformação do mercado imobiliário. Por exemplo, a Internet das Coisas (IoT) está sendo utilizada para criar edifícios inteligentes que monitoram e otimizam o uso de energia em tempo real. Sistemas de automação residencial podem ajustar o consumo de eletricidade e água com base na ocupação e nas necessidades dos moradores, resultando em maior eficiência e economia.

Além disso, a gestão de resíduos é uma área crítica onde os construtores podem fazer uma diferença significativa. Implementar programas de reciclagem e reutilização de materiais de construção pode reduzir drasticamente a quantidade de resíduos que acabam em aterros sanitários. A adoção de práticas de construção circular, onde os materiais são projetados para serem desmontados e reutilizados, está ganhando tração e promete transformar a forma como os edifícios são concebidos e construídos.

Publicidade

A responsabilidade com a natureza é uma co-responsabilidade de todos. A adoção de práticas sustentáveis na construção e na compra de imóveis é um passo crucial para mitigar os impactos ambientais e garantir um futuro mais verde. O caminho para um mercado imobiliário sustentável é desafiador, mas os benefícios econômicos, sociais e ambientais tornam essa jornada não apenas necessária, mas também altamente recompensadora. 

A conscientização e a ação imediata são essenciais para transformar o setor e proteger o nosso planeta para as futuras gerações. A responsabilidade compartilhada é a chave para um futuro onde o desenvolvimento imobiliário e a preservação ambiental caminhem juntos, garantindo um legado positivo para as próximas gerações.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Cachorro em apartamento: como manter a higiene durante a quarentena

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Como decorar apartamentos pequenos: veja 11 dicas para repensar ambientes

6 minutos de leitura
Imagem destacada

Plano & Plano reduz exposição ao Casa Verde e Amarela e volta ao médio padrão

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Como funciona o seguro de um imóvel alugado? Quem paga? Quem recebe?

2 minutos de leitura