Arquitetura Sustentável

Biopiscinas: a piscina natural que dispensa manutenção com produtos químicos

Reservatório de água conta com plantas e microrganismos aquáticos para manter-se limpa e purificada – e oferece melhor custo benefício

Por: Da Redação 30/10/2020 2 minutos de leitura
A instalação do modelo em casa sai mais caro do que uma piscina convencional/ Foto: Getty Images

Publicidade

Que tal mergulhar em uma piscina livre de produtos químicos? Nada como se refrescar em um dia quente sem precisar se preocupar com prejuízos na pele, nos cabelos e irritação nos olhos. É o que oferecem as biopiscinas.

Elas são espécies de lagos artificiais construídos no quintal de casa. No lugar de cloro, algicida e clarificantes, utiliza-se substratos e plantas aquáticas responsáveis por manter a água constantemente limpa e transparente.

Funciona assim: são colocados microrganismos aquáticos, como as algas, que se alimentam das bactérias e materiais em decomposição presentes na piscina natural. Este processo libera substâncias que são utilizadas pelas plantas no processo de fotossíntese, em que é produzido oxigênio.

Mergulhando na piscina natural

A estrutura da biopiscina consiste em duas áreas: uma destinada ao uso pelos banhistas e outra à purificação biológica da água, onde ficam as plantas. A separação é feita por meio de telas ou muretas e é muito importante porque os vegetais tendem a virar habitat de insetos e outros animais, como girinos.

Publicidade

Você deve estar se perguntando: não há o risco do ambiente, com água parada, ser ideal para o mosquito da dengue? A resposta é não, porque como a piscina cria um ecossistema equilibrado, atrai também predadores do aedes aegypti, como sapos e rãs, o que evita sua proliferação.

A circulação da água por toda a estrutura pode ser feita por meio de equipamentos complementares, como motor-bomba, aspirador ou captador de água. Também é possível escolher o visual da biopiscina: se mais rústico como um lago ou manter a característica da piscina tradicional, mas com área verde. Em ambos os casos, a tonalidade da água será esverdeada devido à presença dos microrganismos.

Preço mais alto versus melhor custo benefício

Em geral, a instalação desse tipo de reservatório em casa sai mais caro do que uma piscina convencional. O preço varia de acordo com o projeto e materiais utilizados. Mas, a médio e longo prazo, ajuda a poupar gastos com energia elétrica, compra de produtos químicos e outros recursos para manutenção e tratamento.

A piscina natural também diminui o consumo de água, porque não necessita ser enchida e esvaziada com frequência. A troca somente é recomendada para repor o que se perdeu por evaporação ou quando for realizada a limpeza (de preferência, uma vez ao ano). Além de evitar perdas de água em processos tradicionais como aspiração e retrolavagem dos filtros.

Publicidade

Os cuidados com a biopiscina se resumem a cortes das plantas mortas e limpeza de folhas e de sujeira no espaço para banho. Duas vezes ao ano, também é recomendada a contratação de serviço especializado para avaliar o ecossistema.

Mas o cuidado principal começa mesmo na instalação da piscina natural. As espécies de plantas e microrganismos devem ser escolhidas considerando o clima e a região. Além disso, animais criados no local para produzir um ambiente ainda mais natural, como peixes e patos, precisam ser acompanhados para evitar excesso de resíduos que comprometam a limpeza da água.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Mercado imobiliário brasileiro deve crescer mesmo com nova alta da Selic

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Locomoção para o trabalho impulsiona negócios imobiliários

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Prefeitura de São Paulo leiloará R$ 213 milhões de Cepacs da Faria Lima

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Piora da economia contamina expectativa de empresários do setor imobiliário

1 minuto de leitura