Com atuação no segmento econômico, mercado que respondeu por quase metade dos lançamentos da capital em 2020, a Econ fechou 2020 com 14 lançamentos, 4.077 unidades e valor geral de vendas (VGV) de R$ 893 milhões, de acordo com dados da Embraesp, basicamente com projetos que atendem ao programa federal Casa Verde e Amarela.


O resultado colocou a empresa, que desde 2001 entregou 70 empreendimentos e 18.867 unidades em todo o Estado, no Top Imobiliário, nas categorias Incorporadora e Vendedora. Para 2021, a previsão é de um salto de 30% no crescimento, segundo o diretor de Incorporação da Econ, Fábio Magalhães Verçosa. “Planejamos 20 lançamentos. Já fizemos quatro e teremos cinco pré-lançamentos entre junho e julho. Para o segundo semestre, serão mais 11 empreendimentos”, declara o executivo.

Como exemplo do que promete ser este ano, Verçosa conta que a empresa fez, há 60 dias, o lançamento do empreendimento Flap Guarulhos e das 358 unidades, de um e dois dormitórios, de 41 m² e 43 m² – todas do programa Casa Verde e Amarela –, e já tinham comercializado 310 há cerca de uma semana. De acordo com ele, a tecnologia foi a grande marca do ano diante das dificuldades da pandemia. “Tivemos muita velocidade em assimilar novas exigências do mercado”, diz. 

Segundo o executivo da empresa, o desafio imediato era quebrar a resistência de um mercado razoavelmente conservador, sem o costume de trocar de imóvel, e que ainda estava acostumado a visitar estandes, ver perspectivas impressas e a assinar, “com caneta”, documentos de compra e venda.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.

“Com o cliente do segmento econômico mais tempo em casa, ele se deparou com a falta de preparo para o home office, na maioria dos casos, e agora, com mais tempo, ‘saiu’ para o mercado à procura de imóvel que oferecesse novas condições. E assimilou bem a assinatura digital”, afirma Verçosa.

Filosofia

A Econ atua forte na cidade de São Paulo e nos municípios de São Bernardo, Guarulhos, Diadema e Santo André, entre outros. E, em todos os empreendimentos, segundo informa, “aplica sua filosofia de alternativas inteligentes e metodologias otimizadas”. Isso significa, segundo a empresa, projetos em alvenaria estrutural, padronização arquitetônica que permite replicar um projeto em vários empreendimentos, captação de água de chuva para reaproveitamento, torneiras com temporizador e iluminação com LED nas áreas comuns e bicicletário.

Primeiro lançamento pós-abertura dos estandes, o E/Life Mandaqui estava 70% vendido em outubro e, no fim do ano, tinha zerado o estoque. Tem unidades de 42 m², fora do Casa Verde e Amarela. São dois dormitórios, uma vaga na garagem, e terraço gourmet integrado com a cozinha e área de serviço, com sugestão de churrasqueira ecológica, lazer completo, com piscina, academia, salão de festas. O preço de comercialização estava na casa de R$ 290 mil. No ano passado, a Econ fez o lançamento de apenas dois produtos de médio padrão, um deles fora da cidade de São Paulo.

Conteúdo originalmente publicado em https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,top-imobiliario-2021-meta-da-econ-e-colocar-no-mercado-20-novos-projetos-ate-o-final-do-ano,70003756838