Sumário

    O ano passado foi um dos mais importantes para a One Incorporadora e, de carona, para a Innova Brasil, sua house de vendas, pois a performance de uma alimenta a da outra. Não por acaso, as duas foram indicadas ao Top Imobiliário 2022 – a primeira para o ranking da incorporadoras, no qual ficou em 7.º lugar. A segunda, se classificou na 10.ª posição entre as imobiliárias. 

    Segundo a Embraesp, a One chegou ao final de 2021 com 1.604 unidades lançadas em 20 empreendimentos, totalizando um VGV de R$ 1,44 bilhão. A Innova lançou 19 conjuntos com 1.551 unidades e VGV de R$ 1,25 bilhão.

    Paulo Petrin, vice-presidente da incorporadora, diz que parte do resultado está no fato de atuar com empreendimentos da faixa de médio e alto padrões, com projetos que variam de R$ 300 mil a R$ 6 milhões. “Uma característica de nossos clientes é que a maioria não está em busca do primeiro imóvel – o que também ajudou nas vendas”, diz Petrin. 

    Bairros com boa infraestrutura e mobilidade, como Pinheiros, Perdizes, Vila Clementino, Campo Belo, Brooklin e outros, aliados a “imóveis aconchegantes”, segundo Petrin, complementam a fórmula vencedora. “A maioria dos nossos clientes busca um espaço mais valorizado do que aquele que ele já possui, em bairros com infraestrutura completa. Ou compra o imóvel como investimento”, afirma. 

    Não é novidade que o mercado imobiliário é visto como um dos mais seguros para se investir, especialmente quando o cenário macro não caminha muito bem. “O imóvel é um ativo seguro”, diz Milton Goldfarb, CEO da One, reproduzindo um bordão do setor. 

    Embora não tenha números a respeito, ele diz ter a “percepção” de que as pessoas migram para a compra de imóveis quando os ativos de risco, como ações, começam a cair. “O imóvel tem essa característica de segurança – seja para quem mora, seja para quem investe.” 

    Para driblar o aumento dos custos, os executivos contam que a saída foi diminuir um pouco a margem e melhorar a eficiência. Goldfarb pontua que uma das preocupações é com o custo da engenharia, que precisa estar redondo para manter a competitividade. “A demanda por imóvel não diminui por conta do aumento dos preços. O que ocorre é uma diminuição da pirâmide compradora”, diz. 

    “Ter parceiros que ajudem nessa equação faz toda a diferença”, reforça Petrin. É aqui que entra a Innova Brasil. Marcello Abbud e Jair Davello montaram a empresa em 2013 para vender somente produtos da One.

    E, a exemplo do que ocorreu com a incorporadora, o ano passado foi de recorde de vendas na imobiliária. “Tivemos um ano bem atípico, no bom sentido, pois vendemos bem tanto as unidades de estúdios, um e dois dormitórios, como também as unidades de alto patrão com quatro dormitórios”, diz Abbud. 

    A concorrência com novas companhias que entraram no mercado, como as empresas com DNA digital, não é uma preocupação para a Innova, segundo os executivos.

    Foco e treinamento da equipe são apontados como diferencial. “Analisamos cada venda como se fosse um único copo de água e gostamos de participar de todas elas. É isso que nos faz ter uma das melhores equipes do mercado imobiliário em São Paulo”, afirma Abbud. 


    Esse posicionamento ajuda em momentos desafiadores, diz. “Com cenário econômico mais apertado, temos de explicar e convencer o cliente de que o imóvel continua o melhor investimento para segurança de seu patrimônio.” 

    Este texto foi originalmente publicado em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,top-imobiliario-2022-medio-alto-padroes-one-ranking,70004106565