Notícias

Vale a pena investir em aluguel de curta temporada?

Quando bem acordado, há vantagens para o locador e o locatário

Por: Da redação 02/04/2019 2 minutos de leitura
Imóvel de temporada
O aluguel pode bancar os custos para a manutenção da propriedade. Foto: iStock

Publicidade

Alugar casa em feriados, festas de final de ano, férias ou em um simples final de semana é vantajoso para quem tem família grande ou quer passar uma longa estadia no local – fica mais barato do que pagar por várias diárias em hotéis e pousadas e ainda se tem a liberdade de fazer a própria comida e usar a piscina a hora que quiser.  

Não à toa, o aluguel de imóveis de temporada no litoral, campo ou outra localidade turística virou um negócio.

Não é incomum proprietários cederem o seu local de férias e, em alguns casos, a própria moradia diária, para conseguir um dinheiro extra na chamada alta temporada, que acontece nos meses de dezembro, janeiro e julho. Mas será que vale a pena?

O principal ponto positivo de investir em aluguel de curta temporada é que os custos para a manutenção da propriedade e os impostos podem ser pagos pelo que se recebe dos locatários. Além disso, em altas temporadas, como Natal, Ano-Novo e Carnaval, dá até para faturar mais alto, já que a procura por esses imóveis é muito maior, o que possibilita aumentar o preço do aluguel.

Publicidade

Nem tudo são flores

Por outro lado, há riscos de prejuízo para o locatário, como ter itens da casa quebrados pelo inquilino e até mesmo danos à estrutura. Para tentar contornar a desvantagem, a recomendação é fazer um contrato de aluguel, mesmo na curta temporada.

Essencialmente, o que caracteriza a locação para temporada, distinguindo-a das demais espécies de locação, é o prazo de sua duração. Esse tipo de contrato não pode conter cláusula de vigência superior a 90 dias.

“Nesse contrato devem constar as datas de entrada e saída do inquilino, o valor, a forma de pagamento, eventuais multas para os casos de atraso ou depredação e até o número de pessoas que vão ficar no imóvel”, diz o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), José Augusto Viana.

Publicidade

Também vale incluir no documento os utensílios e equipamentos que estão no imóvel, como o número de copos, talheres, pratos e panelas. “Na data da entrada do inquilino no imóvel, deve-se verificar se tudo está de acordo com o especificado no contrato, repetindo-se o procedimento na saída”, ressalta Viana.

Em caso de um imóvel em condomínio, as regras locais também devem estar no contrato. “Incluindo horários para utilização das áreas comuns, multas por barulho, uso da garagem e piscina, etc”, fala o especialista.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Centro de SP: Entenda o projeto que quer atrair 200 mil novos moradores para a região

5 minutos de leitura
Imagem destacada

Apesar dos seguidos aumentos nos juros, mercado está otimista

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Construtoras mudam perfil da moradia popular e passam a investir mais em qualidade

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Preço do aluguel em São Paulo sobe 15,5% em 2022, aponta levantamento do QuintoAndar

1 minuto de leitura