Notícias

Inadimplência de condomínios pode chegar aos 25% neste ano

Estudo da uCondo indica aumento de pessoas falhando o pagamento de taxas condominiais

Por:Breno Damascena 03/10/2023 1 minuto de leitura
inadimplencia-cofrinho
Atualmente, índice está em 23%, o que representa uma perda de R$ 30 bilhões por ano/Crédito: Getty Images

Publicidade

O número de pessoas que não pagam o condomínio está aumentando. Em 2020, a inadimplência de taxas condominiais foi de 14%, mas no primeiro semestre de 2023, o número saltou para 23%. É isso que mostra um levantamento realizado pela uCondo, plataforma de gestão de condomínio. A estimativa é fechar o ano com 25% de inadimplência. 

“A pandemia contribuiu para o desemprego, gerando falha na gestão financeira familiar, e ainda sofremos as consequências”, justifica Leo Mack, COO e cofundador da uCondo. “Além disso, enfrentamos uma inflação com patamares que não víamos há tempos. O brasileiro acabou priorizando itens essenciais, como família, alimentação e outras necessidades básicas”, complementa. 

De acordo com o levantamento, isso significa que atualmente os condomínios deixam de arrecadar R$2,5 bilhões mensais por conta da inadimplência. O valor, na prática, significa um déficit de R$ 30 bilhões por ano. 

As pessoas mais negativadas são aquelas com idade entre 26 e 40 anos (34,7%) e entre 41 e 60 (34,8%). Não existe, porém, um tipo de condomínio mais afetado pela inadimplência.  

Publicidade

“Quem estava na classe B e perdeu o poder aquisitivo, foi para a classe C. Quem estava na C foi pra D. Sabemos que o mercado tem condomínios para atender todas as classes, então, quem estava inadimplente num condomínio de classe B, ficou adimplente num condomínio de classe C. Quem estava inadimplente num condomínio de classe A, reduziu seu padrão de vida e ficou adimplente num condomínio de classe B”.

Leo Mack, COO e cofundador da uCondo, comenta que os condomínios deveriam receber R$ 130 bilhões em pagamentos por ano no Brasil/ Crédito: Priscilla Fiedler

A recomendação do executivo é que os síndicos já passem a incluir a inadimplência prevista na taxa condominial. “Se a previsão é de 25% de inadimplência e um condomínio precisa de 10 mil reais mensais para se manter, o síndico precisa se antecipar e arrecadar 12,5 mil reais, dividindo o valor entre os moradores. Além de equilibrar a situação financeira, isso contribui para a boa convivência”, orienta.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Caixa anuncia ampliação para 6 meses na pausa de prestações da casa própria

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Locação residencial sobe 0,81% em março, aponta IVAR

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Como declarar gastos com corretor de imóveis no Imposto de Renda em 2023?

0 minutos de leitura
Imagem destacada

3 melhores cores para pintar apartamentos pequenos

2 minutos de leitura