Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Página inicial / Notícias / Fique atento para prevenir acidentes com crianças

Fique atento para prevenir acidentes com crianças

Números de ocorrências e afogamentos aumentam nesta época do ano e o Ibape/SP reforça a importância de ações preventivas


Da Redação

30/12/2019 - 3 minutos de leitura


Manter o nível e volume de água dos reservatórios conforme projeto/ Foto: Drew Gilliam no Unsplash

Com a chegada do verão e das férias é comum o aumento do fluxo de pessoas nas piscinas de condomínios residenciais, clubes e outros espaços de lazer. Segundo a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), quase seis mil pessoas morrem afogadas por ano no Brasil, mas 44% desses afogamentos ocorrem entre os meses de dezembro e março, ou seja, nos dias mais quentes do ano. Por isso, para que a diversão não vire um pesadelo, é preciso que alguns cuidados e regras sejam seguidos.


Primeiro de tudo, o Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (Ibape/SP) alerta para a importância de verificar junto a proprietários, síndicos, zeladores ou com a administração do local a conformidade das instalações com as normas vigentes e se suportam a demanda e o aumento da frequência nos meses de férias.

Outro ponto muito importante é que crianças de 4 a 12 anos, ainda que saibam nadar, não devem ficar livres e sozinhas na piscina, principalmente em razão do afogamento ocasionado pela sucção da bomba. A sucção, inclusive, é um dos principais pontos de cuidado em relação às piscinas, na visão da engenheira civil Rejane Berezovsky, do Ibape/SP. A peça, que integra o sistema de drenagem e tratamento de água do tanque, pode oferecer risco de enlace de cabelos ou aprisionamento de membros do corpo quando fora das especificações técnicas e normas de segurança.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

“Recomendamos o uso de tampas antiaprisionamento ou tampas não bloqueáveis, que cubram o dreno de fundo. O Ibape, inclusive, tem uma cartilha específica sobre o assunto, que mostra de maneira bem didática como o equipamento seguro deve ser”, conta Rejane. O material é gratuito e o download está disponível em http://www.ibape-sp.org.br

Recomendações de segurança para condomínios:

  • Salva-vidas identificado e trajado. Podem ser professores de natação, desde que tenham passado por treinamento específico e credenciamento, capacitado em resgate de vítimas, primeiros socorros e respiração artificial. Deve haver no local uma cadeira alta para observação, telefone acessível, boia de salvamento e equipamentos de pronto-atendimento.
  • Banheiros e vestiários podem ser externos e comuns a banhistas e pessoas de fora da área da piscina. Também é norma que se tenha instalações para pronto-atendimento próximas, como uma enfermaria.
  • Dispor de operador de piscina habilitado, treinado em curso para tratamento de água, operação de equipamentos, segurança, manutenção e afins.
  • Quando o tanque estiver com uso suspenso (temporária ou definitivamente) deve dispor de lona, capa, redes ou similares, que assegurem a contenção de corpo, impedindo a imersão total no tanque e/ou sensores que informem a presença de corpo estranho na área interna do tanque.
  • Manter o nível e volume de água dos reservatórios conforme projeto.
  • Não utilizar bronzeadores, já que eles ficam impregnados nas paredes e bordas da piscina e alteram a qualidade da água.
  • Verificar e manter o pH da água conforme recomendação do manual, evitando assim o surgimento de algas, fungos e bactérias.
  • Manter o adequado tratamento da água, de forma a preservar a qualidade e evitar o desperdício com a troca de água.
  • Não utilizar produtos químicos que possam causar manchas no revestimento, no rejuntamento e danificar tubulações e equipamentos. Consulte sempre o manual.
  • Orientar os usuários a não jogar resíduos ou partículas que possam danificar ou entupir o sistema de drenagem/filtragem.

“O recomendável é sempre procurar um profissional habilitado para executar uma inspeção predial e apontar as medidas necessárias em cada local do condomínio. E, após essa medida, o gestor condominial precisa estar atento a todos os quesitos citados e realização da manutenção contínua”, finaliza a engenheira.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas