Se dezembro é a estação das doações, janeiro costuma ser a hora das remoções. Talvez sua mesa de café tenha se tornado a locação oficial das 25 miniaturas da Disney que surgiram no calendário do advento do seu filho. Ou talvez sua sala de jantar passe a abrigar uma bicicleta ergométrica porque, embora parecesse tão compacta naquele comercial viral, possuir uma dessas significa que você realmente tem uma bicicleta em casa.

Leia mais:
Como dar uma festa grande em um apartamento pequeno?
O que exatamente é uma fazenda moderna?
Aplicativos ajudam você na hora de decorar e organizar a casa

Nada como dias chuvosos para forçar um acerto de contas com a desordem que abriu caminho em sua vida. Não muito diferente daqueles que juram abstinência temporária de álcool em nome de um “janeiro seco”, os aspirantes a minimalistas costumam passar o mês expiando pecados comerciais, limpando armários e transportando o excesso para outro lugar.

“Recebemos muitas ligações em 26 de dezembro”, conta Lisa Ruff, diretora de desenvolvimento de negócios da Neat Method, uma franquia de organização doméstica sediada em San Francisco. “Nossos clientes recorrentes sabem que será um desastre. Já as pessoas que nunca trabalharam conosco entrarão em contato uma semana após as férias.”

Os proprietários tendem a subestimar o tamanho de seus novos bens, mas uma máquina de karaokê que parecia uma ótima ideia, por exemplo, agora que está aqui… para onde vai? Os pais, invariavelmente, têm que lidar com os presentes bem-intencionados, mas enormes, de parentes apaixonados, como uma casa de bonecas de um metro e meio de altura que parece adorável, mas não cabe em lugar nenhum.

Em janeiro, “você quer um novo começo e isso pode incluir uma vida mais organizada ou uma casa mais limpa”, diz Darby Saxbe, diretor do Centro para a Família em Mudança da Universidade do Sul da Califórnia. Essa resolução de ano novo “neutraliza imediatamente a maré de novos bens que acabaram de chegar à sua porta”. A solução, explicam os organizadores, é se preparar para o ataque antes do tempo. “Dizemos aos clientes que é preciso se preparar para as férias. Você precisa fazer uma edição em novembro”, enfatiza Ruff.

Vocabulário novo para ideias antigas

“Editar” é uma palavra popular na linguagem da organização doméstica, um eufemismo alegre que até recentemente era conhecido como “jogar fora”. Essa linguagem positiva se encaixa perfeitamente no mantra de arrumação exibido nas contas populares do Instagram, como The Home Edit, A Bowl Full of Lemons e I Heart Organizing. Fotos artísticas de despensas e armários impecáveis ​​transmitem a mensagem de que, com uma viagem bem planejada à Container Store, sua casa pode ser tão organizada quanto instagramável.

Nesta época, no ano passado, os EUA embarcaram em uma limpeza coletiva profunda, com instituições de caridade e brechós relatando um aumento nas doações após “Tidying Up With Marie Kondo”, a popular série da Netflix sobre limpeza de lares. A rede de streaming tem outro programa de organização em andamento, “House Goals With The Home Edit”, a ser lançado no inverno, estrelado pelos organizadores de Nashville Clea Shearer e Joanna Teplin, cujo estilo de organização se inclina mais para soluções de armazenamento de bom gosto do que para uma redução de material.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Os americanos podem estar limpando a casa, mas ainda gostamos de fazer compras. Em outubro passado, a Federação Nacional do Varejo estimou que o americano médio gastaria cerca de US $ 1.050 durante as férias, um aumento de quatro por cento em relação a 2018. Mesmo Kondo, a organizadora japonesa que acumulou seguidores leais convidando proprietários a manter apenas os bens que “provocam alegria”, agora vende uma linha de produtos em seu website. Que melhor maneira de exibir os amados sobreviventes do que em uma bandeja de madeira de US $ 161 ou em uma cesta de vime de US $ 208?

“Se você está procurando por minimalismo na quantidade de doações, não vai encontrar. As pessoas estão doando tantas coisas quanto antes”, porque ainda estão comprando coisas novas que acabam em um saco de doações, segundo Adam Minter, autor de “Segunda mão: uma viagem pela venda de garagem global”, um livro sobre o vasto mercado de itens usados ​​alimentado por coisas que as pessoas não querem mais. Minter descreveu o frenesi de doações americano de 2019 como “um breve fenômeno cultural” sem impacto duradouro no mercado de segunda mão.

Compras: alívio e sobrecarga

A bagunça é particularmente estressante para as mulheres, que geralmente são as encarregadas de manter a casa em ordem, diz Saxbe, da Universidade do Sul da Califórnia, onde é professora associada de psicologia. No entanto, saímos e compramos mais coisas de qualquer maneira. Saxbe vê duas forças em jogo. Fazer compras satisfaz um desejo natural de procurar comida – nos sentimos bem quando colecionamos coisas para nossa família. Mas manter um lar calmo e organizado é extremamente difícil em uma cultura que fornece pouco apoio às famílias. Por isso nos sentimos exaustos. “Satisfazemos nosso estresse saindo e consumindo, porque é algo que nos faz sentir melhor. E isso é muito irônico, porque pode nos fazer sentir mais sobrecarregados.”

Resistir à tentação de trazer coisas novas para casa é difícil, mesmo que você tenha feito uma escolha consciente de viver com menos. Em abril do ano passado, Gabriela Nuñez se mudou com seu parceiro, Angel Orozco, e seu filho pequeno, de um apartamento de três quartos em Orange County para um apartamento de 62 metros quadrados e apenas um quarto, em Los Angeles. Eles queriam morar mais perto da cafeteria da qual Orozco, 45 anos, é co-proprietário. Reduzir o tamanho do espaço significava ter que reduzir as posses da família em um terço – um processo longo e cansativo. Nuñez, 43, foi resoluta, recrutando amigos para ajudá-la a abrir caixas e fazer escolhas difíceis.

Depois vieram as férias. Nuñez, professora associada de Estudos Chicanos da Universidade Estadual da Califórnia, em Fullerton, esqueceu brevemente seu novo estilo de vida e se entregou a novas roupas para si e presentes para sua família, mas se esforçou para convencer amigos e familiares de que simplesmente não tinha espaço para presentes. “As férias são realmente difíceis para mim, porque me envolvo com tudo. Eu entro no modo de compra.”

Agora, com o fim das férias, ela está enfrentando a realidade de que precisa limpar seus armários de novo, desta vez para abrir espaço para todos os seus novos bens. O processo trouxe sentimentos desconfortáveis ​​sobre o porquê de ela comprar. “Não tenho nenhum problema em me livrar das coisas, mas consigo pensar em cinco coisas que quero comprar hoje. Estou tentando ser honesta e mudar isso.” / TRADUÇÃO DE ELENA MENDONÇA