Quando termina o agitado período de criação dos filhos e eles, adultos, saem de casa, muitos ninhos vazios se encontram em um estado de adaptação. Enquanto algumas pessoas se alegram com seus horários mais enxutos e com a quietude recém-descoberta, outros lidam com a solidão e a depressão, muitas vezes referidas como a “síndrome do ninho vazio”. Em qualquer um dos casos, a maioria dos inquilinos de ninhos vazios acaba chegando a um ponto em que se pergunta: é hora de reduzir, aumentar o tamanho ou apenas reformar e reconfigurar a casa atual?

Um relatório recente da Freddie Mac descobriu que os baby boomers tendem a permanecer em suas casas por muito mais tempo do que as gerações anteriores. Um relatório de 2019 do Houzz, um site de reforma de residências, descobriu que 60% dos baby boomers – definidos como pessoas de 55 a 74 anos – planejam ficar em suas casas pelos próximos 11 anos ou mais. Já os americanos mais velhos tendem a se mudar para comunidades de cuidados residenciais lá pelos 80 anos, de acordo com dados disponíveis do National Center for Health Statistics, parte dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Para aqueles que optam por ficar em seus ninhos vazios, muitos decidem que é um bom momento para finalmente fazer as reformas adiadas. Essas obras tendem a se dividir em três grandes categorias: abrir espaço para um novo estilo de vida ou hobby; alugar um espaço subutilizado para gerar receita; ou tornar a casa mais confortável para visitas de filhos adultos e suas famílias em expansão.

Reservar um tempo para descobrir como você deseja que seu ninho vazio afete seu estilo de vida ajudará você a descobrir como reconfigurar uma casa, segundo Robin Baron, designer de interiores de sua própria empresa, em Manhattan. Muitos de seus clientes com esse perfil entraram em contato com ela depois de decidir que querem se “entreter mais”, mas ela teve que descobrir o quê exatamente significa isso. Você quer mais jantares ou coquetéis? Deseja hospedar angariadores de fundos ou apenas receber amigos para uma noite de cinema? Vai cozinhar ou contratar fornecedores? “A palavra ‘entreter’ é muito ampla, então não é possível restringi-la e elaborar o design”, diz ela.

Um lugar para conversar

Mary Ann Gioeli, uma executiva de publicações, disse que sabia imediatamente o que queria fazer quando o filho se mudasse. Cerca de duas semanas depois que Ryan, agora com 30 anos, deixou seu apartamento no Upper West Side para servir a Força Aérea, em 2014, ela se despediu do sofá de couro preto “bruto” que estava no quarto e o repintou para um branco neutro a partir de um azul brilhante. Para transformar o quarto em sala, ela comprou móveis novos, incluindo um sofá-cama, e mudou a televisão da sala de estar.

Para Gioeli, 67 anos, esse foi o primeiro passo na transformação de seu apartamento de três quartos em um espaço mais adulto. Embora tenha sido emocionante que sua casa fosse o ponto de encontro para seu filho e filha, Francesca, agora com 32 anos, e seus amigos durante a adolescência, ela desejava transformar o grande e luminoso apartamento em um espaço mais calmo. “Um lugar onde a gente possa ter uma conversa”, disse ela. Quando sua filha saiu para alugar seu próprio apartamento, em 2016, Gioeli transformou seu quarto em um lugar adequado para hóspedes. Saíram os móveis antigos, entrou uma cama queen-size. As reformas custaram alguns milhares de dólares e foram pagas com a poupança, conta Gioeli, que atualmente está separada do marido.

No final de 2016, ela finalmente chegou ao que a família sempre quis fazer: uma reforma completa nos banheiros antigos. Removeram a banheira do banheiro principal e um chuveiro foi instalado. Adicionaram-se pias duplas e gabinetes novos, além do piso de mármore. O banheiro de hóspedes também foi completamente renovado, com um box envidraçado para o chuveiro substituindo o espaço de um armário antigo. Um empréstimo de capital próprio cobriu o preço de US $ 65.000 para reformar os dois banheiros. “Eu disse aos meus filhos que eles sempre terão um lar para onde voltar”, explica Gioeli, cuja filha, num movimento de boomerang, voltou para casa este ano. “Mas tem sido ótimo poder abrir minha casa e receber amigos para passar a noite.”

Manutenção em dia

Brad e Karen Hacker, de Cooper City, na Flórida, moram 24 quilômetros a sudoeste de Fort Lauderdale e foram transformando sua casa lentamente depois que seus dois filhos, Lane e Drew, agora com 29 e 25 anos, se mudaram, em 2014 e 2018, respectivamente. Para Hacker, a casa de quatro quartos precisava de muita manutenção, já que as reformas no imóvel de 26 anos foram em grande parte adiadas para economizar dinheiro para a educação universitária dos filhos. Porém, quando diferentes partes da casa começaram a se desgastar, o casal viu que o momento não poderia esperar mais.

Uma citação da associação de proprietários exigindo que limpassem a parte externa os levou a pintar o exterior e o interior do imóvel. Depois disso, a máquina de lavar quebrada resultou na reorganização da lavanderia. Em 2017, quando o pavimento do quintal começou a ceder e clamar por reparos, o casal refletiu se deveria enfrentar outro projeto de melhoria ou simplesmente vender o imóvel. Mas, como a maioria de seus amigos ainda morava por perto (apenas um casal próximo havia se mudado), eles decidiram ficar. A atualização mais divertida, contam, foi transformar o quarto de uma criança em um espaço para exercícios. Primeiro pintaram a sala e trouxeram uma TV, esteira e pesos livres. A senhora Hacker, 54, que trabalhava com recursos humanos, arrumou um espaço para seu tapete de ioga.

No ano passado, os Hackers, que escrevem em um blog sobre seu estilo de vida no ninho vazio, compraram uma bicicleta Peloton para substituir a esteira. Professando sua competitividade, o senhor Hacker, 60, contador, disse que se esforça mais porque gosta de ver como sua performance se classifica em relação às outras durante os treinos, mas gosta mais de competir contra seus filhos. O casal também instalou uma pequena sauna infravermelha na sala este ano, gastando até agora cerca de US $ 5.000 de suas economias. “Construir uma sala de ginástica se mostrou uma economia de tempo real para nós”, fala Hacker, pois eliminou a necessidade de ir e voltar da academia.

Aluguel de temporada

Alguns inquilinos de ninhos vazios decidem transformar o espaço subutilizado em renda extra. Hollis Giammatteo, escritora, usou cerca de US $ 180.000 das economias para reformar o antigo quarto de porão da filha e transformá-lo em um aluguel do Airbnb. Inspirada por uma amiga que fez algo parecido, Giammatteo, que mora no bairro de Queen Anne, em Seattle, diz que prefere arrendar o espaço a curto prazo, porque a cidade é um destino turístico e de negócios de alta demanda e ela é capaz de manter a unidade regularmente reservada.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Ela conta ainda que o uso de um portal online facilitou o bloqueio de dias específicos em que amigos e familiares planejam ficar com ela. Giammatteo calcula que já arrecadou cerca de US $ 125.000 desde seu primeiro aluguel, em 2015. Dito isso, ela aconselha aos interessados em fazer o mesmo para, antes de começar, investigar as leis locais. “Você deve estar disposto a assumir a burocracia”, disse Giammatteo, 71 anos. Dependendo da área, você pode precisar de seguro, licença comercial e pagar impostos sobre a renda.

Outras pessoas, como Peggy Griffin, de Wellesley, Massachusetts, preferem alugar um quarto não utilizado a pensionistas de longo prazo. Griffin, uma funcionária da Administração Federal de Trânsito, conta que não queria ser hoteleira e gosta de poder ajudar a manter os aluguéis mais acessíveis na região da Grande Boston. Depois que dois de seus trigêmeos se mudaram permanentemente, em 2013, ela encontrou inquilinos por meio do Nesterly, um serviço on-line de compartilhamento de residências que avalia potenciais inquilinos. Griffin, 61 anos, conta que simplesmente limpou o quarto antes de seu primeiro pensionista se mudar. Ela cobra US $ 1.100 por mês por um quarto com banheiro privativo e planeja usar a renda extra para consertar o teto dos quatro quartos da casa construída em 1868.

“Eu já sei que reparar o telhado leva a consertar o tapume e as janelas”, conta ela. Um estudo nacional realizado pela empresa de pesquisa Schlesinger Group, da Sweeten, uma plataforma de reforma online, constatou que 71% dos consumidores com 50 anos ou mais que concluíram uma reforma residencial nos últimos dois anos, ou estavam no meio ou planejavam começar uma nova reforma nos próximos seis meses com o objetivo de obter uma aparência mais moderna, não porque estavam se preparando para a venda do imóvel.

Filhos e netos

“Vemos reformas que vão desde a atualização de um banheiro até a inclusão de uma banheira de imersão para duas pessoas e obras que convertem quartos em salas de hobby – que vão de arte à ioga”, disse Jean Brownhill, fundador da Sweeten. Especialistas sugerem que os proprietários de imóveis chequem com um corretor local se o design terá valor de revenda antes de iniciar uma reforma em larga escala. “Mesmo que você não tenha planos de vender a casa por mais 10 anos, é uma coisa sábia a se fazer”, ensina Dave Goscinski, proprietário da JJED Remodeling em Dumont, N.J. “Você está fazendo a reforma por conta própria, mas pode recuperar o investimento mais tarde?”

O Sr. Goscinski terminou de trabalhar em uma reforma de cozinha para Maria e Edward Matera, de Hackensack, N.J., no início de 2017. O casal queria uma cozinha moderna e um espaço maior para hospedar sua família imediata, que inclui dois filhos adultos e seus cônjuges, quatro netos, parentes da Itália, Califórnia, amigos e vizinhos. Eles reconfiguraram o imóvel e construíram cômodos extras na parte de trás da casa, proporcionando uma nova e espaçosa área de jantar e um deck que permite que façam grelhados o ano todo. Também fizeram uma janela de passagem que foi instalada entre a cozinha e a sala e foi útil durante as reuniões do clube do livro, segundo a senhora Matera, 71.

Para pagar o trabalho de US $ 125.000, o casal refinanciou sua hipoteca. Nos anos anteriores, os Materas também transformaram um porão inacabado em um esconderijo e um quarto de hóspedes, enquanto um quarto subutilizado foi transformado em um aposento de hóspedes e escritório. “Sinto que tenho muito mais espaço”, diz Matera, professora aposentada. Os filhos do casal dizem que estão felizes com a casa enfeitada. “Nossa família sempre amou comida e reuniões ao redor da mesa”, alegra-se Damian Matera, 44 anos. “Minha irmã, Adriana, e eu estamos emocionados que a cozinha dos sonhos de nossos pais se tornou realidade e que a nova parte da casa reforçará nosso amor por boa comida e tempo juntos.”

Retomando a vida

Mary Dell Harrington, proprietária de uma casa em Mamaroneck, Nova York, e co-fundadora do site para pais Grown & Flown, atualmente está trabalhando com um arquiteto para modernizar sua cozinha para que possa acomodar seus filhos adultos, que os visitam com frequência e gostam de cozinhar. Seus dois filhos, Walker Berning, 29, e Annie Berning, 24, vivem em Manhattan, mas costumam voltar para casa nos fins de semana, cozinhando “refeições elaboradas, com muitos ingredientes que normalmente não mantenho à mão”, conta ela.

Mas a cozinha antiga é muito pequena. A senhora Harrington quer derrubar a parede entre a cozinha e a sala de jantar e instalar uma ilha de cozinha maior para acomodar a multidão, que também inclui seu marido, Melvin J. Berning, 65, seus dois grandes labradores e um sobrinho que frequenta uma faculdade próxima. Embora os planos não sejam finais, ela espera que haja espaço para uma despensa adequada. Harrington, 64, ex-executivo de marketing de televisão e co-autor do livro “Grown and Flown: How to Support Your Teen, Stay Close as a Family, and Raise Independent Adults” (Crescido e esvoaçante: como apoiar seu filho adolescente, manter a família unida e criar adultos independentes), conta que as reformas anteriores eram “estressantes e assustadoras” quando trabalhava em período integral, as crianças eram mais jovens e ainda moravam em casa.

“Agora estou aqui para lidar com empresas contratadas ou qualquer emergência, então deve ser mais fácil”, conta ela. “O que almejamos não é afastar nossos filhos à medida que envelhecem, mas entrar na próxima fase e poder sair com eles à medida que se tornam mais independentes.” Para alguns moradores de ninhos vazios, no entanto, essa não é uma transição fácil de fazer. Alguns pais têm emoções complicadas ao ver seus filhos seguirem em frente, de acordo com Jane Benjamin, psicóloga e diretora clínico do Centro de Aconselhamento em Bronxville, Nova York.

“Orgulho e alegria também podem ser misturados com inveja ou arrependimento”, explica a profissional. “Também pode ser um acerto de contas com o envelhecimento perceber que as coisas estão além do nosso controle. Pode ser um sentimento de vulnerabilidade.” Para moradores de ninhos vazios que mantiveram o quarto de seus filhos como um santuário de seu passado (leia-se: troféus, paredes primárias ou de cores vivas), a Dra. Benjamin sugere trabalhar em etapas. Faça com que seus filhos peguem o que gostariam de guardar, mantenha algumas lembranças para si e se livre do resto. Substituir a cama de solteiro por uma cama maior seria ideal para receber filhos adultos com parceiros. Personalizar o espaço recém-descoberto pode ser um projeto divertido e ajudará você a aceitar que está em um próximo estágio na vida, segundo a profissional. / TRADUÇÃO DE ELENA MENDONÇA