Investir em Imóveis

WeWork aposta em produtos flexíveis para diminuir custos de empresas

Com a iniciativa, empresa tem como expectativa aumentar a receita em 25% no Brasil até o final do ano

Por:Breno Damascena 25/07/2023 2 minutos de leitura
we-work-produtos-flexiveis
Companhia projeta aumentar sua receita em 25% até o final do ano apostando na modalidade/ Crédito: Getty Images

Publicidade

O movimento de adesão ao trabalho remoto, impulsionado pela pandemia, revolucionou o mercado de trabalho. A modalidade impacta a relação das pessoas com as cidades, a mobilidade urbana e, claro, o setor de escritórios. De olho nesse cenário de transição, a WeWork passou a investir em espaços flexíveis e, com isso, projeta aumentar sua receita em 25% até o final do ano. 

Um relatório produzido pelo McKinsey Global Institute mostra que o trabalho remoto pode causar um prejuízo de US$ 800 bilhões em imóveis corporativos até 2030. A justificativa é que a ocupação desses imóveis ainda está 30% abaixo dos níveis pré-pandêmicos. Por outro lado, porém, aos poucos as empresas cobram o retorno dos funcionários aos escritórios. 

De acordo com um estudo da CBRE, empresa de consultoria na locação e gestão de imóveis, aproximadamente 80% dos prédios comerciais em São Paulo registraram retorno superior a 70%, e 45% tiveram retomada acima de 90%. 

De acordo com  a WeWork, o retorno aos escritórios está sendo feito sem que as companhias avaliem o impacto financeiro. “Muitas empresas estão pagando aluguel de grandes espaços sem que as pessoas estejam indo trabalhar. E escritórios vazios também causam um impacto negativo na cultura organizacional”, afirma a CEO da WeWork na América Latina, Claudia Woods.

Publicidade

A partir dessa ideia, a empresa passou a desenvolver produtos flexíveis para otimizar os gastos e a funcionalidade dos espaços de trabalho sem afetar a saúde ou a política das empresas. O objetivo é ser uma alternativa parcial e flexível para empreendimentos que pretendiam alugar um imóvel comercial. 

Escritórios vazios e prejuízo

Entre os novos produtos disponíveis estão os “vale-escritórios”, que as empresas contratantes podem oferecer aos seus colaboradores para serem utilizados em reuniões de equipe ou simplesmente quando o funcionário não quiser trabalhar de casa. Além disso, a WeWork está fomentando parcerias com concorrentes para capilarizar os pontos de atuação. 

“Se dois colaboradores que precisam se encontrar moram na zona norte e o escritório da empresa é na zona sul, por que eles precisam se deslocar até a zona sul? Basta encontrar um local na própria zona norte para a reunião”, diz Claudia. Segundo a CEO, dessa forma, as empresas conseguem evitar custos fixos e contratos de longo prazo, mas oferecem para a equipe um espaço pronto e com todas as ferramentas necessárias para o trabalho híbrido. 

A WeWork tem a expectativa que os produtos flexíveis registrem um crescimento de 91% neste ano no Brasil, impulsionando uma alta de 37% de receita da companhia na América Latina. “Flexibilidade é um conceito amplo, que pode ser de horário, endereço e dias da semana. Mas é um modelo de trabalho que está definindo o rumo das empresas. Ofertamos uma alternativa para diminuir o ônus sem afetar a cultura das organizações”, completa Claudia. 

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Melhores lugares para morar e ter mobilidade urbana sustentável

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Condomínios brasileiros solicitam mais crédito para investir em energia solar do que em segurança

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Valor dos aluguéis recua 0,31% em junho, diz FGV

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Como usar o FGTS para comprar imóveis em 2021?

2 minutos de leitura