Os nomes podem confundir, mas as definições são simples e servem de referência principalmente para quem pretende comprar um imóvel na planta ou procura o bem imobiliário em locais distantes, em buscas pela internet, sem estar presente na fase inicial da pesquisa.


Para começar, é preciso entender que um condomínio é um conjunto de unidades imobiliárias onde se encontra uma comunidade que compartilha espaços comuns entre os condôminos e seus visitantes, dividindo as despesas de manutenção, como salário de funcionários e contas.

Enquanto quem disfruta de uma única unidade – como uma casa, seja ela comercial ou residencial – deve arcar com impostos, reformas e contas autonomamente, em um regime condominial as responsabilidades são compartilhadas, bem como os aparelhos coletivos, como áreas de lazer, elevadores, garagem, portaria e recepção.

Por outro lado, a convivência em condomínios exige a participação nas decisões administrativas, como obras de melhorias, contratação ou demissão de funcionários e manutenção de equipamentos. Muitas vezes as deliberações são feitas por meio do voto em assembleias que redigem ou alteram o estatuto.

Para aprimorar seus conhecimentos sobre o tema, siga os tópicos e tire todas as suas dúvidas:

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.

Condomínio vertical

Pode ser residencial, comercial ou misto. Tanto faz. O importante é compreender que o condomínio vertical é aquele estruturado em torres. Pode ser um único prédio ou vários, geminados ou separados entre si. É chamado de “vertical” porque as unidades são sobrepostas em andares, um em cima do outro, de maneira que o condomínio é mais alto do que largo, utilizando o espaço de maneira longitudinal. A grande vantagem de um condomínio vertical é que ele usa menos espaço térreo e, por isso, pode ser construído em terrenos menores – o que é uma vantagem em bairros onde o espaço urbano já está saturado por construções.

Condomínio horizontal

Neste caso, o comum é que seja residencial. Condomínios horizontais são compostos por casas e exigem mais espaço de terreno para serem instalados. Isto porque a preocupação aqui é preservar o espaço de céu e a privacidade, mantendo certa distância entre vizinhos. Em um condomínio horizontal o morador não terá problemas com os residentes de cima ou de baixo, já que cada unidade é propriedade de um único comprador ou sua família. Muitas vezes, o condomínio horizontal tem piscinas, quadras e praças de uso coletivo e a segurança é rígida, com uma portaria que mantém registro de quem entra e quem sai.

Condomínio residencial

Sendo com torres prediais ou casas, o condomínio residencial apresenta uma única vocação: a de servir como moradia fixa ou temporária para quem procura um lugar para se instalar. Em condomínios residenciais se agrupam pessoas e/ou famílias com a intenção de dividir espaços coletivos, mas mantendo seus locais privativos, sejam unidades horizontais ou verticais (distribuídas por andares). A grande vantagem aqui é justamente o compartilhamento das responsabilidades administrativas e financeiras, uma vez que o rateio de reformas e contas torna a vida mais barata e prática para todos os condôminos, desde que respeitadas as regras de convivência.

Condomínio comercial

Com as vantagens da divisão de contas para a manutenção de espaços compartilhados, o condomínio comercial obedece exclusivamente à vocação comercial. Isto é: abriga em seus conjuntos o funcionamento de propostas não residenciais, como comércios e serviços. Algumas vezes, um edifício inteiro pode servir ao propósito de uma única empresa, que reúne no mesmo endereço seus diversos departamentos, como o setor administrativo, contábil, de recursos humanos, comunicação institucional, tecnologia, etc. Em outros casos, o mesmo prédio pode ter seus pavimentos divididos entre diferentes escritórios: advocacia, consultório médico, odontológico, psicológico, fisioterápico, etc.

Condomínio misto

Cada vez mais comuns em grandes cidades, os condomínios mistos são pensados para a flexibilidade desde o projeto. Eles podem abrigar unidades residenciais nos andares de cima e, ao mesmo tempo, receber em sua base comércios e serviços que facilitam o cotidiano dos moradores. Já pensou em ter logo abaixo, no mesmo prédio, seu cabelereiro favorito ou uma lanchonete que serve pão de queijo na hora do lanche? E que tal ter um mercadinho para comprar um ingrediente que faltou na hora da receita? Com o trânsito denso das áreas urbanas, os prédios mistos podem reduzir a necessidade de deslocamento e poupar tempo no dia a dia.