Decoração, reforma e construção

Decoração afetiva transforma memórias em elementos estéticos do lar

Tendência sugere usar lembranças marcantes como motor para a criação de ambientes acolhedores

Por:Breno Damascena 13/05/2023 2 minutos de leitura
decoracao-afetiva
Personalização do imóvel é fundamental para se criar um cenário de aconchego / Crédito: Getty Images

Publicidade

Existe um universo de distância entre uma casa e um lar. Na visão de arquitetos e designers de interiores, a decoração do imóvel é um dos fatores que definem o alívio de voltar para a morada depois de um dia estressante ou a angústia de viver onde não existe acolhimento. É daí que vem a ideia de decoração afetiva.

Na prática, a expressão é percebida quando o morador utiliza a casa como um repositório de memórias, com lembranças vividas com amigos, familiares e de experiências significativas. “É uma forma de cultivar aquilo que traz afeto. São recordações de carinhos e aconchego. Uma casa só se transforma naquele lugar de conforto e bem-estar quando existem elementos que são capazes de nos trazer isso”, afirma a designer de interiores, Karla Amadori.

“Um lugar só com móveis que cumprem as funções práticas do dia a dia não é uma casa. Ela precisa ter objetos de identificação, que pode ser um quadro, um lenço emoldurado ou uma mesa que pertenceu aos seus avós e que te transportam para um momento feliz”, enumera Karla. 

Memória familiar

Datas comemorativas têm potencial para a criação de memórias e a família Dal Fabbro sabe bem disso. O almoço do próximo domingo já tem local definido. O ponto de encontro do Dia das Mães é sempre na copa da escritora Maria Augusta Silva Dal Fabbro. O cômodo foi especialmente projetado para que ela se sentisse confortável cozinhando doces e salgados para receber os cinco filhos e os três netos. Um detalhe especial chama a atenção no ambiente: os pratos como parte da decoração. 

Publicidade

Numa das paredes, Maria Augusta exibe vários pratos coloridos que ela comprou em viagens ou recebeu de presente de sua prole. “Cada um conta uma história, o que torna o espaço ainda mais especial”, resume a escritora. “Esse conjunto de pratos dá o clima bucólico e cheio de memórias que a gente tanto buscava.”

Pratos coloridos na parede da copa de Maria Augusta Silva Dal Fabbro são lembranças que compõem a decoração afetiva da casa da escritora/ Crédito: Arquivo Pessoal

O projeto de reforma do cômodo foi liderado pela filha de Maria, a arquiteta Carina Dal Fabbro. “Muito mais do que fazer exposição de pratos na sala de jantar, queríamos transformar o lugar em um espaço de acolhimento, com apelo sentimental”, resume Carina. 

Decoração afetiva e paciente

O projeto da cozinha de Maria Augusta demandou tempo para ser desenvolvido. Não pelas reformas e a decoração em si, mas pela jornada de construção das memórias envolvidas nos elementos que iriam enfeitar o ambiente. “Quem quiser fazer algo assim pode começar com apenas uma peça. O conjunto vai ganhando forma com o passar do tempo”, aconselha a escritora. 

Mural de fotos, objetos feitos à própria mão e cores que remetem a memórias constituem elementos da decoração afetiva/ Crédito: Getty Images

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

IGP-M cai 0,64% em setembro e alta em 12 meses fica abaixo de 30% pela 1ª vez desde fevereiro

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Conecta Imobi chega a 11ª edição e inicia venda de ingressos

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Reformas internas em imóveis têm boom com isolamento social

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Os 10 melhores bairros para se morar em Guarulhos

4 minutos de leitura