Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Decoração, reforma e construção

Página inicial / Decoração, reforma e construção / 6 dicas de como evitar problemas com a fechadura da porta

6 dicas de como evitar problemas com a fechadura da porta

Desde a compra até a manutenção do dispositivo, cuidados recorrentes podem evitar imprevistos de última hora


Da Redação

Há 14 dias - 3 minutos de leitura


A poeira é um dos principais motivos para que a chave comece a enguiçar ou quebrar no miolo/ Foto: Getty Images
Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Um dos itens mais importantes de um imóvel, a fechadura da porta é sinônimo de proteção e qualquer problema com ela pode gerar uma grande dor de cabeça. Para que o contratempo não se torne algo maior, é importante não ignorar nenhum sinal irregular e caprichar na manutenção. Em alguns casos, falhas de travamento podem deixar a segurança vulnerável.

Os imprevistos mais comuns estão relacionados com travamento involuntário da porta, chave presa no miolo, assim como o excesso de utilização, o famoso “abre e fecha” sem razão. Leia a seguir seis dicas sugeridas por André Amado, gerente da rede de prestadores da Allianz Assistance, para evitar problemas com a fechadura.

Atenção aos fatores externos

A localização da propriedade, para quem mora no litoral ou tem uma casa de veraneio na praia, por exemplo, pode influenciar no aparecimento de transtornos. Com o tempo, o efeito da maresia pode impactar no material, prejudicando a durabilidade e a resistência da tranca. Por isso, investir em limpeza e manutenção recorrentes ajuda na boa preservação e funcionamento do item.

Compatibilidade na hora da instalação

Outro ponto de atenção é checar a compatibilidade entre a porta e a fechadura escolhida. Não basta apenas decidir pelo design, a peça precisa ser eficaz na proteção. Em alguns casos, as peças podem não resistir e acabar rompendo rapidamente por causa do material utilizado na produção da porta. Para driblar essa dor de cabeça, o ideal é sempre consultar um profissional na hora da instalação para avaliar a harmonia entre os elementos.

Cuidados recorrentes

Para manter o funcionamento adequado do dispositivo, é recomendado que, pelo menos a cada seis meses, seja feita uma lubrificação do miolo/cilindro com pó de grafite e a lubrificação do mecanismo com graxa ou lubrificantes líquidos. A poeira é um dos principais motivos para que a chave comece a enguiçar ou quebrar no miolo. No dia a dia, a higienização deve ser feita de forma superficial, com pano macio e detergente neutro, sem inserir nada no cilindro. Além disso, se os parafusos estiverem moles em função do tempo de uso, aproveite esse momento para apertá-los.

Chave quebrada

Com o passar do tempo, é comum que as chaves se tornem mais frágeis e as fechaduras enferrujem com a umidade. Essa combinação pode resultar em desastre. Caso aconteça, verifique se parte da tranca está exposta fora do instrumento. Nessa situação, use um alicate para puxá-la em linha reta. Se a parte quebrada estiver completamente escondida no aparelho, você precisará chamar um chaveiro.

Maçaneta frouxa e trava desalinhada

Por estar visível, esse é um dos problemas mais fáceis de detectar. Isso pode acontecer quando as partes principais de travamento não estão niveladas ou, em alguns casos, por má instalação ou até mesmo portas empenadas. Para solucionar a questão, é preciso examinar os parafusos e dobradiças. Talvez a própria porta esteja desalinhada e não necessariamente a fechadura. Apertar os parafusos das dobradiças deve ajudar. No entanto, se você não está familiarizado com a utilização de ferramentas, opte por um especialista.

Conheça a eficácia

Existem diferentes opções de mecanismos que podem atender ao desejo do cliente. Porém, antes de fazer uma escolha aleatória, é recomendável ter ciência da eficácia de cada fechadura. Se for possível, invista nas versões digitais e eletrônicas: são mais seguras, podem ser manuseadas à distância, controladas pelo celular, emitem avisos caso haja alguma suspeita de tentativa de invasão e até utilizam reconhecimento facial.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas