Ter uma casa na praia, de frente para o mar, longe de todo o caos das capitais, é tentador. Pode também ser um investimento, já que há a possibilidade de o imóvel ser alugado durante as altas temporadas e, com isso, cobrir as despesas fixas e até mesmo ser um complemento no orçamento doméstico. Mas não é sempre que a compra vale a pena.

Para o economista Luiz Calado, a primeira reflexão é se a casa será usada com frequência e regularidade. Se a resposta for “não”, é melhor considerar alugar um imóvel por temporada. “Também não vale a pena se você não está seguro da sua situação financeira ou vai usar o dinheiro reserva de emergência para realizar a compra. Da mesma forma, não será um bom negócio para aqueles que podem precisar do dinheiro no curto prazo”, explica.

Mesmo se você tem o dinheiro disponível, precisa considerar que o gasto não será só o da compra do imóvel, mas da manutenção também. Alguns gastos fixos: Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), condomínio, seguro residencial, custos com manutenção de jardins e piscina, energia elétrica e água e custo com limpeza.

Por outro lado

A casa na praia pode render algum lucro quando locada. Sem esquecer da própria venda do imóvel, no futuro.


Uma vez decidida a compra, é preciso analisar a cidade e o bairro da propriedade, a procura pela localização por possíveis locatários, sem esquecer-se de projetar a valorização para daqui algum tempo.

De acordo com Luiz Calado, o preço, a proximidade e facilidade de acesso às estradas e comércio, a vizinhança e a vista, é claro, guiam a boa oportunidade de negócio ao adquirir uma casa na praia.