Ao optar por um financiamento imobiliário para comprar um imóvel, você vai se deparar com duas possibilidades: o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Para que você possa escolher um deles, listamos as características de cada um.

Confira as principais informações sobre SFH e SFI:

O que é SHF?

O Sistema Financeiro de Habitação (SFH) foi criado pelo Governo Federal, a partir da Lei 4.380 (1964), com o objetivo de facilitar e promover a aquisição de moradia.

As regras que regem o SFH são supervisionadas pelo Banco Central. O candidato ao financiamento deve cumprir alguns pré-requisitos. São eles:

–          O valor mensal das parcelas não poderá comprometer mais do que 30% da renda bruta do contratante;

–          O prazo máximo de quitação da dívida é de 35 anos (420 meses);

–          Opção oferecida exclusivamente a pessoas físicas;

–           A taxa de juros máxima é de 12% ao ano.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.
O programa Minha Casa Minha Vida se enquadra entre os financiamentos do SFH e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) pode ser utilizado para abater o valor das prestações ou do saldo devedor.

O que é SFI?

Criado em 1997 (Lei 9.514), o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) engloba todos os financiamentos que não se encaixam nos pré-requisitos do SFH e oferece opções mais flexíveis para o comprador, explica o economista Luiz Calado.

Este sistema atende usuários com necessidades específicas, como aqueles que buscam um financiamento de imóvel de valor mais elevado ou com parcelas um pouco mais altas. Suas principais características:

– O valor concedido de financiamento pode chegar a 90% do valor do imóvel financiado;

– Não há limite de renda comprometida, ou seja, você poderá pagar parcelas mais altas e quitar o financiamento em menos tempo;

– Pode ser oferecido tanto a pessoas físicas como para pessoas jurídicas;

– Prazo de quitação máximo de 35 anos (420 meses);

– Não há limites para os juros, que em média variam de 12% a 16% ao ano.

Mas, afinal, qual a melhor opção?
Segundo Luiz Calado, a escolha vai depender das características da compra e do planejamento financeiro. Pesquisar bem as condições do SFH e SFI antes de tomar a decisão é fundamental.

É essencial também avaliar quanto da sua renda familiar será comprometida, o valor do imóvel e o prazo em que deseja quitar a compra. “O ideal é simular as duas opções com o banco e ver qual se encaixa melhor com o seu perfil”, sugere o economista.