Compra

Levantamento de fintech mostra perfil de quem utiliza home equity no Brasil

Empresário com renda de R$ 28 mil e imóvel de quase R$ 2,5 milhões compõe perfil médio deste tipo de empréstimo

Por: Redação, Estadão Imóveis 17/04/2024 2 minutos de leitura
home-equity-emprestimo
Pesquisa indica que maior parte dos tomadores deste tipo de empréstimo pertece a classes mais altas/ Crédito: comzeal/AdobeStock

Publicidade

Empreendedor, 40 anos, renda mensal de R$ 28 mil e proprietário de um imóvel avaliado em R$ 2,4 milhões. Um levantamento realizado pela fintech Franq mostra que esse é o perfil mais comum entre aqueles que recorrem ao home equity no Brasil. E a maioria deles toma o crédito investir em um negócio próprio.

O home equity é uma modalidade de crédito em que o indivíduo coloca seu imóvel como garantia de pagamento. Pelo valor do bem, este tipo de empréstimo tende a cobrar juros mais baixos.

Na prática, o tomador recebe o dinheiro buscado em uma única parcela e durante o processo de pagamento desta dívida, a instituição que disponibilizou o dinheiro se torna proprietária do imóvel via alienação fiduciária. Quando o pagamento é realizado integralmente, o bem volta ao nome do proprietário.

+ Entenda como funciona a alienação fiduciária 

Publicidade

Dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (ABECIP) apontam para um crescimento superior a 80% nos empréstimos desta modalidade desde 2019. Somente em 2023, R$ 7 bilhões foram concedidos em crédito. A pesquisa realizada pela Franq indica que a maior parte das pessoas que buscam o home equity no País pertencem às classes mais altas.

Dos 5.389 pedidos atendidos pela startup entre janeiro de 2023 e janeiro de 2024, 73% foram relativos a casas e apartamentos avaliados em um valor médio de R$ 1,3 milhão. Entretanto, outras propriedades, como galpões, terrenos e imóveis comerciais impulsionaram o valor médio das propriedades a cerca de R$ 2,4 milhões. 

+ Casa própria: como saber o valor máximo que posso pagar por um imóvel

“Observamos que as características do imóvel são tão ou mais importantes que o histórico de crédito do cliente”, afirma Daniel Ferretti, Diretor de Produtos da Franq. 

Publicidade

Crédito para investimento

Entre os motivos listados para tomar o crédito, somando pessoas físicas e jurídicas, o principal foi a realização de investimentos no próprio negócio, com 38,5% das respostas. Em seguida, aparecem a reestruturação de dívidas (19,3%), a aquisição de bens (11,5%),  a reforma do imóvel (11,4%) e capital de giro (4,7% do total, mas 28% entre as empresas). Outros motivos somam 14,6% das respostas.

Os resultados vão ao encontro da situação profissional dos tomadores de empréstimo via home equity. Empresários respondem 37% da tomada de crédito. seguidos por autônomos (20%), assalariados (15%), funcionários públicos (6%) e aposentados/pensionistas (5%) completam a lista. Os outros 16,5% são empresas.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Conheça as principais plantas tóxicas para animais domésticos

3 minutos de leitura
Imagem destacada

4 modelos de varal para apartamento que se camuflam na decoração

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Descubra 5 cidades do Brasil que fazem você se sentir em outro país

3 minutos de leitura
Imagem destacada

O que é o documento formal de partilha?

3 minutos de leitura