O Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou junho com variação nominal, ou seja, sem considerar a inflação, de +0,36%, a sétima alta consecutiva do indicador que acompanha os anúncios de aluguéis de 25 cidades brasileiras em sites.

O percentual observado no mês superou novamente, inclusive, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) +0,01%, representando uma alta real do preço médio de locação de imóveis residencial no último mês (+0,35%). O IPCA é responsável por medir a variação dos preços de produtos e serviços para o consumidor final. 

No mês, entre as 11 capitais monitoradas pela sondagem, Florianópolis foi aquela que apresentou a maior elevação de preço em junho (+1,27%), enquanto Belo Horizonte foi a cidade monitorada a apresentar o maior recuo no preço de locação residencial no período (-0,52%).

No primeiro semestre, o levantamento acumula alta nominal de 3,45%, resultando superior à inflação de 2,23% calculada pelo IPCA, mas permanece abaixo da inflação de 4,38%, medida pelo IGP-M (Fundação Getúlio Vargas, FGV).

A comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e o IPCA acumulado impõe ao preço médio de locação residencial uma alta real de 1,19% no período, reforçando tendência positiva observada nos períodos anteriores.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.
Em 12 meses, a pesquisa acumula alta nominal (+3,85%), novamente uma variação intermediária entre a inflação medida pelo IPCA (3,37%) e aquela calculada pelo IGP-M (6,52%). Tendo como referencial comparativo a variação do IPCA (IBGE) no período, o índice acumula uma alta real de 0,47% nos últimos 12 meses.

Entre as capitais monitoradas, Florianópolis lidera com o maior aumento nominal de preço de locação residencial no período (+11,88%), sendo seguida por Curitiba (+11,16%) e Brasília (+7,47%). Por outro lado, a cidade do Rio de Janeiro se mantém como a única capital monitorada a apresentar recuo do preço médio do aluguel residencial no intervalo dos últimos 12 meses (-1,32%).

O preço médio de locação residencial em junho de 2019 foi de R$ 28,90/m² entre as 25 cidades monitoradas pelo estudo. Considerando as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço do m² mais elevado (R$ 38,50/m²), seguido por Rio de Janeiro (R$ 30,64/m²) e Brasília (R$ 28,95/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de locação residencial no último mês analisado, destacaram-se: Goiânia (R$ 16,54/m²), Fortaleza (R$ 16,63/m²) e Curitiba (R$ 19,02/m²).

Rentabilidade do aluguel

A razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis é a medida da rentabilidade para o investidor que opta por investir no imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel. Nesse sentido, o indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções de investimento disponíveis.

Com ligeira alta frente ao percentual calculado em dezembro de 2018 (4,43%), o retorno médio (anualizado) do aluguel residencial avançou para 4,60% em junho de 2019, superando o retorno médio oferecido por aplicações financeiras de referência.