Notícias

Um em cada cinco síndicos de São Paulo é empresário

Maioria é composta de homens entre 46 e 60 anos de idade

Por: Redação, Estadão Imóveis 25/08/2023 1 minuto de leitura
sindicos-sao-paulo
Levantamento também que tempo médio de síndicos à frente dos condomínios é de dois mandatos (quatro anos) / Crédito: Getty Images

Publicidade

A tarefa de administrar um condomínio residencial precisa ser conciliada com a profissão de empresário por 19% dos síndicos de São Paulo. De acordo com levantamento do Data Lello, braço de inteligência de dados da Lello Condomínios, essa é a principal ocupação entre os síndicos da cidade e está a frente até da função de “síndico profissional”. 

O estudo indica que depois de empresário, aparecem administradores de empresas (15%), síndicos profissionais (13%), aposentados (13%), engenheiros (9%) e advogados (7%) como as profissões mais comuns entre os síndicos na cidade de São Paulo. Profissões como professor, economista, arquiteto e médico também aparecem com frequência no levantamento. 

Perfil dos síndicos

O estudo mostrou que os síndicos também estão mais jovens. Em 2019, 43% tinham mais de 60 anos. Atualmente, este grupo corresponde a 37%. Enquanto isso, 45% dos síndicos têm entre 46 e 60 anos de idade e 17% têm entre 31 e 45 anos. Do total, apenas 1% possui menos de 30 anos. 

O tempo de permanência à frente da administração dos prédios também mudou. Em 2019, 48% dos síndicos permaneciam, em média, por três mandatos no cargo (seis anos). Hoje, 52% ficam entre dois e quatro anos, enquanto 35% ficam mais de quatro anos e apenas 13% permanecem menos de dois anos. Além de 87% dos síndicos paulistanos serem moradores de seus condomínios, a maioria deles são homens (68%). 

Publicidade

“A disputa pelo cargo está mais acirrada e os candidatos estão cada vez mais conectados com o seu verdadeiro papel para o condomínio, para o bairro e para a cidade”, analisa Angélica Arbex, diretora de Marketing da Lello Condomínios. “Ser síndico hoje é ir além de controlar receitas e despesas, cobrar os inadimplentes e zelar pelo cumprimento do regimento interno”, pontua. 

Angélica defende que o papel do síndico moderno é ser um construtor das novas relações entre os moradores. “O síndico tem sob sua governança a maior riqueza das famílias que compõem aquele condomínio que é o seu imóvel. Se ele vai valer 100 ou 1000 daqui a 10 anos vai depender de como esse patrimônio foi gerido”, finaliza.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

IPCA registra alta de 0,59% em outubro após três meses de deflação; preços subiram 6,47% em 12 meses

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Com investimento de R$ 282 milhões, AG7 expande atuação para Balneário Camboriú

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Curitiba: aluguel de imóvel residencial custa, em média, R$ 1.543,00

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Tenda negocia com credores salto no endividamento

4 minutos de leitura