Notícias

Ruas mais caras de São Paulo não passam ilesas a roubos de celulares e veículos

Radar da Criminalidade indica aumento de roubos em regiões nobres da cidade

Por:Breno Damascena 03/07/2024 2 minutos de leitura
ruas-caras-seguranca
Distrito de Pinheiros, um dos mais valorizados da capital paulista, registrou o maior número de crimes no último mês/ Crédito: Breno Damascena

Publicidade

Localizada em uma das áreas mais nobres do Jardim Europa, a Rua Seridó seria uma via aparentemente comum se não fossem os apartamentos luxuosos avaliados em mais de R$ 30 milhões. A rua possui o metro quadrado mais caro do Brasil, segundo um levantamento realizado pelo DataZAP em fevereiro deste ano, mas nem os seguranças uniformizados nas guaritas nos prédios impediram a região de sofrer com crimes no último mês.

+ São Paulo tem a rua mais cara do Brasil. Confira o top 10

Em maio, foram registrados oito crimes nas proximidades da Rua Seridó, sendo seis casos de furto de celular, um caso de roubo de celular e um caso de furto de veículo. Os dados são do Radar da Criminalidade de São Paulo, uma ferramenta interativa desenvolvida pelo Estadão que mostra ocorrências como roubos de celulares e veículos com base em dados da Secretaria de Segurança Pública.

Rua mais caras de São Paulo:

Publicidade

O distrito de Pinheiros, onde fica a Rua Seridó, é a região com o maior número de casos registrados em maio. Foram 440 crimes no total. De janeiro a maio deste ano, as ocorrências foram de 1.428 para 1.480, uma alta de 3,64%.

Em entrevista ao Estadão, o major Rodrigo Vilardi, da Coordenadoria de Análise e Planejamento (CAP) da Secretaria da Segurança Pública, indica uma possível “migração de crimes” oriundos do Centro da cidade.

+ Perdizes e Pinheiros têm alta de roubos; centro de SP vê queda: ‘Não me sinto mais segura’

À medida que regiões como Campos Elíseos (-56,81%) e Sé (-46,6%) registram quedas significativas no número de crimes, outras regiões da cidade indicam aumento. Vilardi, no entanto, entende que este movimento é natural. “O que traria preocupação seria uma migração substancial, de o crime simplesmente sair do centro. Mas não foi isso que aconteceu”, afirma.

Publicidade

Fato é que outras ruas nobres de São Paulo também não passaram ilesas pela criminalidade. Nas proximidades da Rua Angelina Maffei Vita, por exemplo, foram registrados 13 crimes nas proximidades no mês de maio, sendo a principal incidência, com 6 casos, a de furto de celular.

A rua é a segunda mais cara de São Paulo, com o preço do metro quadrado ultrapassando os R$ 46 mil, e também está em Pinheiros.

+ Radar da criminalidade de SP: como estão os roubos na sua rua e na sua vizinhança?

A terceira rua mais cara da cidade registra números ainda mais alarmantes. A Rua Jorge Coelho também tem o metro quadrado avaliado em mais de R$ 46 mil e está localizada no Itaim Bibi, bairro mais valorizado de São Paulo, segundo o Índice FipeZAP. Ainda assim, em um raio de até 500 metros da rua, foram registrados 25 crimes no mês de maio, sendo 19 de furto de celular e 6 roubos de celular.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Emissões de certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários crescem 56%

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Como garimpar boas casas para comprar em São Paulo

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Vale a pena investir em imóveis fora do Brasil?

5 minutos de leitura
Imagem destacada

O que o Nobel de Economia tem a ver com o mercado imobiliário?

2 minutos de leitura