Notícias

FGV: IPC-S sobe 0,69% em outubro; confira cada categoria

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, três registraram acréscimo em suas taxas de variação

Por: Italo Bertão Filho, Estadão Conteúdo 01/11/2022 1 minuto de leitura
mercado-precos-indice
Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, três registraram acréscimo em suas taxas de variação/ Crédito: Getty Images

Publicidade

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) subiu 0,69% no fechamento de outubro, após avanço de 0,62% na terceira leitura do mês e alta de 0,02% em setembro. A informação foi divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O indicador acumula alta de 5,05% em 12 meses, maior do que o avanço de 4,97% no período até a terceira medição e menor que a alta de 5,13% no fechamento de setembro.

A alta mensal foi maior do que a prevista pela mediana da pesquisa Projeções Broadcast que estimava avanço de 0,66%. As projeções, todas de aceleração, iam de 0,63% a 0,76%.

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, três registraram acréscimo em suas taxas de variação entre a terceira quadrissemana do mês e o fechamento de outubro, com destaque para Transportes (-0,69% para -0,19%). O item com maior influência no grupo foi gasolina, (-3,05% para -1,44%).

Alimentação (0,65% para 0,74%) e Comunicação (-1,02% para -0,73%) também apresentaram acréscimo, com destaque para os itens laticínios (-2,18% para -1,49%) e combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-2,44% para -1,86%), respectivamente.

Publicidade

Por outro lado, os grupos Educação, Leitura e Recreação (3,43% para 3,07%), Habitação (0,64% para 0,58%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,86% para 0,85%), Despesas Diversas (0,22% para 0,19%) e Vestuário (0,76% para 0,73%) apresentaram decréscimo. Nestas classes de despesa, os itens com maior peso foram passagem aérea (15,95% para 14,06%), aluguel residencial (0,74% para 0,27%), serviços de cuidados pessoais (0,41% para 0,35%), conserto de bicicleta (0,53% para 0,28%) e tecidos (1,16% para -0,26%), respectivamente.

Influências

Passagem aérea (15,95% para 14,06%), taxa de água e esgoto residencial (2,89% para 3,35%) e condomínio residencial (1,92% para 1,96%) foram os itens que mais pressionaram para cima o IPC-S entre a terceira leitura e o fechamento de outubro. Batata inglesa (24,42% para 24,29%) e plano e seguro de saúde, que se manteve em 1,15% entre a terceira e a última leitura do mês, completam a lista.

Na outra direção, gasolina, (-3,05% para -1,44%), leite tipo longa vida (-7,78% para -5,88%) e combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-2,44% para -1,86%) foram os itens que mais puxaram o indicador para baixo, seguidos por tarifa de eletricidade residencial (-0,49% para -0,66%) e gás de bujão (-0,37% para -0,68%).

Este texto foi publicado antes em:
https://einvestidor.estadao.com.br/ultimas/fgv-outubro-2022/

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

The Economist: Como tornar os imóveis menos inacessíveis nos países ricos

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Conheça 5 tendências de arquitetura e decoração para 2022

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Ano eleitoral: como escolher um bom fundo imobiliário

4 minutos de leitura
Imagem destacada

6 dicas para anunciar imóveis

1 minuto de leitura