Notícias

E-commerce avança devido ao isolamento em casa

As categorias que tiveram o maior crescimento em volume de compras em relação a abril do ano passado foram alimentos e bebidas, instrumentos musicais, brinquedos, eletrônicos e cama, mesa e banho

Por: Denise Luna e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo 26/06/2020 2 minutos de leitura
Levantamento do Compre&Confie mostra que o e-commerce brasileiro faturou 81% a mais em abril deste ano, em comparação ao mesmo mês do ano passado/ Crédito: Creative Commons

Publicidade

Com a pandemia da covid-19, o marketing digital ganhou espaço no comércio e serviços brasileiros — até mesmo em setores antes resistentes à ferramenta, que tiveram de rapidamente se adaptar ao novo modelo. Somente em abril, o e-commerce faturou R$ 3,4 bilhões, 81% mais do que há um ano, segundo levantamento do Compre&Confie, que reúne lojas de vendas online.

As categorias que tiveram o maior crescimento em volume de compras em relação a abril do ano passado foram alimentos e bebidas (+294,8%), instrumentos musicais (+252,4%), brinquedos (+241,6%), eletrônicos (+169,5%) e cama, mesa e banho (+165,9%).

Na avaliação do presidente da agência de marketing e comunicação Saving, Caio Velloso, a pandemia antecipou a migração para o mundo digital em alguns anos nos últimos três meses, e não terá volta. “É bem significativo quando se fala de um crescimento de 81%. Setores que resistiam ao ambiente digital foram forçados a encontrar uma maneira de potencializar vendas, ou mesmo para manter o negócio vivo”, explica Velloso, que prevê fechar o ano com uma demanda 120% maior, atingindo faturamento de R$ 2,5 milhões.

Pelas contas da consultoria global Bip, a base de consumidores que recorrem às plataformas digitais cresceu 85% desde março. Luiz Fabbrine, responsável pelo setor de Serviços Financeiros da consultoria, aposta num cenário positivo para as instituições de pagamento inseridas nesse modelo de negócio em todo ano de 2020.

Publicidade

Boom

A classe médica é uma das que mais resistia a entrar no mundo digital e, agora, experimenta um “boom” por causa da pandemia. Nesse momento de crise, a telemedicina virou uma prática comum. O mesmo ocorre como o setor de educação, que ensaiava casos isolados de ensino a distância e teve de correr para se adaptar à nova realidade. Mesmo os comerciantes de médio e pequeno portes apelaram ao ambiente digital para tentar driblar a queda da demanda trazida pelo isolamento social, utilizando redes sociais como Instagram Facebook para se manter no mercado. Já as grandes empresas viram suas vendas crescerem, a despeito de lojas fechadas, graças ao e-commerce.

“A gente está se reinventando e pensando o negócio dos nossos clientes de forma criativa. É preciso criar um relacionamento com esse público”, afirma Velloso, da Saving, citando a criação de vouchers para serem retirados no pós-pandemia, descontos para garantir receita, e até a realização de campanhas como o #naodemita, que despertou empatia dos consumidores.

Para ele, o hábito do consumidor mudou, e, mesmo com a reabertura dos shoppings e a gradual retomada da economia de maneira geral, o e-commerce não será abandonado e o marketing digital, cada vez mais utilizado para atrair o novo consumir.

“O consumidor está mais reflexivo, mais solidário, com menos dinheiro e percebendo as marcas que estão fazendo algo pela sociedade, e quem não estiver nessa onda está fora. Mais do que nunca, a venda estará ligada ao relacionamento com os clientes”, afirma Velloso.

Publicidade

Confira matéria completa em https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,e-commerce-avanca-mais-de-80-em-abril-devido-ao-isolamento-social,70003338846

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Os 10 bairros que mais valorizaram em São Paulo este ano, segundo a Loft

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Conheça os benefícios do programa Casa Verde e Amarela para o norte e nordeste

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Feng Shui: melhores plantas para a entrada da casa

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Brasil tem 3,5 mil imóveis com ‘selo verde’; veja vantagens das construções sustentáveis

2 minutos de leitura