Notícias

Crédito imobiliário cai 9,6% e fica em R$ 16,1 bilhões em setembro

Apesar do recuo nas atividades, o presidente da Abecip, José Rocha Neto, vem reiterando que 2022 será o segundo melhor ano de toda a história para o setor

Por: Circe Bonatelli, O Estado de S. Paulo 31/10/2022 3 minutos de leitura
credito-imobiliario-comprar
O resultado de setembro foi melhor do que o de agosto e o de setembro do ano passado/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Os financiamentos para a compra e a construção de imóveis no País atingiram R$ 16,1 bilhões em setembro. O montante foi 9,6% menor do que no mesmo período do ano passado, quando os bancos tiveram recorde de contratações. Ainda assim, o volume de crédito imobiliário concedido em setembro deste ano foi o segundo maior no mês em toda a série histórica.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 28, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e consideram apenas as operações realizadas com recursos da caderneta de poupança. Não entram aí, por exemplo, os financiamentos no âmbito do Casa Verde e Amarela (CVA), que utilizam recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

No acumulado de janeiro a setembro de 2022, os financiamentos totalizaram R$ 136,48 bilhões, uma baixa de 11,8% na comparação com os mesmos meses de 2021, segundo a Abecip. Apesar do recuo nas atividades, o presidente da Abecip, José Rocha Neto, vem reiterando nos últimos meses que 2022 será o segundo melhor ano de toda a história para o setor. Segundo ele, há um recuo na comparação com o recorde de 2021, mas o volume de concessão é considerado aquecido e saudável.

Em termos de quantidade de casas e apartamentos financiados, foram 61,8 mil unidades, contração de 16,2% na comparação anual. Entre janeiro e setembro de 2022, foram financiados 559,54 mil imóveis, resultado 15,6% inferior ao de igual período de 2021.

Publicidade

A Abecip também divulgou dados do Banco Central mostrando que a poupança – fonte do crédito imobiliário – teve uma captação líquida de negativa de R$ 4,96 bilhões no mês, ou seja, teve mais saques que depósitos.

Embora negativo, o resultado de setembro foi melhor do que o de agosto (saídas de R$ 19,7 bilhões) e o de setembro do ano passado (saídas de R$ 6,3 bilhões).

Secovi vê expansão de 5,9% nos lançamentos em SP

O mercado imobiliário na cidade de São Paulo fechou o mês de setembro com expansão dos lançamentos e das vendas, de acordo com levantamento do Sindicato da Habitação (Secovi-SP) antecipado para o Estadão/Broadcast. O cenário indica resiliência apesar do ambiente de juros mais altos e da proximidade com as eleições, o que costuma fazer parte dos consumidores postergar novos negócios.

Os lançamentos em setembro subiram 5,9% em relação ao mesmo mês do ano passado, totalizando 8.225 unidades residenciais. Por sua vez, os lançamentos nos últimos 12 meses (outubro de 2021 a setembro 2022) tiveram uma expansão de apenas 1% na comparação com o período anterior (outubro de 2020 a setembro 2021), somando 83.993 unidades.

Publicidade

O ano foi melhor para o mercado de médio e alto padrão. Aqui, os lançamentos cresceram 12% nos últimos 12 meses, 48.100 unidades. Já no segmento econômico (dentro do Casa Verde e Amarela), houve recuo de 10%, para 35.900 unidades.

As vendas em setembro cresceram 22,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado, chegando a 6.255 unidades. Por sua vez, as vendas nos últimos 12 meses até setembro acumularam crescimento de 6% na comparação com os 12 meses anteriores, totalizando 69.812 unidades.

Em termos financeiros, as vendas subiram 17,5% no mês, movimentando R$ 2,775 bilhões. Em 12 meses, as vendas cresceram 2%, indo para o patamar de R$ 35,515 bilhões.

O indicador que mede a velocidade das vendas (total de unidades vendidas em relação ao total de lançamentos no período) foi a 8,6% no mês, queda de 0,5 ponto porcentual na comparação anual. Já a velocidade de vendas acumulada em 12 meses baixou para 51,1%, recuo de 6,1 pontos porcentuais.

Publicidade

Estoque

A capital paulista encerrou setembro com estoque de 66.646 unidades disponíveis para venda, considerando imóveis na planta, em obras, e recém-construídos. O montante é 30,5% maior do que um ano antes. Considerando o ritmo atual de vendas, seriam necessários 9 meses para liquidar todo o estoque de imóveis do segmento econômico e 13 meses para as unidades de médio e alto padrão.

Essa matéria foi publicada em:
https://www.estadao.com.br/economia/negocios/abecip-cai-setembro-2022/

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Melhores lugares para morar e ter mobilidade urbana sustentável

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Comprou um studio e está em dúvida se foi um bom negócio? Especialista diz se é hora de vender

1 minuto de leitura
Imagem destacada

"Se alugasse, pagaria mais que a parcela", relata jovem que comprou imóvel

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Paulistano paga poda de árvore para ter mais agilidade

3 minutos de leitura