Investir em Imóveis

Startup traz automação para a gestão de imóveis alugados

Lastro busca alcançar público com tecnologia para otimizar processos necessários

Por:Breno Damascena 23/06/2023 3 minutos de leitura
homens-conversando
Fundada por Allan Paladino, Pedro Milanez e José Thomaz Pereira, proptech recebeu aporte de US$ 4 milhões no final de 2022 / Crédito: Lastro/Divulgação

Publicidade

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos 74,1 milhões de domicílios existentes no Brasil, 21,1% são alugados. Não à toa, o mercado de aluguel é um caminho tão popular para pessoas, famílias e empresas que buscam renda fixa e segura no País. Para ajudar esses proprietários a gerenciarem tantas propriedades, a startup Lastro decidiu investir em automação e relacionamento.

Fundada em 2021, a Lastro tem a proposta de usar tecnologia para agilizar todas as tarefas que envolvem a gestão de um imóvel alugado. “A administração de um aluguel é um checklist com ações que o proprietário deve realizar, como lembrar da cobrança do aluguel, o pagamento do seguro e atualizar valores”, enumera Allan Paladino, CEO e cofundador da companhia. 

Ao lado de Pedro Milanez e José Thomaz Pereira, ambos com ampla experiência no mercado de startups e tecnologia, ele criou a Lastro durante a pandemia. A ideia da proptech é automatizar os processos obrigatórios na gestão de um imóvel alugado. Na prática, o proprietário ganha acesso a um painel de controle no qual consegue acompanhar os contratos e automatizar as arrecadações e pagamentos. 

Por meio da ferramenta também é possível verificar prazos e recebíveis, emitir boletos, entender os custos das operações, monitorar as demandas dos inquilinos e solicitar suporte para realizar a cobrança do aluguel. “Oferecemos a tecnologia para que o proprietário possa focar apenas no relacionamento com seu inquilino”, afirma Pedro Milanez, CTO da empresa.

Publicidade

Transformação do público

Os sócios da Lastro entendem que a companhia entrou no mercado imobiliário durante um movimento de revolução do setor e, com isso, o perfil dos gestores de imóveis está mudando. Essa percepção começou a tomar forma quando Allan atuava como CFO na Gowork Coworking, startup de operacionalização de escritórios híbridos. Ele sentiu que os proprietários não conseguem valorizar seus imóveis como poderiam. 

“É mais fácil notar a valorização do dinheiro investido em bolsa do que aquele investido em um imóvel. A valorização de um imóvel envolve aspectos menos objetivos, como a reforma para deixá-lo mais moderno e o crescimento da região, enquanto você perde dinheiro quando o imóvel está vazio ou sem manutenção. Mas não há nenhum gráfico como aqueles elaborados por instituições financeiras”, diz Paladino.  

Para ele, o cenário resulta em imóveis mal administrados ou feitos de maneira mais amadora. “Queremos evitar que a experiência deste público passe pelo preenchimento de vários formulários complexos e dores de cabeças bobas.”

Ao invés das planilhas de excel, contas em papel e o risco de falha humana, a empresa adota inteligência artificial. Um dos frutos dessa inovação é a Lais (Lastro Artificial Intelligence System), uma assistente digital voltada para o mercado imobiliário. A plataforma, criada pela empresa com base no OpenAI, mesma tecnologia usada no ChatGPT, atua de forma semelhante a de um chat online, em que o usuário pode fazer perguntas de temas ligados ao mercado imobiliário ou até pedir sugestões de descrição para anúncios digitais. 

Publicidade

Tamanho do mercado

Até o momento, a Lastro passou por duas rodadas de investimento. A primeira de US$ 1,3 milhão, em maio de 2021, realizada por investidores individuais. E a segunda, de US$ 4 milhões, cerca de R$ 20 milhões, em dezembro de 2022, liderada pela Canary, QED e 1Sharpe Ventures. A maior parte desse valor é utilizada na construção de uma marca forte e de autoridade. 

“Este é um mercado construído na base da confiança e de um relacionamento duradouro”, analisa Milanez. A estimativa feita pela empresa é que o mercado de locação movimente R$ 340 bilhões por ano. “A maior parte do público é de famílias e empresas que possuem imóveis e precisam de ajuda para gerenciar, mas as imobiliárias e gestores também podem adotar nossa ferramenta”, afirma Paladino.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Investidores imobiliários veem barganhas em fundos e vão às compras

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Vendas de imóveis em São Paulo têm crescimento anual 6,1% em janeiro, segundo Secovi-SP

2 minutos de leitura
Imagem destacada

O que é a tecnologia BIM e por que usá-la nas obras

2 minutos de leitura
Imagem destacada

4 dicas para investir em imóveis em Campinas

3 minutos de leitura