Aluguel

Startup flexibiliza aluguel e propõe nova forma de aquisição imobiliária

aMORA disponibiliza parte do valor pago mensalmente como cashback para entrada de financiamento

Por:Breno Damascena 11/04/2023 3 minutos de leitura
amora-aluguel-investimento
Proptech permite que potenciais compradores escolham o imóvel em que sonham morar e efetuem o pagamento à vista/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Trabalhar muito, encontrar a casa dos sonhos, acumular bastante dinheiro para dar uma entrada e buscar um financiamento em uma instituição tradicional. O caminho natural para que uma pessoa comum compre um imóvel no Brasil pode ser longo e complexo. Fundada em 2021, a aMORA é uma startup que se propõe a diminuir as etapas e tornar o processo mais amigável para os compradores. 

“As casas estão ficando mais caras e idealmente o indivíduo precisa ter entre 30% e 40% do valor do imóvel para dar esse passo. É um objetivo cada vez mais difícil de atingir e as pessoas se sentem desamparadas durante essa jornada”, argumenta Aram Apovian, cofundador e CEO da proptech. Para resolver essa demanda, a empresa transforma parte do valor pago de aluguel em uma entrada para o imóvel. 

Funciona assim: o cliente pode escolher qualquer imóvel que tenha interesse em comprar, desde que seja na região metropolitana de São Paulo. A aMORA realiza uma análise para entender o estado do bem e aprovar ou não aquela escolha. “A maioria das pessoas está comprando uma casa pela primeira vez ou já faz tanto tempo que ela nem se lembra. Por isso, nossa investigação é tão importante”, afirma Apovian.

Ele alega que o mercado imobiliário é carente de informações. “Não existe uma tabela FIP. Qualquer coisa que encontrarmos de errado pode significar uma desvalorização de 10%”, entende. Assim, caso o imóvel seja aprovado nessa análise, a aMORA efetua a compra do bem e o disponibiliza para o cliente em formato de aluguel com contrato de três anos. Parte desse valor pago como aluguel se transforma na entrada do imóvel. 

Publicidade

Aaron Apovian, Felipe Santos e Rafael Tellechea Cerqueira, co-fundadores da aMORA, startup que recebeu aporte de R$ 40 milhões em 2023 e anunciou parceria com a Even Construtora e Incorporadora no último ano/ Crédito: Guilherme Assis/ Divulgação

Em contrapartida, a startup pede que o comprador pague 5% do valor do imóvel como entrada para o negócio. Após este período, o cliente decide se deseja comprar o imóvel ou não. “Ele vai ter dinheiro para dar a entrada e já fez um ‘test-drive’ na casa para entender se ela tem ou não algum problema. Além disso, ajudamos a conseguir um financiamento, por conta do histórico positivo de crédito”, adiciona o CEO.

Divisão de riscos

“Durante essa jornada, o cliente é incentivado a morar na casa como se fosse dele, reformá-la e decorá-la de acordo com o que desejar”, explica. Ao fim, a aMORA garante que mesmo se o imóvel registrar valorização durante os três anos em que o potencial comprador morou lá, o cliente não precisará pagar mais do que o que foi acordado no início do contrato. 

Caso ele opte por não dar seguimento ao processo ao fim do período, a aMORA coloca o imóvel para venda no mercado tradicional. Se a venda for realizada pelo valor cheio, o cliente recebe o dinheiro da entrada de 5% de volta. Se não, o cliente pode perder uma porcentagem na desvalorização. “A gente divide os riscos porque queremos criar uma conexão de longo prazo”, pontua Rafael Tellechea, cofundador da companhia. 

Investimento em tecnologia

Do outro lado desta ponta que atende potenciais compradores de imóveis, a aMORA criou um fundo de investimento para que investidores possam participar dos processos. É com os valores aportados por meio desse canal que a empresa consegue adquirir à vista os imóveis escolhidos pelos clientes. Os investidores, enquanto isso, se beneficiam pelos aluguéis e valorização do bem. 

Publicidade

Recentemente, a proptech anunciou a captação de R$ 40 milhões na modalidade de dívida via Certificados de Recebíveis Imobiliários – que teve a Cy Capital, do Grupo Cyrela, como principal investidor. “Ano passado, durante nossa validação, crescemos quase seis vezes”, situa Apovian. “Mas não queremos substituir os financiamentos ou as imobiliárias. Nós somos parceiros. O que queremos é atender pessoas que, por falta do dinheiro da entrada ou por medo de investir tanto em um imóvel que podem não gostar depois de um tempo, ficaram de fora desse jogo”, finaliza. 

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Prefeitura de SP vai retomar debates da revisão do Plano Diretor após obter decisão na Justiça

1 minuto de leitura
Imagem destacada

ESPECIAL: história e cultura no coração da zona oeste

9 minutos de leitura
Imagem destacada

Vinci e XP ‘reabrem’ mercado de fundos imobiliários

2 minutos de leitura
Imagem destacada

HGLG11: O que saber antes de investir nesse fundo imobiliário

2 minutos de leitura