Investir em Imóveis

Mercado imobiliário entra na era das criptomoedas

Primeiras transações envolvendo criptomoedas e tokenização de bens imobiliários já despontam no Brasil; para especialistas, o movimento deve democratizar o acesso ao mercado e desburocratizar processos ainda engessados

Por: Bianca Zanatta, especial para o Estadão 02/05/2022 2 minutos de leitura
Na imagem vemos uma ilustração com dezenas de criptomoedas douradas de bitcoin
A tokenização representa também mais acessibilidade ao investimento no mercado imobiliário/ Crédito: Getty Images

Publicidade

A tokenização – que significa a fragmentação de um ativo físico ou virtual em diversas frações digitais – está chegando ao mercado imobiliário brasileiro, como as criptomoedas.

E apesar de ainda haver muito desconhecimento e receio no setor em relação a tecnologias disruptivas, especialistas veem o movimento como algo positivo e que deve ganhar corpo. 

Com os tokens, agora tornou-se possível comprar parte de um imóvel, adquirir insumos de construção, contratar serviços arquitetônicos e de engenharia e até pagar aluguel.

Para Cleberson Marques, especialista em desenvolvimento e inovação imobiliária, uma das vantagens de usar tokens ou criptomoedas e seus criptoativos nas transações imobiliárias está na desburocratização do processo, 

Publicidade

Ele conta que o relatório Doing Business, do Banco Mundial, coloca o Brasil lá atrás no ranking de países com maior facilidade de fazer negócios e proteger os direitos de propriedade, ocupando a 133ª posição entre as 193 nações do mundo. 

Uma transação simples de registro de algum bem imóvel por aqui exige até 14 procedimentos – índice bem superior à média de 4,7 dos países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Nesse contexto, desburocratização, segurança e agilidade serão o impacto imediato no mercado imobiliário quando os tokens forem adotados pelos cartórios, segundo ele. “O ganho de tempo, a praticidade e a dificuldade de fraudes são fundamentais para qualquer setor econômico e, no caso dos negócios imobiliários, isso irá eliminar uma cadeia de procedimentos que representam também um custo alto para o consumidor”, sublinha.

Marques fala que a tokenização representa também mais acessibilidade ao investimento no mercado imobiliário por tornar possível fracionar o valor monetário de um bem para vender partes dele. 

Publicidade

“Por exemplo, o proprietário de um imóvel avaliado no valor de R$ 1 milhão poderá fragmentá-lo em um milhão de tokens para que um milhão de pessoas tenham acesso à mesma oportunidade de rendimentos, porém cada uma com sua fração”, exemplifica.

Primeiro token utilitário do setor

Criada em 2021 para democratizar o acesso ao mercado dos imóveis a partir dos tokens, a brasileira Ribus lançou o primeiro token utilitário imobiliário do mundo, batizado de Rib. 

Com desenho financeiro trabalhado na escassez – são apenas 300 milhões de tokens no total – e reconhecida como reserva de valor imobiliário pela Receita Federal, a nova criptomoedas pode ser aplicada em toda a cadeia imobiliária e de construção presente na plataforma da empresa, que é um marketplace para conectar players do setor. 

Por lá são negociados serviços de profissionais de arquitetura e engenharia, diversos produtos da construção civil e também imóveis.

Publicidade

Leia o conteúdo completo em:
https://economia.estadao.com.br/blogs/radar-imobiliario/mercado-imobiliario-entra-na-era- 

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Descubra o que é SBPE e quais as vantagens dessa linha de crédito

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Empreendimentos de São Paulo e Rio ganham obras de arte e prestígio

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Pequenos, bem decorados e queridinhos

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Loft não fica só no ‘apê’ e entra na compra e venda de casas

3 minutos de leitura