Investir em Imóveis

Mercado imobiliário brasileiro deve ganhar mais um fundo de hotéis

Administrador da bandeira Intercity estuda lançar instrumento para projeto a ser construído no aeroporto de Guarulhos

Por: Gabriel Baldocchi, O Estado de S. Paulo 08/02/2023 2 minutos de leitura
fundos-de-hoteis
No Brasil, há hoje dois principais fundos imobiliários abertos voltados para hotéis: o Maxinvest, lançado em 2007, e o XP Hotéis, de 2016/ Crédito: Getty Images

Publicidade

A indústria de fundos imobiliários deve contar em breve com a chegada de uma nova opção voltada para o segmento de hotéis, modalidade bastante difundida dentro do setor nos EUA e ainda incipiente no mercado brasileiro. O grupo ICH, administrador da bandeira Intercity Hotels, estuda lançar o instrumento para o projeto a ser construído no aeroporto de Guarulhos, com inauguração prevista para 2026.

A empresa foi escolhida para administrar o hotel com 365 quartos que ficará no terminal 3. O projeto levará a bandeira própria do grupo e tem previsão de investimento de cerca de R$ 150 milhões.

Localização é atrativo para investidor

O fundo de hotéis é voltado para a fase operacional do hotel e tem como principais atrativos vantagens tributárias, além de maior facilidade para investidores negociarem as cotas. “É uma estrutura com governança adequada”, afirma Alexandre Gehlen, diretor geral da ICH. Segundo o executivo, a ideia de adotar o fundo também se dá pela localização única do hotel, dentro do aeroporto de São Paulo. “Tem chamado atenção de investidores nacionais e internacionais.”

No Brasil, há hoje dois principais fundos imobiliários abertos voltados para hotéis. O Maxinvest, lançado em 2007, é administrado pelo BTG e conta com 493 quartos, em 23 hotéis. Já o XP Hotéis, de 2016, tem um patrimônio de R$ 360 milhões e 1.264 cotistas.

Publicidade

Grupo ICH é um dos maiores operadores nacionais do segmento

Uma das dificuldades para evolução do instrumento no País é o histórico de juros elevados. Mas na medida em que o setor se afasta do modelo de condo-hotéis, a indústria deve contar com os fundos para a evolução futura do estoque de quartos. “O mercado vai crescer à medida que a macroeconomia permitir”, afirma Ricardo Mader, diretor da consultoria JLL. “No Brasil, os investidores ainda têm uma elevada percepção de risco em relação ao hotel, mas a barreira vai sendo vencida.”

O grupo ICH é um dos maiores operadores nacionais, com gestão de 47 unidades de marcas como Intercity Hotels (própria), Yoo2Rio e Tru by Hilton. Entre as unidades estão o recém-lançado Platina, maior prédio de São Paulo. Ao todo, são cerca de 7.000 quartos sob gestão e um patrimônio total de cerca de R$ 2 bilhões.

Em 2022, o grupo viu a retomada do setor tomar corpo e registrou um crescimento de 62% no RevPar (indicador que combina ocupação e receita dos quartos) da sua rede, em relação a 2021. Na comparação com 2019, pré-pandemia, o avanço foi de 21% no indicador. A expectativa é de um novo crescimento neste ano, de 12%.

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 07/02/2023, às 16h39:
https://www.estadao.com.br/economia/coluna-do-broad/mercado-imobiliario-brasileiro-deve-ganhar-mais-um-fundo-de-hoteis/

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Improvisando no home office? Veja 5 dicas para um escritório remoto perfeito

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Alugar chácaras é uma opção no pós-pandemia?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Mercado imobiliário do metaverso atrai investimentos com o avanço da realidade virtual

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Janeiro registra 0,30% de alta no preço de imóveis residenciais

2 minutos de leitura