Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Página inicial / Guia de Bairros / Conheça os 10 bairros mais populosos da capital paulista

Conheça os 10 bairros mais populosos da capital paulista

Zona leste se destaca com quatro regiões ocupando as primeiras posições do ranking: Cidade Tiradentes (1° lugar), Cocaia (2°), Grajaú (3°) e Jardim Miriam (5°)


Verônica Lima

26/02/2020 - 6 minutos de leitura


Cocaia que ocupa a segunda posição no ranking é um bairro de manancial cercado pela Represa Billings/ Foto: Sebastião Moreira/Estadão Conteúdo/Arquivo


Na cidade de São Paulo, o campeão brasileiro em população é a Cidade Tiradentes, com 228.854 mil pessoas distribuídas por 14,9 km², segundo levantamento da Geofusion, que busca entender onde estão esses “mares de gente”, em que os cidadãos estão concentrados. “O estudo tem a intenção de mostrar para as empresas de diversos ramos os pontos que devem ser considerados na hora de escolher uma região para abrir um negócio. Primeiro a marca deve entender quem é seu público-alvo e depois buscar essas pessoas pelas diversas áreas do Brasil. O número de habitantes ou a densidade demográfica são apenas alguns dos dados relevantes para este levantamento”, explica a diretora de Inteligência de Mercado da Geofusion, Susana Figoli.

Leia mais:
Jardins e Moema têm os condomínios mais caros de São Paulo
São Paulo comemora 466 anos com arquitetura preservada
Brás: região recebeu italianos e nordestinos em busca de uma vida melhor

Regiões

O bairro Cidade Tiradentes, localizado no extremo leste da capital paulista, abriga um dos maiores conjuntos habitacionais da América do Sul: o Fazenda Santa Etelvina tem 40 mil unidades e construído no início da década de 80, pela Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB) em parceria com Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU).

O distrito, apesar de ser um dos dez mais populosos de São Paulo, ainda guarda características de cidade dormitório, já que a oferta de empregos na região não alcança a demanda populacional. Hoje, são 7.495 habitantes com carteira de trabalho assinada. Além disso, os moradores enfrentam problemas com mobilidade, já que as linhas de ônibus são reduzidas e o metrô não chega. Em dezembro de 2019, o Secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, informou que até dezembro de 2022 será viabilizada a expansão do novo trecho do monotrilho da linha 15-Prata, que deve atender entre as estações Jardim Colonial e Hospital Cidade Tiradentes. Mesmo há apenas 35 quilômetros do marco zero da cidade de São Paulo, são pelo menos duas horas nos coletivos para chegar à praça da Sé. Na área da saúde pública, são oito Unidades Básicas (UBS), duas Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAS) e um hospital municipal para atender a população.

Situação parecida ocorre no Cocaia (2° lugar), o bairro de manancial cercado pela Represa Billings, o Grajaú (3°) e o Jardim Miriam (5°). Todos pertencentes à zona sul de São Paulo. Das 224.228 mil pessoas que vivem no Cocaia, apenas 12.834 mil trabalham. Já no Grajaú, o número de trabalhadores chega a 19.390 mil e, no Jardim Miriam, dos 142.110 mil moradores somente 13.651 mil têm empregos formais. A moradora do Cocaia e Tecnóloga em Logística, Flávia Norma da Silva, de 29 anos, afirma que assim como o transporte público, a saúde e a segurança, o emprego também é precário. “Cocaia é carente de transporte, educação, áreas de lazer. As pessoas que trabalham no bairro estão nos mercadinhos locais, mas a maioria, assim como eu, precisa se deslocar para áreas mais distantes. Trabalho no bairro Jurubatuba, região de Interlagos, e estudo fora de Cocaia. Levo duas horas para chegar da faculdade, na Paulista, até minha casa. Isso sem mencionar o trânsito, que tem piorado a cada dia na Avenida Dona Belmira Marin”, desabafa Flávia, que encontrou no território moradia mais barata após ser despejada com a família do Campo Belo, zona sul, em razão da construção de piscinões em 1996.

Já o motorista e morador do Grajaú há 42 anos, Jefferson Nogueira Santos, considera boa a infraestrutura de seu bairro. “Tem colégios, mercados, até mesmo o posto de saúde é bem próximo. Mas para chegar aqui é complicado. Dependemos da Avenida Dona Belmira Marin, que hoje em dia tem um asfalto que mais parece um queijo suíço”, confidencia. Ele conta ainda que os moradores sofrem com a falta de atendimento no posto de saúde e com o transporte público. “O posto aqui leva de quatro a cinco meses para realizar uma consulta e o retorno é marcado para depois de três meses. O transporte público infelizmente é escasso.”

Um pouco mais distante, na zona noroeste de São Paulo e ocupando o 4° lugar no ranking dos bairros mais povoados está a Parada de Taipas. O bairro também sofre com a falta de saneamento básico, esgoto sem tratamento, vias esburacadas, não tem área de lazer, pontos com pobreza extrema e transporte público insuficiente. A região é servida por duas linhas de ônibus: Parque de Taipas Terminal Cachoeirinha (9008/10) e Parque de Taipas Terminal Pirituba (9023/10).

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

Representando a zona leste em tamanho populacional vem o bairro Iguatemi, na 6ª posição. A falta de empregos formais é um dos problemas que atinge mais fortemente o distrito. Dos 138.136 residentes, apenas 10.821 mil possuem registro na carteira de trabalho. Enquanto isso, o Sacomã, ligado ao distrito do Ipiranga, aparece em sétima posição. Ele tem uma área de 6,8 km², população de 132.515 mil, 46.746 domicílios e 36.316 trabalhadores com renda média de R$ 5.415,83. Diferente dos locais anteriores, o território é mais privilegiado. Quem mora no Sacomã tem acesso ao metrô, ônibus e também ao Expresso Tiradentes, que liga a região ao Parque Dom Pedro II, no centro. A região é atendida pelas estações Sacomã e Alto do Ipiranga, ambas pertencentes à Linha 2 – Verde do metrô.

Ocupando a 8ª posição está o Centro Empresarial, nomenclatura oficial junto à prefeitura de São Paulo. O bairro está localizado na zona sul, próximo a Santo Amaro. Sua construção foi iniciada em 1974, mas foi questionada até 1986, quando o conjunto já era considerado um êxito imobiliário. O investimento total foi de 12 milhões de dólares e o patrimônio era avaliado em duzentos milhões de dólares em 1987. Muitas empresas que tinham diversos escritórios na capital paulista optaram por agrupar suas atividades ali. O conjunto de empreendimentos é considerado um dos que influenciaram no desenvolvimento da Marginal Pinheiros como área empresarial. Porém, com o aumento da oferta de imóveis corporativos na extensão da Marginal, diversos locatários passaram a se mudar do aglomerado de empresas, atraídos por edifícios mais modernos e bem localizados. Hoje, de acordo com a consultoria imobiliária Engebanc, o empreendimento tem cerca de 30% dos seus locais vagos.

Em seguida vem a Vila Zatt, perto de Pirituba (zona oeste), que oferece residências de classe média e média baixa, além de algumas áreas carentes, com a presença de pequenas comunidades. A renda média domiciliar é de R$ 4.776,63 e a população é de 127.315 mil. Já a Vila Terezinha (zona norte), 10ª posição, é um bairro relativamente pequeno, com 4,71 km², que começa no trecho médio da Rua Conselheiro Moreira de Barros, perto da Alameda Afonso Schmidt, e termina na Avenida Engenheiro Caetano Álvares.

No Brasil

Em dados gerais, o campeão é o bairro Campo Grande, no Rio de Janeiro, que está no topo do ranking dos distritos mais populosos do País, com 336.484 pessoas – número maior do que o de 98% das cidades brasileiras. A capital fluminense também abriga o segundo bairro mais populoso: Bangu, onde vivem 249.133 pessoas em uma área de 37,8 km², segundo a Geofusion.

Dos dez bairros brasileiros mais populosos, cinco estão na cidade maravilhosa. Depois de Campo Grande e Bangu vem o Santa Cruz em 4° lugar, Realengo em 8° e Tijuca em 10°. A cidade de São Paulo, apesar de ser a mais populosa do Brasil, tem apenas dois locais no ranking: Cidade Tiradentes em 3º e Cocaia em 5º. Das dez regiões listadas, nove estão no sudeste do Brasil.

Bairros são divisões criadas pelas prefeituras para administrar os municípios. É o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que divulga a delimitação dos bairros brasileiros, depois de fazer sutis ajustes para que o desenho dessas áreas fique em harmonia com o desenho dos setores censitários. No Brasil, existem 719 municípios com bairros oficiais divulgados pelo IBGE. O restante dos municípios não tem delimitação oficial de áreas. São Paulo é um deles. Porém, para 40 cidades do Estado de São Paulo, incluindo a capital, a Geofusion utilizou o desenho das Unidades de Informações Territorializadas  (UITs), feito pela Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa). Assim, esse estudo considerou 15.409 bairros de 759 municípios.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas