Batizado devido sua posição geográfica, o bairro Bela Vista, localizado em uma região elevada e central de São Paulo, é um livro aberto da história da cidade. Isso porque seu desenho urbano é formado por ruas e casarões que permanecem muito próximos dos originais.

O distrito abriga o Morro dos Ingleses e o Bixiga, locais importantes para a capital paulistana e também para o Brasil. Veja a seguir alguns dos momentos mais emblemáticos da região.

Influência na literatura

O bairro Bela Vista São Paulo permeia o imaginário de muitos leitores. O local serve de ambientação para o livro “Anarquistas, Graças a Deus”, de Zélia Gattai, publicado em 1979, e que depois foi adaptado pela Rede Globo no formato de minissérie com o mesmo nome, dirigida por Walter Avancini e lançada em 1982.

Sua tradição literária também atinge os leitores mais jovens, já que a região também é introduzida como área para o desdobramento de dois populares livros infanto-juvenis: “O Mistério do Cinco Estrelas”, de Marcos Rey, e “O Covil dos Vampiros”, de Adriano Messias.

Celebração da cultura católica e italiana

A região abriga a tradicional festa da Nossa Senhora da Achiropita, que acontece anualmente na Rua 13 de Maio. A celebração, que mistura a religião católica com as origens italianas do bairro, é uma tentação para os fãs de gastronomia.

A importância da Paróquia Nossa Senhora da Achiropita, contudo, vai muito além dos festejos. Ela é um marco na história do desenvolvimento do bairro: a partir da conclusão da sua construção, em 1926, demais empreendimentos se interessaram pelo entorno, o que acelerou seu crescimento.

A Broadway paulistana

Em Nova Iorque, a Avenida Broadway é famosa pelos seus teatros, que movimentam há décadas a cultura dos Estados Unidos. Em São Paulo, o bairro Bela Vista é, desde 1948, sua versão paulistana: é o polo cultural onde estão o Teatro Brasileiro de Comédia, na Rua Major Diogo, e outros palcos importantes, como o Ruth Escobar e o Bibi Ferreira.

Além da influência no teatro moderno brasileiro, os arredores também contribuíram para movimentos musicais importantes, já que a boemia também se instalou no local: um dos seus maiores símbolos, o sambista Adoniran Barbosa, se apaixonou pela região e a adotou como a sua moradia.


Arte e cultura

Além da vida noturna, o bairro Bela Vista ainda oferece inúmeras opções para quem busca por cultura e arte. Cresceu em importância sobretudo com a inauguração do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), em 1968.

Em sua história mais recente, a região foi escolhida pelo governo japonês – assim como Londres, na Inglaterra, e Los Angeles, nos Estados Unidos – para receber a Japan House, inaugurada em 2017, com a intenção de promover uma série de atividades e acervos relacionados à cultura nipônica. E há mais muitas opções de lazer, arte e cultura, como o Sesc Paulista, Mirante 9 de julho, cinema bela vista, Instituto Moreira Sales e Itaú Cultural, todas às margens da avenida Paulista.