Indicadores Estadão Imóveis
FIPEZAP: 
0.64%
ICON: 
0.45%
IGP-M: 
0.66%
INCC: 
0.46%
PMI: 
16.2%
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Decoração, reforma e construção

Página inicial / Decoração, reforma e construção / Pensando em reformar? Antecipar compra de materiais pode ser mais rentável que investir

Pensando em reformar? Antecipar compra de materiais pode ser mais rentável que investir

Inflação da construção civil supera a rentabilidade média da renda fixa e cria a cultura da despensa dos insumos para as obras


Da Redação

30/07/2021 - 3 minutos de leitura


Forte procura por materiais e falta de insumos na indústria puxam alta de preços/ Crédito: Getty Images

Marcada pela forte alta dos preços, a década de 80 popularizou as despensas, locais onde os brasileiros armazenavam alimentos e outros produtos essenciais para se protegerem, ao menos em parte, da hiperinflação. Esta é a mesma visão que deve começar a ser adotada pelas famílias que pretendem reformar o lar. O desafio tem se tornado muito maior nos últimos meses, pois faltam insumos e os preços crescem exponencialmente.


Para se ter uma ideia, o Índice Nacional de Custo da Construção-M (INCC-M), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 2,30% em junho, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o indicador tinha variado 1,80%, praticamente o dobro de abril (0,95%). Com este resultado, o INCC-M acumula alta de 9,38% no ano e de 16,88% em 12 meses. O índice supera algumas das tradicionais referências de investimentos. O Certificado de Depósito Interbancário (CDI), no acumulado do ano até junho, tem rentabilidade de 1,28% e, em 12 meses, de 2,27%. Já o Ibovespa registra alta de 6,54% no ano até junho, e de 33,40% em 12 meses. 

“Para quem estava no meio de uma reforma ou se planejava para isso nos últimos meses, valia mais a pena aplicar a reserva guardada na compra antecipada de materiais, pois a alta dos preços foi bem acima da rentabilidade dos principais investimentos livres de risco”, afirma o diretor da Comdinheiro, Filipe Ferreira.

Pandemia impulsiona demanda

A carestia dos materiais está relacionada tanto à falta de insumos na indústria como à forte procura. Com o isolamento social, o número de reformas de residências subiu. De acordo com dados da Archademy, empresa de Market Network de Arquitetura e Design de Interiores, mais de 85% dos escritórios de arquitetura brasileiros geraram propostas no período de isolamento social.

“As demandas se concentraram em pedidos para adaptar os ambientes à nova realidade em consequência dos reflexos da pandemia, seja para a criação de um espaço para home office, de convivência para família ou para crianças”, explica o CEO da Archademy, Raphael Tristão. 

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.

Ele observa que a relação do brasileiro com a casa mudou. Ao serem isoladas, as pessoas passaram a buscar o maior conforto e ver problemas ou necessidades antes não identificados. “A casa deixou de ser um ambiente de passagem para voltar a ser um ambiente de permanência. Inclusive, deixou de ter uma coisa em cada lugar para ser o lugar de todas as coisas. Isso aumentou muito o consumo e renovação de mobiliário e produtos no geral”, analisa.

Preço alto não é a única dificuldade

Os brasileiros que decidem reformar também se deparam com outro desafio: a falta de produtos. Este foi o problema enfrentado pelo arquiteto Glauco Vitor Dias, que precisou de mais piso para uma de suas obras. Sem encontrar o mesmo padrão já comprado, ele chegou a contatar o fabricante – sem sucesso. “Ninguém tinha o piso necessário para o aumento que o cliente solicitou na obra. Acabei encontrando o piso em Santa Catarina e paguei o frete”, lembra.

Diante deste cenário, Tristão recomenda para quem tem planos de reformar a casa, que conte com a assessoria de um profissional para que ele faça um orçamento antecipado sobre quais serão os materiais necessários. “Com a oscilação de preços, o ideal é ter uma programação sobre o quanto vai gastar para evitar surpresas futuras que inviabilizem a obra. A ajuda de um especialista é importante para isso”, diz.

A Archademy acaba de lançar uma plataforma de investimento em reforma de alto padrão, o Studio Archademy. A aposta da construtech é a digitalização da contratação de arquitetos, democratizando o acesso a profissionais especializados. “Criamos um processo de qualificação do cliente e cruzamos com nosso banco de dados de profissionais. Entregamos três propostas comerciais para análise comparativa. Você gasta exatamente o que precisa e o arquiteto entrega mais do que você imagina. É a otimização da contratação”, destaca Tristão.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas