Compra

Preço de imóveis fecha primeiro semestre em alta

Valorização de unidades com um dormitório impulsionam movimento

Por:Breno Damascena 05/07/2023 2 minutos de leitura
maceio-alagoas
Maceió é a capital com maior variação positiva nos primeiros seis meses do ano/ Crédito: Getty Images

Publicidade

O preço de venda dos imóveis residenciais registrou valorização de 2,54% ao fim do primeiro semestre do ano, segundo o Índice FipeZAP+, divulgado pelo DataZAP+ nesta terça-feira (04/07). A alta supera a inflação do IGP-M/FGV no mesmo período (-4,46%), mas é menor do que a inflação ao consumidor observada pelo IPCA/IBGE (+2,99%).

Maceió (AL) registrou uma alta de 8,53% e liderou o movimento de valorização entre as 16 capitais observadas pelo Índice. A cidade é seguida por Goiânia (+7,06%) e Campo Grande (+6,77%). A capital de Alagoas também é a capital com maior valorização registrada nos últimos 12 meses (+17,53%).

As capitais com a maior valorização do País no primeiro semestre do ano: 

  1. Maceió (AL) – 8,53%
  2. Goiânia (GO) – 7,06%
  3. Campo Grande (MS) – 6,77%
  4. Florianópolis (SC) – 6,30%
  5. João Pessoa (PB) – 5,16%
  6. Salvador (BA) – 4,54%
  7. Belo Horizonte (MG) – 4,36%
  8. Fortaleza (CE) – 3,58%
  9. Recife (PE) – 3,55%
  10. Manaus (AM) – 3,27%

Preço de venda dos imóveis

No entanto, nenhuma região do País consegue acompanhar o ritmo de valorização de Balneário Camboriú. Nos últimos 12 meses, a cidade registrou uma variação positiva de 22,41%. Só no último semestre, a alta foi de 7,93%. Atualmente, o preço do metro quadrado na região é o mais caro do País: R$ 12.295. São Paulo, uma líder clássica deste tipo de ranking agora ocupa a quarta posição entre m² mais caros do País. 

Publicidade

Preço médio de venda por cidade

  1. Balneário Camboriú (SC) – R$ 12.295,00
  2. Itapema (SC) – R$ 11.532,00
  3. Vitória (ES) – R$ 10.458,00
  4. São Paulo (SP) – R$ 10.446,00
  5. Florianópolis (SC) – R$ 10.211,00
  6. Itajaí (SC) – R$ 9.954,00
  7. Rio de Janeiro (RJ) – R$ 9.929,00
  8. Barueri (SP) – R$ 9.027,00
  9. Curitiba (PR) – R$ 8.785,00
  10. Brasília (DF) – R$ 8.767,00
  11. Belo Horizonte (MG) – R$ 7.972,00
  12. Maceió (AL) – R$ 7.709,00
  13. Vila Velha (ES) – R$ 7.656,00
  14. São Caetano do Sul (SP) – R$ 7.610,00
  15. Recife (PE) – R$ 7.481,00
  16. São José dos Campos (SP) – R$ 7.293,00
  17. Fortaleza (CE) – R$ 7.046,00
  18. Osasco (SP) – R$ 7.046,00
  19. Niterói (RJ) – R$ 6.855,00
  20. São José (SC) – R$ 6.655,00
  21. Santo André (SP) – R$ 6.626,00
  22. Goiânia (GO) – R$ 6.615,00
  23. Porto Alegre (RS) – R$ 6.559,00
  24. Joinville (SC) – R$ 6.170,00
  25. Santos (SP) – R$ 6.142,00
  26. Manaus (AM) – R$ 6.038,00
  27. Diadema (SP) – R$ 5.971,00
  28. Campinas (SP) – R$ 5.919,00
  29. Guarulhos (SP) – R$ 5.857,00
  30. Guarujá (SP) – R$ 5.834,00
  31. Blumenau (SC) – R$ 5.795,00
  32. São Bernardo do Campo (SP) – R$ 5.791,00
  33. Salvador (BA) – R$ 5.786,00
  34. João Pessoa (PB) – R$ 5.681,00
  35. Campo Grande (MS) – R$ 5.579,00
  36. Praia Grande (SP) – R$ 5.363,00
  37. Jaboatão dos Guararapes (PE) – R$ 5.150,00
  38. Caxias do Sul (RS) – R$ 4.979,00
  39. Canoas (RS) – R$ 4.895,00
  40. São José do Rio Preto (SP) – R$ 4.768,00
  41. Santa Maria (RS) – R$ 4.707,00
  42. Novo Hamburgo (RS) – R$ 4.647,00
  43. São José dos Pinhais (PR) – R$ 4.547,00
  44. Contagem (MG) – R$ 4.540,00
  45. Londrina (PR) – R$ 4.513,00
  46. São Leopoldo (RS) – R$ 4.508,00
  47. Ribeirão Preto (SP) – R$ 4.464,00
  48. São Vicente (SP) – R$ 4.163,00
  49. Pelotas (RS) – R$ 4.143,00
  50. Betim (MG) – R$ 3.755,00

Fonte: Índice FipeZAP+. As capitais estão destacadas. 

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Janeiro registra 0,30% de alta no preço de imóveis residenciais

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Obrigações e deveres dos condomínios em casos de agressão

5 minutos de leitura
Imagem destacada

Absorção bruta de escritórios em São Paulo cai 6,6% no primeiro trimestre

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Fundos de Galpão: saiba por que devem estar no radar dos investidores

1 minuto de leitura