2020 foi um ano atípico, no qual a pandemia foi a protagonista e deixou tudo de cabeça para baixo, inclusive mexendo com antigos hábitos e prioridades. Quem planejava usar o dinheiro do 13º para fazer compras de Natal ou viajar nas festas tem a oportunidade de repensar gastos e investir as duas parcelas do benefício em um bem durável, realizando, finalmente, o sonho da casa própria.

O consórcio imobiliário, por exemplo, é uma opção inteligente para quem pretende começar 2021 planejando o futuro. Outra dica é utilizar o dinheiro extra para quitar dívidas de financiamento imobiliário e assim começar o novo ano com o orçamento mais organizado. Outra possibilidade ainda é aproveitar o montante e, dependendo, das economias, dar entrada em um terreno ou até começar a construção de um imóvel sob medida.

Segundo dados da OLX, plataforma brasileira de compra e venda online, a procura por terrenos, sítios e fazendas à venda cresceu 52% no terceiro trimestre de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado. Enquanto isso, o aluguel teve alta de 47% na demanda na mesma comparação.

Os números levantados pela OLX mostram as faixas de preço dos imóveis que mais têm atraído compradores. Aqueles com valores entre R$ 250 mil e R$ 500 mil, e acima de R$ 2 milhões são os que registraram maior crescimento na pesquisa, com alta de 74% cada um, na comparação entre o terceiro trimestre deste ano e o mesmo período de 2019. Considerando somente o terceiro trimestre de 2020, a maioria dos usuários da plataforma que procurava por unidades teve interesse nos valores de até R$ 250 mil (72%), seguido pelos valores de R$ 250 mil e R$ 500 mil (12%) e de R$ 500 mil a R$ 1 milhão (7%).

Terrenos

Algumas empresas, como a Pró Lotes, loteadora do Rio de Janeiro, e a InstaCasa, startup de decoração de lote, têm produtos nessa linha, inclusive com características que têm atraído mais a atenção dos brasileiros no período de isolamento, como apontam os dados da ImovelWeb. A procura por unidades no interior aumentou 28% entre março e setembro de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em junho, chegou a subir 60% contra o mesmo mês do ano passado.

Outra pesquisa do Grupo ZAP mostra ainda que a demanda por moradias nas cidades com mais de 100 quilômetros (km) da capital paulistana subiu 340% no mês de março em relação a janeiro deste ano. “Com a baixa histórica para o financiamento imobiliário que resulta em taxas mais baratas, percebemos um incentivo de compra em 2020. Além disso, o isolamento social fez as pessoas refletirem sobre seus espaços e incentivou a busca por imóveis maiores e em regiões mais distantes das áreas metropolitanas”, explica Mauricio Carrer, cofundador e CEO da InstaCasa.


Cuidados

Porém, um detalhe importante é não agir por impulso: analise as alternativas, a localização, sua capacidade de quitar as parcelas e, principalmente, o benefício que a decisão representará na vida e na renda da família. O imóvel pode sim ser considerado um investimento seguro, mas deve ser feito com cautela.

Mesmo se a intenção for lucrar com aluguel, a negociação deve ser feita com planejamento. Se o plano for potencializar a rentabilidade e as chances de retorno do investimento em menos tempo, busque um empreendimento bem estruturado. Caso contrário, a compra pode trazer mais despesas do que benefícios, porque você pode demorar para encontrar um locatário e até ser obrigado a baixar o valor da negociação.