José Augusto Viana Neto

José Augusto Viana Neto

Presidente do Creci SP

Ver mais colunistas
Colunas

Perspectivas de aquecimento

Ao divulgar a intenção de reativar o Minha Casa, Minha Vida, o próximo governo cria bons motivos para comemorarmos a virada do ano!

Por:José Augusto Viana Neto 11/11/2022 2 minutos de leitura
residencia-predio-popular
"Taxas de juros menores, estabilidade política, pandemia sob controle... tudo isso somado poderá proporcionar a segurança que os investidores e compradores vêm esperando"/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Um novo cenário está surgindo para o setor imobiliário, especialmente quando se trata de habitação popular. Ao longo dos últimos 4 anos, o Programa Casa Verde e Amarela, que tinha como propósito continuar atendendo à parcela menos favorecida da população, facilitando a aquisição da casa própria, foi, aos poucos, perdendo esse caráter social.

A inflação crescente trouxe reflexos negativos ao Programa, elevando os custos de materiais de construção e mão-de-obra e, assim, inviabilizando a produção de unidades voltadas ao público de menor poder aquisitivo.

De setembro/2021 a agosto/2022, houve alta de 11,2%, especialmente no preço de materiais como concreto e aço, forçando as incorporadoras a repassar esse aumento aos clientes e as obrigando a suspender os lançamentos de projetos mais populares.

Entretanto, ao que parece, novos rumos se apresentam ao mercado imobiliário a partir de 2023, trazendo esperança às famílias de renda menor, a base da nossa pirâmide populacional.

Publicidade

Em janeiro, o presidente eleito assume o governo com a perspectiva de olhar mais atentamente aos menos abastados no que diz respeito à habitação popular. Pelo que já está sendo divulgado, a proposta é retomar o “Minha Casa, Minha Vida”, como mola propulsora de diversos setores da economia do País.

O Programa voltará a ter como público principal as famílias de baixa renda, disponibilizando diversos projetos de casas populares em todo o País e aquecendo, assim, vários setores da construção civil e do mercado imobiliário e, por consequência, de outras áreas fundamentais para a execução desses projetos.

Sabemos que essa é uma indústria que atua em harmonia com diversas outras e que pode aquecer a economia e gerar emprego e renda à população. São setores que operam em conjunto e interdependência. E quando um dos pontos dessa roda trava, o prejuízo se reflete em todos os demais. Por isso, quanto mais cedo as decisões forem tomadas, melhores e mais rápidos serão os resultados.

O retorno à produção de unidades destinadas à moradia das populações menos abastadas, assim como a reforma de prédios públicos e a inclusão de imóveis usados no Minha Casa, Minha Vida – uma bandeira antiga defendida pela categoria de corretores de imóveis – representa mais dinheiro injetado na geração de mão de obra, nas áreas de elétrica, hidráulica, arquitetura, engenharia, da indústria moveleira, dentre outras.

Publicidade

É toda uma movimentação periférica cujo peso é essencial para o desenvolvimento econômico do País.

Dessa forma, vejo o retorno do Minha Casa, Minha Vida nesses moldes como algo muito positivo e de grande significado àqueles que vislumbram a compra da casa própria nos próximos anos, mas que ainda esbarram nas dificuldades diárias para a obtenção de financiamento.

E se houver queda na Selic, somada a uma escolha acertada do novo ministro da Economia, o governo poderá dar início a uma fase de bons ventos para o segmento. Taxas de juros menores, estabilidade política, pandemia sob controle… tudo isso somado poderá proporcionar a segurança que os investidores e compradores vêm esperando há muito tempo.

São, definitivamente, nossos votos para um feliz 2023!

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Empresários acreditam que Minha Casa, Minha Vida impulsionou mercado imobiliário no final de 2023

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Mudar o quarto de brinquedos pode mudar seus filhos?

7 minutos de leitura
Imagem destacada

PPP prevê despejar ocupações no centro de SP para criar prédios de aluguel

9 minutos de leitura
Imagem destacada

Quitar o financiamento imobiliário ou investir no mercado financeiro?

2 minutos de leitura