Rodrigo Luna

Rodrigo Luna

Presidente do Secovi-SP

Ver mais colunistas
Colunas

Independência: valor maior não há

Possibilidade de ter um lar é também exercício da liberdade que o Brasil e os brasileiros conquistaram há 200 anos

Por:Rodrigo Luna 16/09/2022 3 minutos de leitura
independencia-moradia-7-de-setembro
"Quando se adquire a propriedade de uma moradia, o espectro de tudo isso ganha dimensão adicional. Ganha o valor do patrimônio"/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Às margens do Rio Ipiranga, no dia 7 de setembro de 1822, o grito de Pedro de Alcântara declarou a Independência do Brasil. Se houve ou não grito não há prova documental. Mas o fato é que foi este o primeiro passo para nos firmarmos como nação.

Uma série de fatores concorreram para que isso acontecesse.

Vem desde 1808, quando a família real portuguesa, fugindo das tropas francesas, se instalou no Brasil. O rei D. João VI identificou prontamente o potencial do País. Adotou uma série de medidas modernizantes que contribuíram com o desenvolvimento comercial e econômico, com destaque à abertura dos portos às nações amigas. Promoveu avanços no campo da cultura e educação. E, em 16 de dezembro de 1815, decretou a elevação do Brasil a parte do Reino Unido. Deixamos de ser colônia.

Com a eclosão da Revolução Liberal do Porto, em 1820, o rei foi obrigado a retornar a Portugal e Pedro de Alcântara tornou-se regente do Brasil. Em 1821, recebeu ordem de retornar ao seu país de origem. Todavia, mobilização popular – o Clube da Resistência – obteve mais de 8 mil assinaturas em documento pedindo a permanência do príncipe regente. Então, veio o Dia do Fico e a abertura do processo que levou à libertação do Brasil.

Publicidade

Poucos se lembram que o processo de independência não foi tranquilo. Houve resistências de regiões do País que não queriam isso. Aconteceram campanhas militares, que perduraram até 1824.

Por que tanta história?

Porque as lutas pela preservação da independência são diuturnas. É defender a nossa condição de autonomia, de liberdade, em termos coletivos e individuais.

Exige permanente estado de atenção para combater tudo o que venha a ameaçar nossos direitos de ter e de ser. O direito à propriedade, à expressão de opinião, de ir e vir.

Exige preservar nossas conquistas, como a da democracia, na qual as instituições se firmaram e se fortaleceram e onde o Estado de Direito deve sempre prevalecer.

Publicidade

Independência é o conjunto desses valores a serem permanentemente protegidos pela sociedade, por todos nós, não importa o credo, a raça, a condição social, o time de futebol ou o partido político.

Lar: o espaço da independência

A sensação de viver em um país livre se materializa de forma ainda mais tangível quando consideramos que o espaço onde moramos é também independente.

Um lar é exatamente isso. Está sob o nosso domínio. Organizamos da forma que desejamos. Abrigamos a quem queremos. Compartilhamos experiências, memórias e planos. Dividimos sentimentos. Nele somos livres para pensar, conversar, argumentar, sorrir ou chorar, estudar, conviver e viver.

Quando se adquire a propriedade de uma moradia, o espectro de tudo isso ganha dimensão adicional. Ganha o valor do patrimônio.

Publicidade

Num regime democrático, a posse legítima de um bem imóvel é premissa a ser respeitada. A perda de uma unidade quitada só acontece em casos extremos. Tivemos momentos duros em nossa história econômica. O confisco da poupança, por exemplo, é trauma ainda vivo para muitos de nós. Confiscaram nosso dinheiro, mas nenhuma propriedade imobiliária.

É por isso, dentre tantas outras razões, que imóvel é moeda forte. Não é possível produzir terrenos. Uma vez ocupados tornam-se indisponíveis. Só voltam ao mercado por meio da demolição do que lá está para a construção de um novo empreendimento. Daí sua valorização ser permanente no tempo.

E, vale adicionar: o sentido de pertencimento à Nação é um tanto difuso. Ele normalmente aparece quando ouvimos nosso Hino Nacional, conectando-nos com o sentimento de civismo e patriotismo. Aparece, também, quando nos indignamos com fatos que ameaçam conquistas. Propostas que afrontam a democracia, a Constituição. Leis que abalam a segurança jurídica, a previsibilidade, a confiança no futuro.

Todavia, o habitar no que é próprio torna esse sentido tangível dia a dia. É a casa, são os móveis. A rua, os vizinhos, o bairro. É o lugar. Um lugar que talvez fosse muito diferente se não houvesse acontecido o 7 de setembro de 1822.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Confira nossas

WEBSTORIES

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Condomínios brasileiros solicitam mais crédito para investir em energia solar do que em segurança

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Vizinhos reclamam do barulho de crianças na quarentena

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Tegra prevê mudanças nas áreas internas

2 minutos de leitura
Imagem destacada

FGV: IGP-M tem deflação de 1,01% na 1ª prévia de outubro; confira

0 minutos de leitura